Dançar é a palavra de ordem!

Se existiu análise difícil de fazer desde que cheguei ao Salão de Jogos foi esta. Ainda assim, se existe coisa que não gosto, é deixar o trabalho por fazer. Decidi então convidar alguns amigos para virem cá a casa, retirar algumas coisas da frente da televisão, deixar o espaço bem arrumado e por fim sentar-me e colocá-los a trabalhar para mim. Não pensem que os meti a escrever. Pior – meti-os a dançar.

Pois bem, com a chegada da Nintendo Switch chegou também o Just Dance 2017. Um jogo que já tinha saído para várias outras plataformas no mercado, mas que para poderem jogá-lo precisavam do vosso smarthphone, ou noutros casos, de dispositivos extra. Com a Nintendo Switch tudo isso mudou, basta pegarem num dos Joy-Cons e toca a dançar, exercitar, mexer, fazer figuras tristes, etc…

Como podem imaginar, este é um daqueles jogos que será sempre mais giro jogado por duas ou mais pessoas. Claro que podem jogá-lo sozinhos, mas perde parte do divertimento, principalmente se se encontrarem acompanhados. Como vos disse, chamei algumas pessoas cá a casa para testarem o jogo e foi uma autêntica galhofa durante algum tempo. Deu para chorar a rir, deu para dançar. Ou melhor, deu pelo menos tentar – já sabia que era péssimo – mas quando estamos num grupo de amigos isso é o menos importante, giro é divertirmo-nos e passarmos um bom bocado.

Todos se divertiram bastante, mas todos tiveram a mesma opinião – é um jogo muito engraçado para passar umas horinhas a rir e a divertir com amigos, no entanto dificilmente seriam capazes  de jogá-lo sozinhos. Algo que eu concordo plenamente. A menos que seja alguém que adore dançar, acho improvável jogar sozinho.

Os Joy-Cons respondem na perfeição. Todos os movimentos eram bem interpretados e nunca tivemos algum problema (mesmo a dois jogadores). Significa por isso, que caso estejam indecisos em relação à plataforma, recomendo a Nintendo Switch visto que não têm de usar dispositivos extras, ou o smarthphone. Além disso, com os Joy-Cons têm a pega para prenderem ao vosso braço de maneira a não acontecerem acidentes (como ecrãs de televisão partidos e outras coisas).

Quanto ao conteúdo de jogo, existem diversos modos e todos eles relacionados com dança, como é lógico. O primeiro modo é o Just Dance, que consiste basicamente em escolher uma de várias músicas que vêm com o jogo, apenas têm de seleccionar e dançar.

O próximo modo é o Just Dance Machine, onde têm uns alienígenas  que tiveram problemas na sua nave espacial enquanto passavam pelo planeta terra. E vai daí, nada faz mais sentido do que raptar um ser humano e obrigá-lo a dançar e claro, gerar energia no processo (Dance Energy) de forma a que possam voltar ao planeta de origem. Neste modo é necessário dançar as musicas que vão aparecendo no ecrã (e elas vão variando bastante).

Para quem gosta de competir, existe também o World Dance Floor. Aqui o objectivo é atingir boas pontuações e competir com os diversos jogadores espalhados pelo globo. As musicas vão variando bastante e existe ainda uma espécie de ranking por jogador.

Logo a seguir têm o Dance Quest e neste modo – como o nome indica – o importante é cumprir objectivos que são apresentados (como chegar ao top 3 numa lista de dançarinos, entre outras coisas). Existe também o Sweat Playlist, onde podem criar playlists de músicas para dançarem.

Por ultimo temos o Just Dance Unlimited. Um serviço pago onde os jogadores têm acesso a mais de 200 músicas – um óptimo serviço para quem é mesmo fã do jogo e pretende juntar ainda mais músicas às que já tem.

Quando não vos apetecer dançar mais e quiserem ver a “habilidade” de outros jogadores, podem ir ao Just Dance TV onde poderão assistir a imensos vídeos da comunidade.

Concluindo, Just Dance 2017 é um jogo óptimo para fãs de dança e para se divertirem com os vossos amigos. É garantido – vão existir muitas gargalhadas à mistura.

Publicado
Categorias Análises
Visualizações 289