Octodad: Dadliest Catch – Análise – PS4

Quando um jogo tem originalidade e criatividade é meio caminho andando. Mas quando junta o humor e o facto de nos fazer chorar a rir ou com vontade de partir o comando é porque está tudo certo, é porque desperta emoções e para mim isso é um dos factores mais importantes num bom jogo.

Dito isto, posso dizer desde já que Octodad, cumpre isso na perfeição. A história é descrita na música do genérico de abertura do jogo, depois de um pequeno tutorial em forma de casamento. Basicamente comandamos um polvo, de fato, disfarçado de humano e ninguém dá por nada, e eu não percebo como…ele não tem vértebras! Como é que ninguém repara?!

É esse facto aliado à figura que o polvo vai fazer a tentar passar-se por humano que dirigi toda a dinâmica de jogo, imaginem tentar colocar um laço no vosso colarinho com tentáculos, ou correr sem ficar colado ao chão ou às paredes, ou até dançar… bem dançar se calhar até dá jeito ser polvo…mas vocês perceberam o que eu quis dizer. Para além dessa tentativa de que a nossa família não suspeite que somos um polvo e continue do nosso lado, teremos ainda um chefe cozinheiro maluco que quer fazer, se calhar, o melhor polvo à lagareiro que alguma vez existiu.

Octodad centra-se na mecânica do jogo em si, temos que controlar (na versão PS4) o L1 e R1 para os braços e o L2 e R2 para as pernas e tentar movimentar o nosso polvo para cumprir os objectivos, mesmo que sejam apenas andar sem partir tudo. É uma tarefa árdua, que nos vai fazer rir muitas vezes, outras desejar partir o comando, mas nada comparado ao jogar com alguém em modo cooperativo. Aqui a risada é a quadriplicar! É que neste modo comandamos por exemplo o braço direito e a perna esquerda enquanto o outro jogador o braço esquerdo e a perna direita, isto é, vai ser um autêntico atrofio conseguir fazer seja o que for sem chorar a rir. Eu posso dizer que joguei neste modo cooperativo com a Marta e a verdade é que chorámos a rir e em certa altura aos berros um com outro, nomeadamente em fugas onde correr com os membros trocados parecia quase impossível.

A rookie Young Horses apostou num jogo criativo, com uma jogabilidade interessante e divertida e com um modo cooperativo desafiante e acho que se saiu muito bem. Já não me ria assim há muito tempo a jogar com outra pessoa ao meu lado e gabo-os por isso.

Octodad: Dadliest Catch já está disponível para a PlayStation 4, a versão analisada, e para PC.

Published
Categories Análises
Views 52
Ir para a barra de ferramentas