É preciso ter pedalada

Fui defrontado mais uma vez com um jogo em duas rodas, mas desta vez de ciclismo. Sim eu sei o estigma que todos vocês devem ter em relação a um jogo de ciclismo, mas também sei que há fãs do Tour de France e fãs até de Cycling Manager. Vou ser extremamente honesto, eu sou daqueles que gosta de ver ciclismo, mas que geralmente adormece a meio e acorda nos últimos 20km, mas que se interessa, e especialmente tem uma grande dificuldade em perceber como é que é humanamente possível, o corpo ter tanta força e aguentar aquilo.

Posto isto e não sendo um acérrimo fã ou um entendedor nato, fui de espírito aberto para este Tour de France em formato jogo.
Primeiro devo dizer que fiz o tutorial de forma muito afincada, até porque são 14 botões, sim 14 botões para aprender, todos eles com funções diferentes e todos eles importantes. A princípio pensei que pudesse ser um “smasher”, tipo jogos olímpicos, mas a verdade é que tem muito mais do que se lhe diga.

Tour de France 2016_20160629191250

Temos o botão para pedalar, outro para travar, depois um botão para atacar, isto é, imprimir velocidade, outro para nos colarmos ao ciclista que vai imediatamente à nossa frente e outro para as comunicações entre a nossa equipa. Estou a tentar simplificar os botões para explicar melhor. É claro que como na vida real, não podemos só acelerar e pedalar porque vamos ficar exaustos, e aí reside a principal dificuldade do jogo, temos que dosear a velocidade que imprimimos pois temos duas barras de energia para controlar, a de termos força para implementar um ataque e a energia no seu overall. Temos a ajuda de consumíveis, barras de gel para nos hidratarmos ou para nos alimentarmos para repor esses níveis de energia, mas eles são findáveis e estão alocados a mais uma tecla do comando.

Tour de France 2016_20160624195600

Para além desta gestão existe outra para se ter em consideração, a da equipa, podemos dar ordens como proteger determinado elemento, implementar um ataque, esperar pelo momento oportuno ou manter a linha com o chefe de equipa. Como sabem, no ciclismo tudo faz parte de uma estratégia e aqui esse ponto é crucial para ganharem provas. No entanto é também uma das partes mais chatas, e digo isto, porque ao fazermos 160km em que estamos a controlar o pelotão e temos a nossa estratégia montada para, por exemplo, fingir um ataque para ver quem pode corresponder ou para “queimar” alguns adversários, nós próprios podemos não ter energia para atacar e ficamos pelo caminho. Este é o maior problema que encontrei no jogo, não se trata de usar a táctica certa ou errada, trata-se de estarmos se calhar 30 minutos a fazer uma prova, a preparar o momento, para depois não dar em nada, a não ser frustração.

Tour de France 2016_20160624201500

Atenção eu disse 30 minutos, e não estou a exagerar, é que podemos avançar no tempo à nossa vontade e parar quando existem movimentações ou indicações da nossa equipa, mas mesmo assim passamos o tempo todo a ver como a prova decorre, e como já disse a muitas vezes deitar todo o nosso tempo como perdido. Eu sei que há pessoas que jogam Football Manager em tempo real, ou até mesmo o Ciclying Manager Tour, mas este tipo de jogo precisava de uma forma mais “saudável”, mais acessível a quem apenas gosta de ciclismo e se queria divertir um pouco com isso. Tour de France continua a parecer demasiado simulador de ciclismo e isso dificulta o acesso a um público maior.

É verdade que existem outros modos que podem de alguma forma ajudar, como por exemplo, o facto de poderem jogar de forma cooperativa na mesma equipa uma época ou várias, poderem também competir em equipas diferentes para ver quem fica em melhor posição, para além dos Desafios, em que basicamente terão que ser os mais rápidos em percursos curtos. Este modo tem ainda uma leaderboard mundial, o que ajuda aos jogadores mais “arcade”. Têm ainda o tradicional modo versus que pode acontecer tanto no modo Desafios como a disputar apenas uma etapa. O Modo Carreira que como dizia atrás pode ser jogado em formato cooperativo ou competitivo, é o modo por excelência para os fãs. Aqui vão poder alinhar numa equipa com determinados objectivos e tentarem alinhas nas principais equipas ao lado dos maiores ciclistas do Mundo.

Tour de France 2016_20160629191753

Graficamente o Tour de France não deu o salto, rapidamente quando começamos a fazer o tutorial do jogo, percebemos que não é nada brilhante, isto é, para uma consola de nova geração, o salto não existe, continua a parecer um jogo da PS3 ou Xbox 360, com texturas planas, os fãs na estrada a olhar para o infinito, as cidades quadradas. Em termos de fluidez e desempenho visual dos próprios ciclistas, as coisas melhoram, demonstrando que houve uma maior preocupação com isso e com toda a razão, se vão passar horas a olhar para as costas dos ciclistas e os seus movimentos, pelo menos que estejam fiéis e fluídos.

Tour de France 2016_20160624195525

Tour de France é apenas indicado a verdadeiros fãs do ciclismo, são eles que vão encontrar todos os pormenores que identificam com facilidade a ver este desporto e como ele se traduz num jogo, com todas as funcionalidades e botões, na verdade, para todas as situações. É um jogo de estratégia em tempo real com uma execução fácil, mas que apenas peca por não ser mais “aberto” a todos os que querem uma experiência mais descomprometida e menos “secante”.

Recomenda-Tour

Published
Categories Análises
Views 77
Ir para a barra de ferramentas