Apesar de já ter saído no dia 20 de Novembro não podíamos deixar de analisar mais um jogo da série Ratchet & Clank. Into the Nexus é o epílogo da trilogia Future que já conhecem, representada por Tools of Destruction, Quest for Booty e A Crack in Time.

RCN_wakeup_1383758161

Em Nexus começamos a história a bordo da nave dos irmãos Cronk e Zephyr, a Nebuloux Seven Prison Ship, que transporta Vendra Prog, uma bruxa espacial que foi capturada e separada do seu irmão Neftin. Mas como qualquer irmão e vilão, Neftin vai fazer tudo para recuperar a sua irmãzinha. E é aí que tudo começa a sério neste Nexus, e não é preciso muito, rapidamente depois de nos adaptarmos aos movimentos deste jogo com o nosso herói Ratchet, começamos a ter que nos adaptar à gravidade ou falta dela para nos movermos e começarmos a tentar evitar a fuga de Vendra Prog. Não posso dizer que isso vá correr da melhor forma, bastante pelo contrário mas também não quero desvendar demasiado. Posso dizer é que o sentimento de liberdade tanto através dos campos gravitacionais como mais tarde com o jetpack que vamos adquirir são uma enorme lufada de ar fresco na série.

RCN_haunted_city_jetpack_1383833051

Todas as zonas que jogámos tinham sempre uma grande componente de movimentação e dinâmica, sempre a criar movimento dentro do movimento e sempre a dar uma vontade e um “pace” muito interessante ao jogo, sem criar labirintos chatos e andar para a frente e para trás para fazer qualquer coisa para avançar de nível. As cores e os ambientes também ajudam nesse sentido mas têm uma vida própria com a componente mais sombria e malévola a ter um ar mais “Tim Burton”.

É claro que os mini-jogos de  Clank estão de volta e continuam a ser tão divertidos como a primeira vez, criando até quase um universo próprio onde poderiam existir sozinhos, isto é, poderiam facilmente ser jogos para dispositivos móveis porque estão realmente bons e independentes.

RCN_vendra_and_neftin_1383758160

Apesar de tudo isto não pudemos deixar de reparar que as batalhas podem ser ganhas praticamente quase sempre da mesma maneira, um pouco limitado nessa componente este Nexus, mas toda a envolvente nos faz esquecer disso.

O jogo é relativamente curto, se quiserem amealhar todos os extras e bónus vão demorar cerca de 4 a 5 horas e poderão recordar alguns dos melhores momentos da trilogia através de um museu, afinal recordar é viver.

About The Author

Fundador do Site - Salão de Jogos, o Commodore Amiga 500 foi o seu melhor amigo durante décadas e ainda hoje sabe de cor a equipa principal do Benfica do Sensible Soccer 94/95. Nos tempos vagos ainda edita as botas dos jogadores do FIFA e do PES.

Related Posts