Vamos sair juntos?

Como é de conhecimento geral, para fazer uma pequena review do Sims, seja qual expansão for, é preciso jogar pelo menos 6748774 horas. Pois infelizmente a minha vida não dá para isso, logo peço desde já desculpa por alguma falha.

Como para mim foi uma espécie de recomeço, criei uma nova personagem, uma bela rapariga sobre-dotada e com um dom musical do outro mundo. Comecei a trabalhar e a estudar arduamente, arranjei uma BFF que andava a cirandar pela rua para me tornar meio ermita e “construi” uma carreira mais ou menos sólida na área de entretenimento – aproveito para dizer que os daily challenges do trabalho continuam maus e de quase nada servem.

Quase no início da “vida” da minha criaturinha cliquei no botão do lado direito para tentar perceber o que raio era esta estória dos clubes. Eu sou pessoalmente não gosto de grupos, não sou uma night girl e detesto sair com o meu Sim até ele cair para ao lado de fome porque nem um grelhador aparece nas imediações. Mas enfim, tentei. E confesso que fiquei surpreendida. Os encontros de grupo são relativamente curtos o que faz com que o Sim não tenha de perder dias de trabalho e principalmente curtos o suficiente para o Sim não se sentir desconfortável durante o mesmo. Tive alguma sorte e meti conversa (à segunda tentativa) com o líder do grupo. O grupo que escolhi, claro está: os Renegades! (ok não havia punks nem squaters para reviver a minha adolescência, era o mais perto que havia).

Entretanto consegui (digo conseguir porque se caio na tentação torno o meu Sim num ermita) fazer amizade com o dito líder (uma criançola com a mania, mas o que se podia esperar do líder dos “Renegados”) e com um outro (yey fiz 3 amigos!). E fui fazendo a minha vida simica normal. Cresci na empresa, escolhi a vertente musical (não tenho o Get to Work  sinto que estou a perder algo muito importante), e ao mesmo tempo e sem causar stress ao meu sim consegui concretizar todas as suas “vontades” e “objectivos”. Comprei um bar e uma cabine de DJ, duas das adições desta extensão, mas confesso que não gosto de discotecas e não bebo, e caramba se não tento sempre (mesmo sem querer) que a minha Sim seja um pouco parecida comigo (acho que não estou sozinha, certo?). Para quem é party people estes adds devem ser fantásticos, mas eu preferi comprar um Telescópio e ir “brincar” com o meu amigo do grupo (não o líder) para lá.

Andando para a frente, juntei-me a outro grupo fantástico que nem me lembro do nome mas que andavam todos vestidos com armaduras e andei a explorar mais um pouco esta coisa de andar a chatear os outros grupos, até me fartar.

armaduras

Para fechar o capitulo exploratório desta expansão aproveitei que atingi um objectivo de vida e de carreira para “Tomar” a liderança dos Renegados! Ah ah estava super confiante e inspirada, lavada, de estômago cheio, bexiga vazia, e zaga! Meti conversa com o nosso líder mimado. Fui dando graxa e tal, conversei sobre o grupo, perguntei um pouco sobre ele para o deixar confortável e pimbas: perguntei se por ventura ele não queria deixar a liderança. Em cheio, na primeira tentativa. Agora sim sou uma líder, e toca a mudar algumas coisas que isto da mudança de liderança tem que se lhe diga (sempre). Coloquei um farda mandatória, toda preta à lá Darth Vader e depois larguei o jogo para vir escrever a crítica.

Get_Together_Announce2

Overall a expansão é muito interessante, mas não a posso comparar com as restantes pois não as possuo. Pelo que percebi, e porque já não jogava a algum tempo, muita coisa melhorou em pequenos pormenores fazendo com que a jogabilidade fique bastante mais fácil. Os novos fatos são interessantes e as recompensas ganhas com os ponto de grupo úteis e giras.

Eu gostei, mas falta-me explorar a nova zona, preciso de mais horas para entender todas as potencialidades da expansão e isso, para mim, é sempre sinal de uma boa compra.

Published
Categories Análises
Views 79
Ir para a barra de ferramentas