Numa altura em que dois dos maiores simuladores automóveis para consolas (Forza 7 e GT Sport) estão no mercado chega-nos também Spintires: Mudrunner, um verdadeiro simulador, mas um pouco diferente dos anteriores descritos, um simulador de nicho por assim dizer. Talvez muitos de vos fiquem estupefactos com está quase comparação de mega produções e uma sequela de um jogo indie, mas a verdade é que deve ser feita, pois todos estes jogos são exímios na simulação quer seja em pistas mundiais, quer seja no country side Russo. Em Mudrunner a simulação é pura e dura desde problemas de física na estrada a controlo de consumos de combustível. E é um jogo que além de não ser para todos os jogadores, não é de maneira nenhuma vosso “amigo”.

Mudrunner, é diferente de todos os outros simuladores, pois ao invés de estarmos numa pista a correr pelo melhor resultado, na realidade o que temos de fazer (grande parte das vezes) é entregas de cargas ao longo de um mapa. E aqui como dizia Doc Brown, “where we’re going we don’t need roads”, não existem estradas direitas, apenas caminhos demarcados no campo, cheios de lama, e água. Esta é a dificuldade do jogo, é este off road puro, que não existe em nenhum titulo de rally, que nos entrega todo o gozo do jogo.

Claro que isto obriga a que o jogo seja muito mais lento, poucas são as alturas em que com qualquer das nossas viaturas passemos dos 20 Km/h. Mas a verdade é que apesar disso, nunca em momento algum me senti “enfadado” com esta curta velocidade. A cada metro que avançamos pelos terrenos lamacentos e irregulares, usando todas as mecânicas existentes é como uma pequena vitória.

Quando arrancamos somos brindados com um tutorial, que pouco nos ensina além do básico. O próprio jogo sabe disso, aconselhando-nos a fazer alguns desafios antes de partirmos para o mundo aberto onde podemos explorar os mapas com os carros que vamos desbloqueando.

Mas falemos da condução (afinal é um jogo de “carros” não é verdade). As viaturas que temos diponiveis são na sua grande maioria ex-veículos militares sovieticos, com força suficiente para atravessar qualquer obstáculo, no entanto devemos para isso usar todas as mecânicas incluídas em cada uma das viaturas, desde tração às 4 rodas, bloqueio de diferencial, e até mesmo o guincho para agarrar a uma arvore ou outra viatura mesmo. É esta necessidade de engenho, de ultrapassar o obstáculo que nos desafia a entregar a próxima carga a explorar o próximo mapa.

O nível de simulação leva-nos a procurar qual o melhor veiculo para a distancia a percorrer, quais os extras necessários, e se o nível de combustível chega para a viagem. Depois é fazer-nos à estrada e aventurar-nos pelos terrenos difíceis que encontramos.

A nível de detalhe as maquinas que conduzimos são incríveis, e conseguimos além do visual da lama a agarrar aos pneus e todos os salpicos a isso inerentes, conseguimos a nível de som ouvir todas as engrenagens do motor em puro funcionamento.

Os cenários podem não ser os mais detalhados de sempre, mas conseguem passar a frieza do ambiente e os tons cinzas mostram bem o agreste que é fazer este tipo de trabalhos. No entanto apesar dos cenários gerais serem algo “pobres” a verdade é que como disse acima a beleza do mundo está nas pequenas coisas como a água a correr no rio, ou a lama nos pneus e nas laterais do carro.

No entanto nem tudo pode ser incrível neste jogo. Ao jogar encontrei alguns problemas, nomeadamente a estranha câmara exterior. Compreendo a utilização da mesma, para podermos ver melhor onde estamos presos qual o melhor ponto de passagem. Esta câmera é demasiado dinâmica, e apenas é controlada pelo analógico direito, sendo que quando o carro muda de posição, a câmara mantem-se, o que obriga muitas vezes ao reajuste da mesma. É acima de tudo uma questão de habito, mas não deixa de ser uma situação estranha. Quem quiser uma experiência mais perto do real, podem sempre optar pela câmara interior do veículo. O número de mapas também pode ser algo curto e repetitivo, mas à velocidade que nos movemos demoramos um pouco a explora-los mesmo. A nível de viaturas o jogo também é algo parco. Como vos disse grande parte das encontradas são ex-militares, e a sua quantidade é curta com apenas 19 veículos. Esta seleção curta é compensada com o nível de opções que podemos acrescentar no carro. Desde capacidade de carga maior, a alterações de mecânica. Existe uma serie de alterações disponíveis em todas as viaturas.

A nível de opções de jogo também não temos muitas disponíveis sendo o core do jogo (o modo de exploração dos mapas onde fazemos as nossas voltas e entregas para ganhar créditos para comprar equipamentos novos e desbloquear novos mapas) está divido em duas dificuldades casual e real. Tirando este modo, podemos encontrar os já falados desafios, e também um freeplay onde podemos jogar online com até mais 3 amigos. Tendo em conta o número de vezes em que ficamos atascados na lama, este é possivelmente a melhor forma de jogar. A entre-ajuda neste jogo, através de ajuda quando o combustível está em baixo, levando um camião cheio de combustível, ou mesmo usando o guincho para tirar um parceiro da lama.

Não sendo eu fã do mais puro dos simuladores de estrada, encontrei, como alguns encontrarão, um verdadeiro simulador à minha medida.

Não é perfeito, não é para todos, é rigoroso como os mapas onde se passa o jogo, mas é divertido a cada desafio, e se noutros jogos demoramos 10 min a prepara o carro para uma corrida de 5 min, aqui passamos 20/30 ou até mais minutos a fazer uma simples distancia no carro mais lento de sempre. Mas nunca deixa a excitação de lado.

 

 

4.0

Sim

  • Dos melhores motores de física que já experimentei.
  • Cenários vastos, com desafios próprios.
  • Desafios e multiplayer complementam a jogabilidade.

Não

  • Graficamente ao lado dos grandes é algo mais fraco.
  • Dificuldade não é para todos
  • Fãs de velocidade, o jogo não é para vocês
Published
Views 146

Leave a Reply

Ir para a barra de ferramentas