EA Sports UFC – Review PS4

Are you ready to fight?”

Esta primeira entrada na nova geração de consolas de UFC, trazia muitas promessas ainda por mais aliada ao motor novo da EA, o Ignite, o jogo prometia ser memorável em todos os sentidos. E neste caso é. O jogo tem diversas opções desde treinos, a “quick fight”, um modo online, e o supra sumo de todos estes modos, o modo carreria. Tudo isto no ecrã principal, com atalhos também para informação da comunidade, onde podemos aer os melhores combates online, e também informação oficial de combates reais que irão acontecer através de trailers.

Assim que começamos o jogo pela primeira vez, começamos um combate pelo título, sob a forma de tutorial, onde aprendemos os comandos todos do jogo, isto tudo num espectáculo brilhante, entre “cutscenes” gravadas com lutadores reais e treinadores. Aos novatos neste tipo de jogos, tomem muita atenção a este tutorial, pois apesar do que possa parecer, este não é um jogo de pancadaria da grossa, é sim um jogo de comandos extremamente complexos e de decisões cruciais em momentos chave. Isto para os amantes da modalidade, pode ser a dose de realismo extra que possam precisar, mas para o jogador casual, pode resultar em frustração, e acabar por tentar decidir combates apenas ao soco e pontapé evitam por exemplo o agarrar do adversário.

O modo “quick fight”, é isso mesmo um ou dois jogadores escolhem os lutadores, escolhem a arena e partem para um espectáculo no octógono. Os vídeos de entrada e de “anouncement” são todos possíveis de passar à frente, mas o espectáculo é tanto que vamos querer vê-los pelo menos em todas as arenas. O modo carreira, permite-nos levar um lutador criado por nós para o mundo do UFC, começando no espectáculo televisivo, The Ultimate Fighter, uma espécie de caça talentos, de lutadores, e subir pela escada do sucesso até ao combate principal pelo título na nossa categoria. Tudo isto entre combates e treinos que nos dão XP, que podemos investir depois em mais força ou agilidade, ou novos golpes.

Graficamente o jogo é genial, todas as animações e todo o espectáculo à volta, dão uma sensação de realismo tal que por momento achei que estava a ver alguns dos maiores combates da história através e “pay-per-view”. O cuidado que houve em retratar os lutadores, e inclusive os árbitros, é de louvar, o motor Ignite, mostra aqui o porquê de ser uma das escolhas da EA. A nível de musicas, todas são escolhidas a dedo para este jogo, sendo sempre musica a pedir uma adrenalina extra para mais um golpe.

Em suma um jogo bom e bonito, pecando apenas por um sistema de combate talvez demasiado complicado, que acaba por quebrar um bocado o ritmo das lutas.

Published
Categories Análises
Views 41
Ir para a barra de ferramentas