Bom filho, a casa torna!

É verdade, está de regresso o jogo da série Final Fantasy que saiu à dez anos, na Europa, para a velhinha Playstation 2, pelas mãos da suspeita do costume, a Square Enix. Foi em Final Fantasy XII que vimos os primeiros passos numa nova jogabilidade nas batalhas. Isto é, nos títulos anteriores, nos combates, os personagens estavam sempre no mesmo lugar e os combates por turnos. Em Final Fantasy XII isso mudou. Quero dizer, a parte de os personagens manterem-se sempre nas mesmas posições, porque apesar de parecer bem mais dinâmico, os combates são por turnos.

Outra novidade importante de referir é que conseguimos ver as criaturas que vamos combater, passo a explicar, quem jogou os jogos anteriores, sabe que entrávamos nas batalhas do nada e so sabíamos quem era o inimigo quando estas começavam. Em FFXII isso já não acontece, porque conseguimos vê-los a “passear” no mapa.

Mas mudando um pouco de assunto, Final Fantasy XII: The Zodiac Age é um remaster com algumas novidades que vai trazer mais emoção ao jogo.

A primeira novidade é logo visível quando chegamos ao menu inicial, é um novo modo chamado Trial Mode é modo serve para treinares a tua equipa e criares estratégias. Aqui podes testar a tua equipa num modo por rondas e tens que aguentar o máximo possível.

Mas a grande novidade são as Licenses (licenças) que são nada mais nada menos que classes de guerreiros e tens que escolher para as personagens que se vão juntando à tua equipa durante a esta grande aventura. As licenças trazem um lado ainda mais estratégico e com isso torna o jogo muito mais interessante. A tua escolha vai influenciar em vários pontos tais como, o tipo de armas que usas, habilidades e técnicas. Estes pontos referidos são desbloqueados através de uma Skill Tree. Ao longo do jogo poderás escolher mais do que uma licença.

Como remaster que é, os gráficos estão melhorados mas… mesmo assim deixam a desejar. Digo isto por em jogo consegue-se ainda ver algumas linhas rectas nos vários elementos do jogo, ficando assim com aspecto um pouco quadrado. Mas nem tudo é mau, bem pelo contrário, as cutscenes deste Final Fantasy estão simplesmente espectaculares.

Outro ponto que foi melhorado foi a banda sonora. A banda sonora foi reorquestrada, mas não te preocupes, se fores fiel ao original, podes escolher a opção de ouvires a banda sonora original.

Em suma, Final Fantasy: The Zodiac Age conta com a mesma história a mesma maneira de jogar e as mesmas personagens, mas as novidades vão dar um ritmo bastante interessante ao jogo e que leva para um lado ainda mais estratégico, o que vai fazer com que fiques mais tempo agarrado ao comando da Playstation. Acho que as licenças foi uma ideia genial para se trazer num jogo de Final Fantasy. Os gráficos podiam estar um pouco melhores, mas que não é nada de grave visto ser um remaster e não um remake.

 

About The Author

Nascido no coração de Lisboa, este rapaz, nunca foi o mesmo a partir do momento em que o pai lhe ofereceu o primeiro Gran Turismo.Apaixonado por jogos de corridas, mas principalmente do Gran Turismo, comprou todos os jogos da saga até hoje. Dezanove anos depois, tem um novo amor, Forza Horizon...mas não esqueceu Gran Turismo.

Related Posts