De Zero tem muito pouco

Devo confessar desde o início desta review que eu próprio sou um fã da marca e dos seus phones. Portanto ao falar deste G4me Zero da Sennheiser, falo como utilizador há mais de 10 anos de phones da marca. Na verdade é desde de 2005 que me rendi aos HD 280 que utilizo na rádio diariamente. Com um noise cancelling brutal e um conforto incrível que não quero outra coisa na vida. Talvez por isso as minhas expectativas em relação a esta versão gaming eram altas. Agora será que foi uma confirmação ou uma decepção?

Comecemos pela apresentação do mesmo, é irresistível a forma como os phones vêm acondicionados, com uma caixa compacta, a lembrar os nossos porta cd’s de antigamente, os phones encaixam nessa bola altamente portátil assim como protectora visto que é uma caixa dura e resistente.

Não sendo WIFI, os G4me Zero trazem um cabo de 3m de comprimento para podermos utilizar confortavelmente na sala de estar sem estarmos colados à televisão, isto no caso de utilizarem uma consola. No entanto aqui reside um problema. Para utilizarem na PS4 ou Xbox One vão ter de comprar um adaptador próprio que custa cerca de 10 euros, outro do mesmo valor se quiserem utilizar no Mac, algo que pode ser um pouco chato.

case

A nível de design, estes phones da Sennheiser são um mimo, utilizando o branco e o vermelho como cores predominantes, o design é muito High End e High Tech ao mesmo tempo, com um ar futurístico, nota-se o bom gosto da marca alemã e a atenção ao pormenor.

foam

Atenção ao pormenor não só no design que não parece apenas um objecto de trabalho ou de competição, mas também uma peça de moda, isto é, de lifestyle. Para melhor acomodar as nossas orelhas, os G4me Zero têm 3 camadas de espuma “com memória”, que faz com que as nossas orelhas sejam aconchegadas e envolvidas, aliado ao facto de pesarem pouco mais do que 312 gramas, é quase como se não estivéssemos a usar nada e como são tão confortáveis podemos tê-los durante horas sem sentir aquele peso na cabeça. O facto da protecção dessa espuma envolvente terminar com um revestimento de pele, faz com que tanto a transpiração não acontece, mas que também não cole às orelhas.

g4me_zero_collapsable_banner

Já que falamos de conforto, destaque ainda para o facto de os phones serem completamente regulados, dando a oportunidade a cabeças grandes, como a minha, algo que pensava até ser um problema só meu e afinal é de muitos mais.

Mas como homem da rádio, sei muito bem que o conforto também se faz em particular na audição, e aqui a minha expectativa não foi gorada. A Sennheiser aplicou a estes G4me Zero dois dos seus indutores para “afinar” toda a nossa experiência sonora, a imersão que consegue dar, especialmente a ambientes sonoros detalhados de alguns jogos é impressionante. Para exemplificar fugimos ao Call of Duty, jogo para o qual até está recomendado e fomos a algo mais musical por um lado e depois mais expansivo por outro.

Começámos pelo Hotline Miami 2: Wrong Number, jogo que não dispõe de uma grande complexidade sonora, mas de uma banda sonora muito específica, para além disso o ambiente 8 bits e 16 bits que encontramos também ajuda nessa definição que procurávamos. Aqui os G4me Zero roçaram a perfeição, o detalhe da música era perfeitamente claro e imersivo, tal como a Sennheiser já me tinha habituado em phones para a audição de música, mas também o detalhe nos disparos de cada arma eram claros que nem água.

Mas para colocar os G4me Zero num ambiente mais gaming para ver a sua capacidade fomos para o Pro Evolution Soccer 2016, um jogo de futebol, onde temos várias camadas: a do ambiente do estádio, os cânticos das claques, o speaker, depois a da narração e comentário, e por fim os sons dentro das 4 linhas, dos jogadores, da bola, dos postes, etc. Aproveitámos para fazer um joguinho na Liga dos Campeões, para aproveitar essa atmosfera. E mais uma vez ficámos muito satisfeitos, sentíamos essas camadas, sentíamos a atmosfera, com a capacidade de ouvirmos o speaker do estádio a dar o 11 inicial, o ambiente do estádio a vibrar perante os golos e a narração quase como a camada mais próxima de nós como se da rádio se tratasse. Faltava então experimentar em algo mais explosivo, mais galáctico até, aí decidimos ir ao nosso bom velho amigo Destiny.

german

Foi aqui que fiz igualmente o teste de como o microfone com noise cancelling embutido funciona. Para os jogadores de Destiny, todos nós sabemos o quão confuso pode ser ter 6 pessoas a falar ao mesmo tempo num Raid, e foi aí que fiz o primeiro grande teste. Para já a clareza com que outras pessoas me ouviam foi notado pelos próprios, não havia aquele som de electricidade estática ou o eco que por vezes acontece, para além disso o efeito do noise cancelling permitia que ouvisse não só os outros camaradas de Raid com clareza, mas que não transmitisse ruído quando falava, neste campo fiquei muito impressionado como esta função de hardware funciona tão bem. A nível da audição o equilíbrio que estes G4me Zero proporcionam em regime de ouvirmos tudo aquilo que se passa no jogo mas que nunca percamos o que nos estão a dizer é também notório. Se falava do quão imersivos estes phones são, neste regime de Raid a sensação foi a mesma. Destaque ainda para os controlos acessíveis que temos embutidos nestes phones. Temos um botão de volume do lado direito para aumentarmos ou diminuirmos o som à nossa vontade, e do lado esquerdo, onde está posicionado o microfone, basta levantá-lo 54º, isto é para cima para fazer auto-mute.

mute

Em geral os G4me Zero da Sennheiser são uns excelentes phones. De tudo o que foi dito a nível técnico e de design os únicos pontos negativos, para mim, é o facto de não ser wireless, apesar do conforto do cabo de 3m, e o facto de termos que comprar adaptadores para jogarmos nas consolas e no Mac. Não é que sejamos enganados nesta questão, na caixa vem bem explícito que são PC Gaming Headset, mas gostaria que ou os cabos viessem de origem ou que a questão fosse resolvida por WIFI. No entanto, são efectivamente os phones mais confortáveis com que joguei e totalmente imersivos.

Published
Categories Análises
Views 59
Ir para a barra de ferramentas