Gosto do japão. Gosto da cultura japonesa. Gosto da loucura generalizada. E gosto do Tomodachi.

 

Antes de mais, o que é este jogo, ou esta interação social. Na realidade Tomodachi é um jogo típico japonês. Com a sua loucura e o seu vamos ver o que isto dá… Tomodachi é uma espécie de experiência social, de real life sim, mas sobre o qual temos pouco controlo no destino da nossa personagem…

Quando começamos o jogo é pedido que demos nome a uma ilha, ilha esta que será a nossa pátria uma espécie de “salãolandia”, aqui após nomearmos a ilha somos convidados a criar habitantes para a mesma, sendo óbvio o primeiro habitante o nosso mii, importado a partir do mii maker, aqui definimos o carácter da nossa personagem, e damos-lhe assim uma “alma”. É neste pequeno passo que definimos o futuro do jogo, pois este carácter vai definir e influenciar todos os aspetos futuros desta personagem.

Personalidade

Esta personagem ao chegar passa a viver num prédio onde todos os habitantes ao chegarem passam a viver. Aqui é onde encontraremos todas as personagens do jogo em diversas horas em diversas situações.

Ao aceder a ilha pela primeira vez temos muito pouco que fazer, principalmente porque estamos sozinhos nesta ilha… Então através da câmara municipal vamos convidando amigos e conhecidos e virem viver na nossa pequena grande ilha… Ao introduzirmos personagens mais áreas vamos desbloqueando e mais coisas vamos tendo para fazer.

De cada vez que algo novo é desbloqueado vamos sendo notificados pelas notícias! Protagonizadas por um dos nossos cidadãos é uma forma bem-disposta de o jogo nos manter a par do que vai acontecendo.

Ao acrescentarmos pessoas e ao desbloquear áreas vamos acedendo a pequenos minijogos e mais coisas para fazer… E aí começa a dor de cabeça

É que os nossos cidadãos querem sempre algo, atenção, comida, brincar, conselhos sentimentais… Enfim não vivem sem nós e sem a nossa intervenção na vida deles…

O processo de importação podia ser melhorado num futuro update permitindo importar os nossos amigos da consola, não sendo necessária toda a criação dos mesmos, a presença de qr codes para importação é ótima, e bastante eficaz, permitindo assim que alguns famosos nos visitem na nossa ilha.

Poderia também existir mais funções para o street pass, não sendo limitado ao envio dos nossos rebentos, fruto do casamento de duas personagens, para outras consolas, mas sim talvez para talvez personagens escolhidas por nós irem também de férias até algum lado. Mas pequenas falhas facilmente desculpaveis, e que podem ainda ser corrigidas num futuro update.

Existem sempre coisas para fazer neste ilha, e sempre a horas diferentes, o parque tem eventos especiais a certas horas, e todos os outros espaços também, o que faz com que nós os “mayors” a visitemos a diversas alturas do dia para obter toda a experiencia que o jogo nos fornece.

Mas o melhor do jogo é mesmo o nunca saber o que esperar, a imprevisibilidade de tudo, as situações e as loucuras que todos os miis juntos podem fazer.

Um jogo que nem a todos irá agradar mas que compreendo totalmente a loucura que alguns acharão do mesmo. Um título que não nos exige muito tempo, mas que nos fará passar umas boas horas de distração.

About The Author

Feito em laboratorio, e nascido em Lisboa, desde cedo começou a esmagar botões em consolas e arcadas, fã de retro-gaming, anda sempre a procura do mais antigo modelo de consolas. Não percebe de futebol, mas vibra com sensible soccer. Alivia o stress em jogos online onde espalha o caos. Kifflom!

Related Posts