sj reportagem gta academy

Pedro Moreira Dias – Quais foram as principais razões que te levou a participar neste GT Academy?

Miguel Faísca – Desde pequeno que queria ser um piloto de automóveis e mal soube que a GT Academy estava a dar essa hipótese a pessoas como eu que querem ser pilotos, mas que ainda estão na fase da playstation, fiz todos os possíveis para conseguir participar e chegar a Silverstone.

PMD – Já jogavas GT desde quando?

MF – Comecei na playstation 1 no GT2 quando tinha 13 anos salvo erro.

PMD – Para participar numa competição como esta, qual é o regime de treino? Levantar cedo, fazer exercício e depois jogar 20 horas seguidas e dormir 4?

MF – Ahahah se fizeres isso ganhas de certeza! Pelo menos passavas o desafio da playstation. Não precisamos de ser tão extremistas, mas se cuidares minimamente do físico, tiveres uma alimentação saudável e jogares 1 hora por dia és bem capaz de passar na final nacional.

PMD – És um condutor agressivo, nos jogos e na vida real?

MF – Na vida real costumo andar devagar e a fazer consumos com o carro para não gastar muito combustível, mas na playstation sou um pouco agressivo.

 

PMD – Como foi o teu percurso, para chegar até à final deste GT Academy? 

MF – Na primeira fase tive que passar na qualificação da playstation que dava acesso a 10 pessoas a participarem na final nacional, nesta segunda fase tínhamos testes físicos, condução, playstation e uma entrevista, que serviam de critérios de selecção para escolher os dois concorrentes que iriam para Race Camp em que aqui era basicamente só condução, alguns testes físicos à mistura e muitas entrevistas. 
 
PMD – Que expectativas tinhas para o Summer Camp? 
MF – No Race Camp sabia que ia encontrar rivais à altura, que ia ser muito difícil e que iria ter provas diferentes dos outros anos, mas tentei ir preparado para tudo. 
 
PMD – Representar Portugal é sempre uma honra mas também um fardo pesado, já pensaste nisso?
 
MF – Sim e até notei isso quando estive em Silverstone, mas não me deixei afectar por isso.

 

PMD – Como foi o treino e as várias provas que tiveste que enfrentar?
 
MF – Fizemos tantas provas… desde fazer tempos com o 370z nismo no circuito de Stowe e no National, tentar ultrapassar os instrutores no circuito International com os GTR, andar de Formula, andámos também nuns Nissan Micra que só faziam era barulho, mas que foi das provas mais divertidas. Nas provas físicas eram poucas, mas muito duras em que eles queriam ver-nos a dar tudo por tudo e uma das mais difíceis foi uma no género de fuzileiros em que tínhamos que correr pela lama com vários obstáculos pelo meio entre eles uma zona com choques eléctricos.  
 
PMD – O que poderá mudar na tua vida ao teres vencido esta competição?
 
MF – Muita coisa, o facto de ir viver uns tempos para fora do país e ter que me dedicar ás corridas deixa pouco tempo livre para acabar a faculdade, mas pelo lado positivo posso  ficar a trabalhar como piloto profissional da Nissan e viver algo que eu não achava possível há uns meses atrás.
 
PMD – Vais largar o curso para poderes seguir esta carreira, ou o teu curso ainda te poderá ajudar mais na tua nova carreira por detrás do volante? 
 
MF – Não, vou tentar acaba-lo visto que só me faltam 5 cadeiras e sim acho que pode ser útil no futuro, mas vai ser uma tarefa difícil conciliar as 2 coisas, mas mesmo assim não vou desistir.

 

PMD – Quais são os próximos passos a dar?

MF – Agora vou para Inglaterra em Outubro e vou fazer parte de um programa que é o  Driving Development Program (DDP), depois disso vou fazer um campeonato de GT3
 
PMD – Para terminar, para além de desejar muita sorte, quais são as dicas que deixarias para outros jovens jogadores que gostariam de estar na tua pele ou de concorrer num futuro GT Academy?
 
MF – Se querem mesmo ser pilotos e se é mesmo um sonho vosso, então não desistam e sigam atrás dele, porque eu tentei imensas vezes e estive quase para desistir a minha sorte foi que sempre que eu pensava em desistir os meus amigos davam a força que eu precisava para continuar e foi graças a eles que eu consegui chegar tão longe.
 

About The Author

Fundador do Site - Salão de Jogos, o Commodore Amiga 500 foi o seu melhor amigo durante décadas e ainda hoje sabe de cor a equipa principal do Benfica do Sensible Soccer 94/95. Nos tempos vagos ainda edita as botas dos jogadores do FIFA e do PES.

Related Posts

2 Responses