Alguns dias antes de começar o fim de semana do IberAnime LX 2014 que tivemos a oportunidade de entrevistar Tiago Fontes, da organização do evento. Nessa conversa no programa da manhã da Rádio MEO SW, o Tiago falou-nos de uma comunidade em crescimento, cheia de energia, com poder de compra, criativa, dedicada e que supera qualquer expectativa do mais comum dos mortais.

Foi a partir desta conversa que viajámos até à Sala Tejo do MEO Arena para verificarmos com os nossos próprios olhos como a comunidade afecta ao Anime, à cultura pop japonesa, aos jogos e videojogos e em especial ao Cosplay tem crescido e evoluído.

Penso que falo pelo João que me acompanhou, e por muitos outros da minha idade, ao dizer que fiquei estarrecido com a quantidade de pessoas que querem participar no evento e que fazem parte de grupos de cosplay, que investem muito do seu tempo e dinheiro para participar neste tipo de eventos. Na altura em que chegou o Anime a terras lusas pelos canais “público ou privados” a única coisa que nos deliciava era o Dragon Ball,  mais tarde o Evangelion também passou pela Sic, pioneira nesse sentido, e depois poucas mais coisas foram surgindo, de verdadeira importância apenas me recordo de Samurai X na TVI.

No entanto aquilo que aconteceu é fascinante, apesar da entrada de vários canais por cabo, não existiu um aumento de séries Anime a entrar pelos olhos dentro das novas gerações, e na verdade nunca se viu tanta gente a aderir. Em causa estará certamente o acesso à internet, o youtube, o facto de ser considerado underground poderá ter ajudado a despoletar e a cimentar esta mesma comunidade, mas é verdade também que o mercado abriu-se para todo este nicho.

Facilmente se procurarmos pela internet vamos encontrar lojas da especialidade, que vendem espadas, recriações fantásticas de objectos ainda mais notáveis que pensámos que só poderiam existir naquele mundo imaginário, mas que hoje encontramos representadas nos mais variados cosplayers.

Foi no domingo que assistimos ao evento de Cosplay de Grupo, com as séries One Piece e Attack on Titan a serem as mais representadas, e tão bem que por momentos nos sentimos dentro dos episódios de aventuras que nos fazem descolar da realidade. Representações mais livres ou mais fieis a verdade é que existiram várias e de vários universos, num espaço dedicado ao evento completamente lotado e que facilmente é demonstrado pela foto de grupo, tradição do IA onde todos os Cosplayers se juntam. É no mínimo impressionante.

É claro que o IA LX 2014 teve mais momentos altos, um deles a vinda a Portugal de Hironobu Kageyama, o intérprete da banda sonora original de Dragon Ball ou de Saint Seiya, que recriou esses mesmos clássicos na tarde de Domingo com a euforia a instalar-se. Tempo ainda para algumas recordações de todo o trajecto de Kageyama enquanto cantor e intérprete de tantos outros temas que marcaram a cultura pop japonesa.

Tivemos muitos outros apontamentos, desde Snake a atender uma chamada à nossa frente antes de posar para uma foto, a simpática presença de Son Goku ou de um dos elementos dos Daft Punk ou até mesmo de Kakashi e Sasuke. É preciso ver para crer e é preciso viver este evento para compreênde-lo. É preciso experimentar a comida, andar às compras de pequenos objectos reflexo das séries que acompanhamos, comprar Kit Kat com sabores tão fora, como wasabi, maçã ou batata doce; e é preciso dar cada vez mais espaço e azo a que estes eventos aconteçam. Pareceu-nos que esta Sala Tejo começa a ser pequena para tanta gente que quer seguir a cultura pop japonesa e ficamos contentes por isso acontecer. Até para o ano IA!

About The Author

Fundador do Site - Salão de Jogos, o Commodore Amiga 500 foi o seu melhor amigo durante décadas e ainda hoje sabe de cor a equipa principal do Benfica do Sensible Soccer 94/95. Nos tempos vagos ainda edita as botas dos jogadores do FIFA e do PES.

Related Posts

2 Responses