Nioh foi um jogo que quando joguei tive um prazer imenso (Aqui para ver a review do jogo original), é verdade que é de uma dificuldade acima da média, ficando ao nível de Dark Souls e Bloodbourn. Algo que me trouxe bastante prazer foi quando soube que este iria ter três DLC com conteúdo bastante interessante, o primeiro deles foi Dragon of the North e o segundo Defiant Honor e terceiro e ultimo foi Bloodshed’s End.

E como devem imaginar é destes três DLC que vamos falar, decidi juntá-los porque assim é muito mais fácil os leitores terem uma noção do que será o “pacote completo” quando obtiverem Nioh na sua versão final, ou se adquirirem o Season Pass deste.

 

 

Comecemos então por analisar o primeiro DLC lançado pela Team Ninja, Dragon of the North. Antes de mais convém deixar bem claro que não será possivel iniciar esta nova aventura sem completarem a campanha principal do jogo. Este primeiro DLC é passado mais uma vez no Japão, mais propriamente na zona de Oshu. Mais uma vez teremos de lutar contra um exército de Yokais.

Posso também desde já afirmar que este conteúdo fica um pouco acima da dificuldade da campanha principal. E não é apenas os nossos inimigos que vamos encontrando ao longo dos nosso caminho que são mais complicados, os bosses são mesmo bastante complicados, obrigando-nos a ter imenso cuidado antes de qualquer ataque. Claro que podem conseguir diminuir essa dificuldade tendo uma boa build no vosso personagem, mas acima de tudo, o importante é terem bastante calma e conhecerem bastante bem o vosso personagem tanto no tempo de ataque como de defesa, para com isso terem uma boa táctica de ataque e defesa.

Seja como for, Dragon of the North tem para nos oferecer, ao todo temos 7 missões (3 principais e 4 secundárias), estas encontram-se espalhadas por 2 novas áreas que podem explorar. Além disto quanto ao que se refere a William, o nosso personagem, temos então novas armas, e até a possibilidade de ter dois equipamentos equipados em simultâneo. Além disso existem também novas peças de armaduras.

Tal como o jogo principal, Dragon of the North encontra-se brilhante na sua componente gráfica, é um daqueles jogos que nos enche os olhos, seja no design dos personagens, como no visual de todas as zonas onde passamos.

 

 

 

Passando agora para Defiant Honor ou Honra Desafiante, esta expansão mantém a mesma linha, quer seja do jogo em si quer seja da primeira expansão, isto é, apesar de estarmos num mundo fantasiado com muita magia ilustrada, existe por de trás muitos aspectos reais do Japão feudal. Continuamos a jogar com William Adams agora num inverno extremo, numa das era mais conturbadas deste país, a era Sengoku. A história desta expansão baseia-se num confronto ícone da cultura japonesa o cerco do castelo de Osaka que seria a fortaleza mais impenetrável desta era.

O nosso herói junta-se a Masamune Date, um samurai que segundo a história fundou a cidade de Sendai e esta aliança vai servir para derrotar Sanada Yakimura, um Samurai bastante respeitado, no cerco de Osaka.

A acompanhar nesta batalha histórica do Japão temos novos Espíritos Guardiões e uma nova magia, Onmyo. Tal como a expansão do Dragão do Norte vais poder contar igualmente com armaduras divinas. Outra novidade é a nova classe de armas conhecidas por Tonfa. Apesar de continuar com um grau bastante desafiante, há quem se adapte bastante bem e para esses jogadores existe um novo desafio cujo o seu nível de dificuldade não é para quem quer, é para quem pode.

 

 

Com o fim do cerco em Osaka segue-se a nova e a última expansão de Nioh, O Final do Conflito. Passado alguns meses após os acontecimentos de Honra Desafiante em que o Japão está preste a entrar em guerra, William Adams junta-se a outra caras conhecidas para a derradeira batalha contra Tokugawa.

Tal como todas as outra expansões, esta vai prologar o tempo de jogo em algumas horas. Com três missões primárias e nove secundárias, com certeza que vais ficar agarrado ao comando ou teclado e rato durante muito tempo ate finalizar O Conflito Final.

Como seria de esperar também terás novas armas, novos espíritos magico e é claro a mais um novo modo de jogo desta vez com o nome de O Abismo que é nada mais nada menos mais um modo com um grau de dificuldade colossal.

 

 

DLCs é sempre o assunto tabu para os jogadores, porque normalmente estes estão focados na componente estética. Como puderam ler, estas expansões para alem do lado cosmético, tem novas missões, que vão ao encontro da história principal do jogo. Para quem tem Nioh, estas expansões são, sem dúvida, uma mais valia. Para os jogadores que ainda não o têm e que ficaram com curiosidade podem agora aproveitar em comprar a Complete Edition. Juntando assim estas expansões ao jogo principal, podemos concluir que vais ter um jogo com um grafismo de topo, com uma historia de cair o queixo. A nível de jogabilidade, conta com umas valentes dores de cabeça devido ao grau de dificuldade fora de série.

NOTA: Esta analise foi avaliada como um todo, isto é, como se tratasse da Complete Edition.

4.0

Sim

  • A história está fantástica.
  • As expansões trazem muitas novidades.
  • Um RPG com acção do início ao fim.

Não

  • O grau de dificuldade é exagerado de tão desafiante que está.
Published
Views 133
Ir para a barra de ferramentas