Ahhhhh o mar…curiosamente estou a escrever esta análise precisamente a olhar para imensidão do mar. Curiosamente também estou a beber alcóol, não rum ,mas uma cerveja fresca, e devo dizer que é apenas uma cerveja para que não pensem que fiz esta análise embriagado.

Tirando este aparte, a imensidão do mar é um dos pontos centrais de Sea of Thieves, e para o bom e para o mau. Isto porque a procura de tesouros, de mantimentos ou de simplesmente matar inimigos poderá ser muito divertido, mas também bastante repetitivo, isto porque o mapa no fundo não é assim tão grande, e as missões não são tão diversificadas, pelo menos, para já. E digo para já, porque Sea of Thieves tem demasiado potencial para ficar por aqui e para não ir incluindo, por exemplo novos bosses, ou novas aventuras.
Mas isto é apenas uma nota introdutória, ou um pensamento ligeiro sobre o jogo no geral, porque se entrarmos a fundo vamos perceber a riqueza que o jogo tem, e mais do que isso o potencial, como já referi.

A nível da riqueza temos um jogo cheio de cor e vida, mas mais do que isso de um espírito social muito forte. Podemos facilmente aventurarmo-nos sozinhos no jogo, mas nada é comparado ao divertimento que este pode ter ao nos juntarmos a uma outra embarcação de desconhecidos ou juntarmo-nos a 3 amigos para descobrir todos os segredos que o mar e as ilhas escondem.
O jogo é “vivido” na primeira pessoa, portanto preparem-se para “dualar” com a vossa espada ou pistola como se tivessem em pleno alto mar, mas mais importante do que isso, é que vão ter as tarefas todas que uma embarcação exige, também na primeira pessoa. Pode parecer fácil, mas a coordenação necessária, vai dar direito a uns quantos berros nos headphones. Içar as velas, direccionar as velas, ver se há obstáculos pelo caminho, colocar no mapa o local que queremos explorar, dirigir o leme do nosso barco, meter balas no canhão, meter pólvora no canhão, fazer isso em cada canhão, uffffffaaaaaa…. já perceberam que sim é cansativo, não é fácil e exige coordenação. O resultado?! é muita divertido jogar com os nossos amigos.

Curiosamente Sea of Thieves é um dos jogos em que podemos falar com os outros jogadores através do chat de proximidade, isto é, não precisam de ser teus amigos na consola, podem simplesmente falar com eles, por os termos encontrado no meio do mar ou de uma ilha. Este é um novo paradigma que tem sido explorado também no Fortnite e no PUBG e que começa a ganhar uma enorme força no mundo dos videojogos.

É de facto um jogo em que sentimos que estamos realmente a funcionar como uma equipa, e visto que aquilo que temos que fazer é tão próximo da realidade, temos ainda mais essa sensação. Coisas como alguém a gritar: “Dias tira a água do barco senão vamos afundar!!! Tapa os buracos com a madeira! Vem aí uma tempestade alguém tem de tirar a água, depois desce as velas que estamos a ser empurrados contra as rochas!” São tudo frases que vamos ouvir várias vezes, e que o esforço de concretizar as tarefas nos dá um real gozo de cumprir o nosso papel.Depois existe a recompensa de todo o esforço, pilhar um barco afundado, porque o nosso “spotter” viu as gaivotas a pairar sobre esse barco, atacar barcos adversários e sacar tudo que amealharam ou apenas encontrar um baú do tesouro, tudo é vivido com muita intensidade e imersão.

Graficamente é um típico jogo da Rare, cheio de cor e vivacidade, pormenor e sempre com um ar que me lembra o Monkey Island, aliás falando de jogos que terão sido uma referência para Sea of Thieves, não podemos esquecer o mítico clássico Pirates Gold, jogo em que nem mapa tínhamos e eu feito parvo, desenhava o mapa enquanto os meus primos jogavam no seu antigo Commodore. Não perdi tempo nenhum se é isso que perguntam, ganhei uma experiência de vida! Talvez por isso acho tanta piada a este jogo, faz me lembrar isso quando vou para cima de outro barco tentar matar o seu capitão e sacar o ouro todo para mim, é um verdadeiro jogo de piratas, focado apenas e isso nisso, e não um Blackflag onde tínhamos que fazer tudo o resto para curtir andar de barco e mandar abaixo as outras embarcações.

A nível de jogabilidade Sea of Thieves é super simples, por vezes até demais, mas com tanta coisa para fazer e coordenação que é preciso ter, a Rare preferiu adoptar este sistema para que a diversão estivesse na componente de socialização e não na destreza no comando.

Sea of Thieves não sendo totalmente revolucionário, é um jogo com vários pormenores de futuro, a questão da socialização por proximidade, o mundo aberto que está disponível, a coordenação necessária, mas peca pela falta de conteúdo diversificado e pela longevidade que poderá ser curta, especialmente pela falta de optimização do armamento que temos, podemos comprar, mas não podemos fazer upgrades, o que nos limita bastante. No compto geral, Sea of Thieves é muito divertido de jogar com mais 3 amigos, mas o mundo aberto, e aberto a outros jogadores poderá causar alguma frustração na hora em que estamos a fazer uma missão e outra equipa de piratas nos vem abordar e estragar tudo, mas são ossos do ofício não podíamos esperar ser piratas e saquear tudo de livre vontade pois não?!

4.5

Sim

  • Modo cooperativo muito recompensador
  • Cheio de cor e vida
  • Chat de proximidade pode ser um passo em frente

Não

  • Um pouco repetitivo
  • Sente-se que pode ter mais possibilidades
  • Precisa de mais objectivos e mais variados
Published
Categories Análises Pc e Mac Xbox
Views 283