Guia de liderança do Football Manager 2018

Se tivesse de nomear as três coisas mais importantes no Football Manager, teria de começar obviamente pela parte táctica, depois o recrutamento, e por fim a liderança.

A liderança é muitas vezes menosprezada, e olhada até como um mero acessório, mas é na verdade o que separa uma equipa de sucesso das que falham nos momentos decisivos. Ter uma equipa motivada, concentrada, e com estabilidade, é o caminho certo para a glória.

Podemos dizer que a liderança está dividida em 3 partes: as palestras, resolução de problemas, e as conferências de imprensa.

De todas, podemos dizer que as conferências de imprensa são as menos importantes. Apesar de pouca influência, tem ainda assim a sua importância. Serve essencialmente para definir a personalidade do treinador, e na verdade, desde que evitem o descontentamento dos jogadores por culpa dos vossos comentários, tudo serve. Porém, sempre que de uma pergunta surja a oportunidade de elogiar algum jogador, não desperdicem, é a melhor forma de elevar a moral e ganhar carisma dentro do grupo.

Sabendo nós como os jornalistas podem ser matreiros, se por algum motivo não souberem exactamente o que responder, o melhor mesmo é serem vagos, ou em último caso, simplesmente recusarem-se a responder. Afinal de contas, ninguém vos obriga. a responder.

 

 

Já as palestras, são mais sensíveis, e dependem muito da circunstância. Tanto dependem do momento de forma da equipa, como do jogo em questão, mas principalmente dos resultados. Primeiro que tudo, há que dizer o seguinte: é melhor um jogador que não se manifesta, do que um jogador que reage negativamente. Portanto, não há qualquer problema em ser repetitivo, antes pelo contrário, já que se torna mais fácil saber com o que podemos contar.

Salvo raras excepções, um bom líder dentro do balneário quer-se calmo, ou assertivo. A agressividade no discurso é um trunfo que tem de ser reservado para alturas especiais. Com isso em mente, e olhando para a palestra pré-jogo, há que primeiro identificar o momento da equipa. Se esta estiver numa dinâmica recente de vitórias, é simples, na palestra de início do jogo, basta escolher a frase que permita transportar a motivação das partidas mais recentes para esta, como por exemplo “mostrem-me que consegue continuar este momento”, já num momento de irregularidade, ou de maus resultados, optem por um “impressionem-me”.

No entanto, das três palestras, esta é aquela que menos impacto tem. O intervalo ganha outra relevância, e dependendo do resultado, não só as palestras, como o tom, podem ser diferentes. A ganhar contra adversários inferiores, ou a empatar contra equipas com um grau alto de dificuldade, mesmo que a exibição não esteja a ser a melhor, tentem sempre estimular positivamente a equipa. Isto é, a ganhar por um, escolham “estamos a jogar bem, mas são capazes de melhor”, a ganhar por dois, ou mais “estou muito contente com o resultado e com a forma como estão a jogar”, e mais uma vez, num tom calmo, ou assertivo. No entanto, caso estejam a perder, o desagrado tem de ser mostrado e em tom agressivo, com um “mostrem-me algo diferente”. Não é preciso muito mais, isso chega para enviar o recado.

 

 

No final de jogo, o importante é aproveitar sempre algo de positivo do jogo que terminou, e provocar assim uma reacção para o próximo. Ganhando por um, “estou contente com o resultado, bom trabalho” chega; se a vitória foi por um ou mais golos, “estou muito feliz com a exibição e com a forma como jogaram”; já empatando, novamente dependerá muito da vossa análise da situação: se o adversário é de nível superior, e se o empate foi favorável, ou o resultado injusto tendo em conta a performance da equipa, nesse caso, convém ter alguma brandura e tolerância. No entanto, face a uma derrota, e especialmente se acompanhada de uma má exibição, há que mostrar de novo um tom agressivo, reforçando: “não fiquei contente com esta exibição”.

Convém igualmente saber quando evitar o deslumbramento da equipa após uma série de vitórias. Para isso, quando a exibição for medíocre apesar de uma vitória, num tom calmo, repreendê-los para não perderem a concentração no jogo seguinte.

Quando algum jogador reagir negativamente à vossa palestra, é importante motivá-lo numa conversa individual, mas sem exageros, para que este não fique confuso, bastando dizer “fiquei contente com a tua exibição”.

 

 

Chegando à resolução de problemas, a versão de 2018, e mais precisamente a adição do sistema de Dinâmica, veio facilitar substancialmente a forma como lidamos com jogadores insatisfeitos.

Primeiro há que preservar a boa relação com os jogadores mais influentes, mesmo que para isso tenham de ceder a algumas exigências em nome do bem maior, para que depois possam fazer uso da influência que esses jogadores têm dentro do grupo, e delegar-lhes a missão de resolverem o problema, conversando com o jogador descontente. Não só funciona 80% das vezes, como evita promessas que eventualmente acabam mal.

Contudo, no que diz respeito às queixas de jogadores menos utilizados, o melhor é mesmo dar algum tempo de jogo a todos, usando as competições menos prestigiadas para esse propósito. Não se esqueçam que no Football Manager 2018, os problemas de um rapidamente se tornam os problemas de outros. É vital ter a perspicácia para gerir os grupos e as relações dentro dos mesmos.

Liderar não é o mesmo que seguir um guião. O fundamental é que se saiba analisar cuidadosamente e antecipar as consequências de cada decisão.

Author Nuno Mendes
Published
Categories Notícias
Views 180