Desde que saiu a PlayStation 4 que ansiávamos por colocar as mãos no volante e sentir a adrenalina do novo motor da consola da Sony a roncar.

Need For Speed Rivals veio saciar essa necessidade, não só pela velocidade mas pela qualidade que os títulos da EA, especialmente neste franchise e no FIFA costumam dar e apostar.

E vamos começar pelo factor “uauuuuuu”. Quando iniciamos o jogo e pegamos no nosso primeiro Porsche ficamos logo, boquiabertos com os gráficos e a fluidez que o jogo consegue atingir. É verdade que não atinge os 60fps mas apenas os 30fps, mas como já dissemos em outras reviews muitas editoras prefiriram o fazer no sentido de nesta fase inicial da consola não comprometer o produto final, mas a verdade é que nem vão notar isso.

A resolução a 1080p é uma maravilha, os contornos dos carros estão super suaves como de todo o mundo à volta, os detalhes dos carros, desde os reflexos na pintura, nas jantes, nos vidros estão espectaculares, as cores estão vibrantes, e mais uma vez (não me canso de dizer isto…), o trabalho com as partículas está mais uma vez em destaque. O pó na estrada, o fumo, o efeito do nitro, a poeira em cima do carro, até mesmo os dados, todos os pormenores estão excelentemente recriados. Até os efeitos climatéricos a interagir com o carro, como por exemplo a chuva na estrada ou no carro, os reflexos e o trabalho de iluminação.

Mas para o bom e para o mau não vale apenas ter um jogo bonito, é preciso que a mecânica do jogo seja interessante e consistente.

E se Electronic Arts investiu numa nova casa para Need For Speed, a Ghost Games, e a nível gráfico está spot-on, será que na mecânica de jogo acontece o mesmo? Em grande parte sim.

Tendo em conta que estamos perante um jogo arcade, a velocidade e a adrenalina estão sempre presentes, isso e o blur da velocidade e os choques e a destruição constante do carro. Ao início pode parecer um pouco difícil controlar o carro das curvas, travamos demasiado ou aceleramos demasiado, e não dominados as curvas, mas assim que percebemos a dinâmica dos carros e a utilizaçãoo do travão de mão, julgamos que somos os maiores ases da estrada. Não há muita diferença entre os carros, não no sentido de cada um ter uma física própria, um ADN. A diferença centra-se entre força e habilidade, entre velocidade e destreza. Se por exemplo o Porsche é um carro equilibrado neste sentido (também é por isso que é o primeiro carro a ser utilizado), o Ford Mustang é um “tanque” e o McLaren P1 ou o Pagani Huayra são pura velocidade. Ah e para quem diz que é uma pena não termos um Ferrari, alguém se esqueceu deste…

Voltando à mecânica do jogo temos que dizer que os objectivos do jogo podem ser um pouco chatos e sem conteúdo, isto é, se estão à espera de uma história, com uma personagem central, um trama policial, um agente undercover, um ladrão de carros ou algo parecido, esqueçam. Aqui a premissa é bastante simples, e se calhar, até demais. Somos ou um viciado em adrenalina e em corridas de carros, um Street Racer,  ou um polícia viciado em capturar os fora da lei da estrada, e como tal Rivais. O jogo assenta muito nesta questão de rivalidade, basicamente vamos andar sempre a fugir e pelo meio fazemos umas corridas, ou vamos andar sempre a perseguir e pelo meio partir todos os carros que nos vão aparecer à frente. Neste aspecto, o conceito de Need For Speed Rivals é bastante vazio, mas há algo que revigora tudo isto e chama-se “Alldrive”.

O “Alldrive” é a funcionalidade que permite que não exista qualquer distinção entre o modo a solo e multijogador, ele junta-os. Podem estar 6 jogadores por sessão (sim é um pouco limitado nesta fase inicial), e vários outros jogadores por Inteligência Artificial.

