PES 2018: Sugestões táticas – Parte 5

No futebol, por vezes, não é dada a devida importância à forma como o sistema defensivo influencia a dinâmica atacante de uma equipa. No PES, não só é igual, como a tendência quase exclusivamente ofensiva dos jogadores faz com que sejam facilmente dominados por jogadores mais experientes. O atacar e o defender devem ser idealizados para se tornarem duas faces do mesmo processo.

 

 

Nas Instruções Avançadas de Defesa, começaremos por uma das opções praticamente obrigatórias para quem quer uma estrutura defensiva eficiente: o Ala Defensivo. Onde os jogadores dos flancos têm uma recuperação das posições muito mais agressiva, com a única preocupação de se colocarem atrás da linha da bola no momento da perda.

A Marcação Apertada é útil para que o jogador adversário mais perigoso seja vigiado de perto, com pouco espaço para receber e executar, sendo imediatamente pressionado quando existe a possibilidade de receber a bola.

A Linha Defesa Baixa é uma solução interessante para quem está com problemas em controlar a profundidade nas costas da defesa, e vêem com frequência os avançados opositores a isolarem-se. Há aparentemente uma resposta mais eficaz quando os atacantes adversários tentam furar a linha em desmarcações, no entanto, não altera a Linha Defensiva que definimos nas Instruções Defensivas, continuando assim a ser possível defender com a linha subida.

 

 

O Autocarro na Área é, na minha opinião, uma das Instruções Avançadas dispensáveis, uma vez que o único efeito causado é o de criar um certo afastamento das duas linhas mais recuadas, assim como provocar a descoordenação entre os defesas.

Com o Alvo do Contragolpe podemos escolher que jogador não participará no processo defensivo. E se à partida poderá parecer o desperdício de uma Instrução Avançada, acaba por ter a sua utilidade se queremos que um, ou os dois alas, estejam sempre prontos para o contra-ataque quando recuperamos a posse, aproveitando o espaço nas costas dos laterais.

Contrapressão é o outrora Gegenpress, e um pouco inspirado em Jurgen Klopp. Trata-se de uma reação muito agressiva à perda da bola, com os jogadores mais próximos a pressionarem instantaneamente, provocando o erro do adversário. O uso eficiente desta opção irá originar várias recuperações em áreas promissoras, contudo, contra adversários que tenham capacidade em sair de zonas de pressão, irá encontrar-nos mais desorganizados e com maiores dificuldades para reagir.

 

 

Foi assim o último artigo PES 2018: Sugestões táticas. Esperamos que agora consigas dominar os campos do Pro Evolution 2018, com uma melhor compreensão dos comportamentos da Inteligência Artificial.

Se não tiveste oportunidade de consultar os anteriores artigos, aqui estão:

Sugestões táticas – Parte 1

Sugestões táticas – Parte 2

Sugestões táticas – Parte 3

Sugestões táticas – Parte 4

Author Nuno Mendes
Published
Views 214

Leave a Reply

Ir para a barra de ferramentas