Ark Survival Evolved deveria ser um dos jogos mais amadurecidos do mercado, e a razão é simples: começou com o seu acesso antecipado em 2015, passou para a versão final no Steam em finais de Agosto de 2017, e antes disso também foi lançado para a Xbox One e PlayStation 4. Dito isto, como é óbvio, quando Ark Survival Evolved foi anunciado para a Nintendo Switch, os jogadores esperavam encontrar um jogo robusto e com uma boa optimização por parte da Wild Card, produtora do jogo.

De uma maneira geral Ark Survival Evolved é uma experiência interessante, toda a ideia que envolve o jogo é de certa forma genial e com influências de diversos jogos. Embora o jogo seja totalmente online, a verdade é que conseguimos viver essa experiência de forma solitária, até porque o próprio início do jogo a isso obriga, uma vez que aparecer numa praia completamente nus, com uma espécie de cristal encrostado no nosso pulso e ao levantar a cabeça estarmos rodeados de mato e animais pré-históricos, é algo que não é partilhável. Bastam esses poucos segundos para percebermos que estamos perante um jogo de sobrevivência, onde um passo em falso pode ser o nosso fim.

Ao mesmo tempo, também nos oferece uma sensação de liberdade, sendo que temos uma ilha toda para explorar, onde apanhar materiais de forma a construirmos armas e ferramentas é essencial para a nossa progressão e sobrevivência. Quanto mais exploramos o jogo, mais novidades vamos descobrindo, e claro, novos perigos vamos encontrado. O jogo obriga a essa exploração para não ficarmos estagnados, e a exploração é provavelmente um dos pontos mais importantes que podemos encontrar. Somos um pouco de tudo: guerreiros, sobreviventes, ferreiros, alfaiates, domadores, construtores, entre muitos outros ofícios.

ARK: Survival Evolved – Launch Trailer – Nintendo Switch

Não fiquem com a sensação que estou a exagerar, não estou, Ark Survival Evolved tem tantas opções de construção e customização que chega a ser confuso. Como em qualquer RPG, é de extrema importância irmos aumentado a nossa experiência e o nosso nível, já que nos permite desbloquear novos conteúdos, novas criações, sendo neste ponto que o jogo atinge um dos seus momentos gloriosos: a criação de bases. Se no início parecem simples cabanas (daquelas que alugamos quando vamos à praia), quando já estamos num nível bastante mais avançado conseguimos criar edifícios, que só mesmo a imaginação mais fértil podia alcançar.

O grande problema poderá ser a falta de paciência, visto que não é um jogo para qualquer jogador. Há mesmo que gostar deste tipo de experiência, principalmente no que toca ao grind. Serão necessárias carradas de material, e para dificultar ainda mais as coisas, o inventário do personagem é limitado, o que significa que andar a recolher material, guardar, e voltar ao mesmo spot para continuar a recolha, será algo que terá de estar sempre na vossa mente.

Os perigos são imensos, e para começar, alguns dos dinossauros são extremamente agressivos, o que nos obriga a ter cuidado redobrado quando caminhamos pela enorme ilha que funciona como cenário do jogo; isto sem esquecer o perigo de morrer à fome ou mesmo à sede, e além de tudo isso, se jogarem num servidor com PVP activo, têm ainda de ter em conta os outros jogadores.

Falar em perigo é também falar em morte, caso morram, preparem-se para perderem o que estão a carregar. Sim, é possível recuperarem as coisas, mas para isso terão de voltar ao local onde morreram, porém, se outro jogador passar nesse local, muito provavelmente vão ficar sem as vossas coisas.

Por outro lado, jogar com amigos ou com jogadores que estejam virados para a cooperação, pode ser uma experiência que torna Ark Survival Evolved extremamente interessante. A ideia de cooperação neste tipo de jogos é o que motiva muitas vezes os jogadores a terem paciência e a serem capazes de evoluir, e os grandes MMORPG que conhecemos evoluíram dessa maneira. São muito poucos, ou mesmo raros, os jogadores que conseguem a partir de determinada fase continuar a jogar sem terem um grupo que os ajude e motive, e aqui a ideia é a mesma, jogar com companhia é sem dúvida alguma a melhor maneira de desfrutar do jogo.

O grande problema de Ark Survival Evolved, neste caso para a Nintendo Switch, não se relaciona com nada do que falei anteriormente, até porque nesse aspecto o que a Wild Card oferece aos jogadores é exactamente aquilo que os jogadores tiveram acesso nas outras plataformas; o grande problema prende-se principalmente com a falta de optimização e os diversos bugs que este apresenta. Lembrem-se é um jogo que está no mercado desde 2015, e é inadmissível o trabalho apresentado na consola da Nintendo. Temos diversos problemas que acontecem logo nos primeiros minutos, mal começam a exploração; breaks em que o jogo por vezes congela durante segundos, dinossauros presos em árvores e pedras; locais por onde tentamos passar e é impossível mesmo que não esteja nada à nossa frente. Enfim, a lista de problemas é vasta.

E claro, não podemos fugir à componente gráfica, e acreditem, que tirando aqueles jogos de estilo retro, nunca tinha visto um jogo com um aspecto tão mau na Nintendo Switch. Imaginem ligarem Ark Survival Evolved no vosso PC, e colocarem todas as definições gráficas em Very Low: é exactamente desta maneira que jogamos a maior parte de tempo. Ainda que existam momentos em que o jogo graficamente melhora, a verdade é que do nada, volta àquele aspecto medonho. Para terem uma ideia, a framerate do jogo – seja em modo dock, ou em modo portátil –, chega a variar entre os 20 e os 30 fps. A diferença entre o modo dock e o portátil também é grande, e se em modo dock acontece aquilo que vos falei anteriormente (dos gráficos irem variando entre algo razoável e algo muito mau), então em modo portátil estamos sempre em modo mau.

Ark Survival Evolved poderia ter sido uma excelente entrada na Nintendo Switch, o jogo já tinha tempo suficiente para ter sofrido boas alterações no que toca à sua optimização, mas infelizmente isso não aconteceu e os seus problemas estragam por completo tudo o que de bom o jogo nos poderia oferecer nesta plataforma. Se querem jogar este jogo, devo dizer-vos que é preferível jogar no PC, na Xbox One ou na PlayStation 4, sendo que a versão da Nintendo Switch fica longe de ser uma experiência feliz.

2.5

Sim

  • Toda a ideia à volta do jogo
  • A componente cooperativa melhora a experiência exponencialmente

Não

  • Grandes problemas de optimização
  • Graficamente fica muito abaixo do esperado
Published
Categories Análises Nintendo
Views 71

Deixa um comentário