Vamos ver no nosso mapa os outros jogadores e podemos os desafiar quando quisermos, para isso basta estar perto de outro jogador e carregar no L2, a partir desse momento começamos um Head to Head. Podemos também emparelharmo-nos com outros jogadores para determinados desafios. Para além disso os nossos tempos são comparados com os outros jogadores e até a altura ou o tempo em que estivemos no ar durante um salto pode ser comparado através deste sistema “All Drive”.

Para além disso podem descarregar a app que existe para iOS  e Android, chamada “Need for Speed Network”, onde podemos localizar os nossos amigos, ver o que eles conseguiram fazer, os seus tempos, as velocidades atingidas, dá-nos também a indicação das zonas que já possuímos e dominamos, a nossa progressão e estatísticas e por fim tem um “jogo” chamado “Overwatch”, aqui podemos executar algumas missões para ganhar pontos que poderão ser utilizados no jogo ou para desbloquear actividades do “Overwatch”. Isto é, podemos por exemplo enquanto Racer atribuir mais nitro ao nosso carro, repará-lo ou dar-lhe mais munição, enquanto Polícia podemos montar um road block, ou enviar um helicóptero para nos ajudar. Fora isso serve para colocar way points enquanto estamos a conduzir como se tratasse de um GPS.

Já que falámos de pontos, temos que falar de como são atribuídos e para que é que servem.

Em Rivals progride-se por níveis, tanto na campanha como street racer ou polícia. Para subir de nível há que cumprir as tarefas indicadas, chamadas de “Speedlists”. Se forem polícias têm sempre 3 opções, o “Patrol”, o “Undercover” e o “Enforcer”, cada um com tarefas específicas, por exemplo o “Patrol” tem que completar um rapid response, o undercover pode ser ganhar qualquer corrida e o enforcer neutralizar um street racer.

Já em sentido inverso acontecem as “Speed Lists” do Street Racer, onde temos o “Race”, um modo focado nas corridas head to head, o “Pursuit” que é conseguir fugir da polícia e o “Drive”, onde temos várias tarefas para concluir, desde fazer drifts, saltos ou andar em contramão.

Esta variedade de opções enriquece o jogo e faz-nos esquecer daquela questão da história ser um pouco vazia. Ao mesmo tempo dá-nos personalidade enquanto condutores. Quando chegarem ao final da campanha de Rivals poderão voltar para fazer todas estas variáveis.

Já o sistema de pontos funciona da seguinte maneira. Ao completar os objectivos atribuídos, ganhamos pontos que se não formos apanhados, no caso do Street Racer, podemos utilizar para comprar novos carros, novas pinturas, upgrades ou sistemas tecnologias para dar cabo dos nos rivais. Temos desde EMP, minas, onda de choque ou turbos que podemos comprar para estarmos preparados para qualquer eventualidade. Parece um pouco James Bond mas torna as corridas mais divertidas.

Quanto mais arriscarmos, maior será a recompensa. Quanto mais tempo fugirem à polícia arriscando em várias corridas, o multiplicador de pontuação vai aumentando, mas no entanto se são apanhados ficam sem pontuação alguma.

Claro que se jogarem como polícias, não têm que se preocupar com nada disto, e há ainda a vantagem de não ter que comprar carros. Todos os carros desbloqueados do lado da polícia podem ser utilizados de imediato, enquanto que no lado dos pilotos de rua têm que ser comprados.

No geral Need For Speed Rivals é pura diversão arcade, cheio de adrenalina, velocidade e gráficos estonteantes, falta-lhe é conteúdo. Mas para quem vive online e adora competir com outros jogadores ou apenas com os amigos tem horas de diversão garantida. Nesta fase é uma das boas opções para a PS4, ainda para mais quando não existe mais nenhum título de corridas automóvel no mercado.

About The Author

Fundador do Site - Salão de Jogos, o Commodore Amiga 500 foi o seu melhor amigo durante décadas e ainda hoje sabe de cor a equipa principal do Benfica do Sensible Soccer 94/95. Nos tempos vagos ainda edita as botas dos jogadores do FIFA e do PES.

Related Posts