Esta é uma preview, visto o jogo não estar ainda disponível na sua versão final, mas a verdade é que já anda por aí há algum tempo a versão beta em regime aberto, ou seja, qualquer um pode obter e jogar o jogo gratuitamente antes de sair a versão final, claro que com alguns bugs próprios de qualquer beta.

Hearthstone é o novo jogo da Blizzard, companhia particularmente famosa pelos seus três universos: Diablo, Starcraft e Warcraft. Este novo jogo integra-se no universo Warcraft, mas apresenta-nos algo completamente diferente, em vez do RTS que caracterizou os três primeiros jogos da série ou o MMORPG revolucionário World of Warcraft, este é um jogo de cartas online, uma espécie de Magic: The Gathering simplificado, utilizando as personagens e criaturas do mundo Warcraft.

Até aqui tudo bem, mas este é um género tão diferente daquilo a que a Blizzard está habituada que a pergunta que nos surge é se conseguem criar um produto atractivo para o jogador mais casual e menos obcecado, que até agora tinha sido o público alvo da companhia. Hearthstone é claramente direccionado para esse público, com jogos que duram 10 a 15 minutos, um sistema de quests diárias que promove o jogar apenas um pouco todos os dias até conseguir finalizar a quest, que pode ser algo do género “ganhar 2 jogos com um mago ou shaman” ou “lançar 20 feitiços”, algo que também geralmente não deverá demorar mais do que uma hora por dia de jogo. Estas quests dão “dinheiro” que pode ser trocado por maços de cartas aleatórias ou por um pouco mais participar em arenas.

É nestas arenas que está a parte mais interessante do jogo: o jogador é obrigado a criar um baralho do zero com cartas aleatórias, e depois tem 3 vidas, quando perder 3 jogos acaba a arena. Estas arenas dão melhores prémios finais quanto mais jogos o jogador ganhar sem perder as 3 vidas. O facto destas arenas serem o melhor factor do jogo é resultado de algumas das falhas do mesmo. Visto ainda estar no início, Hearthstone tem ainda poucas cartas, ao fim de algumas horas de jogo é fácil reconhecer não só as cartas todas como os diferentes géneros de baralhos utilizados pelos inimigos, que acabam por ter estratégias parecidas na sua construção de baralhos de jogo. As arenas, adicionando o nível aleatório testam muito mais a capacidade de jogo do que os jogos normais, que entre jogadores de nível mais alto acabam quase por ser questões de moeda ao ar.

Dito isto, este é um problema que se irá resolver facilmente assim que o jogo tiver mais cartas disponíveis, algo que deverá acontecer com frequência na versão final, visto que é o incentivo que a Blizzard dá aos jogadores para gastarem dinheiro, visto que para além do dinheiro ganho nas quests, o jogador mais viciado, com menos amor ao dinheiro, ou de QI mais baixo, pode também comprar cartas com o seu cartão de crédito. Felizmente, pelo menos na beta, não sentimos a necessidade de gastar dinheiro real, as quests são suficientes para um jogador mais causar ir arranjando cartas novas e melhorando o seu baralho e jogo. Um outro problema é o facto de não existir possibilidade de chat com o oponente, temos a noção que isto assim é de forma a evitar jogadores abusivos, mas parte da piada destes jogos na vida real é a conversa com o adversário, por vezes acontecem coisas com piada ou inesperadas e sente-se a falta de poder comentar com o oponente esse mesmo facto. Tendo alguns defeitos não deixa de ser um jogo viciante e bastante divertido que tem o preço ideal de zero euros para experimentar. Portanto não há qualquer razão para não jogar Hearthstone.

About The Author

É de Lisboa, com um desvio por Évora. A primeira cassette que teve foi o Man-Machine dos Kraftwerk porque gostava do espaço e de robots. Ainda gosta do espaço e de robots, e de comics, e de jogos de computador e de cenas fantásticas e tal... o vulgo "nerd". É Licenciado, Mestrado e Doutorado em Religiões Comparadas pela University of Manchester (onde esteve 9 anos). É Professor de Filosofia das Religiões na Universidade Nova. Ganha sempre ao Trivial Pursuit. Passa demasiado tempo no World of Warcraft. Nunca jogou Fifa nem Pro Evo nem Madden NFL ou lá o que é, e tem orgulho nisso. Uma vez jogou o Itália 90 que tinha numa disquete que lhe emprestaram e que funcionava no Intel 80-88 que tinha na altura.

Related Posts