Need For Speed é um nome de enorme importância no que toca a jogos de corridas arcade, podendo dizer que foi o “menino de ouro” da Electronic Arts durante muito tempo. Infelizmente, nos dias de hoje a realidade é outra. Para fazer esquecer os “flops” que pudemos jogar, a Electronic Arts traz-nos Need For Speed Payback. Com um trailer de apresentação cheio de acção e com carros cheios de “músculos” debaixo do capot, fazendo lembrar a saga de filmes, Fast Furious (Velocidade Furiosa, em português) que envolvem velocidade, acção e muitas habilidades perigosas. Esse trailer criou muita expectativa na óptica do jogador criando um Hype estrondoso devido aos gráficos, à acção que lá se encontra e é claro aos carros, resumidamente, a tudo o que era visível fazia “crescer água na boca” aos jogadores.

 

Em Need For Speed: Payback seremos três personagens, Tyler Morgan (personagem principal), Sean McAlister e Jessica Miller cada um especializado em tipos de “corridas” diferentes tais como Off-Road, Drift, Fuga e Corrida de velocidade. A introdução do jogo está interessante, parecendo um filme. A história em si não traz novidades, isto é, o que acontece durante o jogo já vimos em filmes ou em outros jogos, mas apesar disso a história desenrola-se bem e está bem estruturada. A narrativa deste jogo passa-se em Fortune Valley e os personagens que referi juntam-se para extinguir o gang que domina as estradas conhecido por The House que durante o jogo dão varias dores de cabeça a eles, principalmente a Tyler. Conta com uma história repleta de acção, com traições para apimentar e sem esquecer de carros super velozes. A narrativa conta com muitas cutscenes que estão muito bem feitas e contam a história de uma maneira brilhante.

Esquecendo a narrativa deste Need For Speed, vais ter também a hipótese de fazer paralelamente uma lista enorme de desafios que vão por à prova as tuas habilidades, esses desafios vão lembrar um grande jogo se não o melhor jogo arcade lançado até hoje, Forza Horizon 3. Faço esta comparação porque em Need for Speed Payback esses desafios são radares de velocidade, provas de drift e desafios onde tens de ter uma velocidade média durante um percurso, quanto melhor for o resultado final melhor será a tua recompensa (estrelas e pontos de experiência). Com esses desafios também terás a hipótese de desbloquear partes, para customizar o teu “bólide”.

 

 

Na customização visual, nada a apontar, é algo que está muito bem feito pois consegues mudar quase tudo no carro, capot, saias laterais, para-choques traseiros, e dianteiros, escapamento, tecto, vidros, jantes, para-lamas, entre outros. A nível de peças que podes colocar, honestamente podia haver mais, mas mesmo assim tens várias alternativas. A respeito customização de performance, vais encontrar uma novidade. Mas nem sempre as novidades são boas, e esta posso dizer que foi o ponto que mais desagradou no jogo. Em vez de comprar peças para “alimentar” a tua fera de quatro rodas, vais ter de comprar Speed Cards, que como o nome indica são cartas que vão aumentar o desempenho do teu carro.

 

 

A jogabilidade de Need for Speed Payback, tal como já mencionei estamos a lidar com um jogo completamente virado para a vertente arcade. Posto isto vais contar com uma condução mais divertida e mais fácil. Apesar de ser assim, vais sentir que a condução é um pouco estranha sem teres a noção como o carro vai reagir. Mas como é obvio, ao fim das primeiras corridas vais ganhar o hábito e esquecer como foi estranho conduzir no começo do jogo. O ponto alto e que foi a novidade que foi melhor implementada, foi o mapa. Este título tem um mapa enorme e totalmente Open World podendo assim explorares um mundo com paisagens diversas e que com certeza vais perder muitas horas a fazê-lo. Como este mapa é muito grande tens a possibilidade de fazer viagens rápidas. Podes fazer estas viagens só para alguns locais, como bombas de gasolina (que estão espalhadas pelo mapa, mas que tens de as encontrar), para as lojas de peças (Speed Cards) e para as tuas garagens. Quando começas o jogo é atribuída uma garagem e que posteriormente podes (e deves) comprar mais garagens. Outra novidade que vais notar é os carros abandonados, algo que encontramos igualmente no Forza Horizon 3. Mas neste jogo, é um pouco diferente. Enquanto no Forza Horizon 3, aparece no mapa a área onde está o carro abandonado e quando encontramos o dito carro esperamos algum tempo e fica disponível, em Need For Speed, tens que encontrar primeiramente o chassi e após isso vais partir à descoberta do resto da carroçaria, que são mais quatro partes. Depois de encontrares este cinco componentes, ficas com o carro disponível na tua garagem e vais ter de escolher a especialidade dele, se é um carro de corridas, Drift, Off-Road ou de fuga.

 

 

Graficamente, o jogo conta com animações e cutscenes muito elegantes e apelativas já em “in-game”, essa mesma qualidade é um pouco mais fraca mas sendo assim bastante satisfatória. As paisagens estão muito bem feitas e os vários efeitos, por exemplo o pó a esvoaçar na estrada quando estamos perto de um deserto é muito realista. Algo visual e que me agradou muito é o dano que é causado no carro, apesar de ser difícil de recriar umas valentes amolgadelas, quando tens um grande acidente o teu automóvel fica “todo” danificado visualmente. Enquanto dás os teus passeios ou até mesmo quando corres, tens uma banda sonora muito variada mas toda ela cheia de energia mas que honestamente pode ser posta de parte, visto o som dos motores estarem sobrepostos e que estão simplesmente maravilhosos.

 

 

Em jeito de conclusão, Need for Speed: Payback é um jogo bom mas que na verdade desilude após o grandioso trailer que foi apresentado. Após te habituares ao tipo de condução vais sentir que as o tempo passa tão ou mais rápido que os teus carros. Contempla uma narrativa muito banal, algo que já vimos noutros formatos, mas que está bem implementada. As novidades são algumas, e até são novidades boas, tal como um mapa enorme em Open World e até mesmo os carros abandonados que trazem um  nível de dificuldade extra mas os Speed Cards….”O que raio é isso?!?”, na minha opinião é algo que até mesmo num jogo arcade não faz sentido algum. Need for Speed é um bom jogo…mas sente-se que ainda falta algo .

 

3.5

Sim

  • Um mapa gigante Open World.
  • Cutscenes e animações que nos envolvem na narrativa do jogo.
  • Possibilidade de personalizar quase todas as partes exteriores dos carros.
  • Um sem fim de desafios.

Não

  • História banal.
  • Upgrade de performance através de "cartas" era escusado.
  • Ainda tem alguns bugs, como atravessar outros carros, como se fossemos fantasmas.
Published
Views 179

Leave a Reply

Ir para a barra de ferramentas