Velocidade é a palavra de ordem!

Estávamos em 1995 quando saiu um dos jogos mais marcantes para os jogadores daquela época – Wipeout. Neste jogo conduzíamos uma das várias naves que existiam e competíamos em pistas que nos convidavam a usar e abusar da velocidade, sempre ao som de uma banda sonora perfeita para a ocasião – um techno frenético, com a adrenalina a fluir constantemente.

Ao longo dos anos foram sendo lançados outros jogos dentro do mesmo estilo, no entanto parecia faltar sempre algo. Ainda assim, houve alguns que conseguiram a sua quantidade razoável de sucesso e nesse sentido, um dos jogos impossíveis de esquecer saiu em 2015 – Fast Racing Neo – desenvolvido pela Shin’en Multimedia e lançado em 2015 para a Nintendo Wii U. Um dos jogos preferidos dos fãs da Wii U.

Agora com o lançamento da Nintendo Switch , a Shin’en Multimedia decidiu lançar Fast RMX. Um jogo exactamente do mesmo estilo, cujos pilares e muito do seu conteúdo foi espremido de Fast Racing Neo. Como se costuma dizer – em equipa que ganha não se mexe.

Fast RMX é um jogo de corridas, muito futurista e onde pilotamos naves ou carros anti-gravidade (como queiram chamar). No início quase todo o seu conteúdo encontra-se bloqueado, é contudo possível verificar que existem um total de quinze naves, mas apenas podemos escolher três delas e como devem calcular, para desbloquearem as outras, basicamente terão de jogar!

Existem naves para todos os gostos, umas com mais aceleração, outras com mais velocidade de ponta e outras com um maior boost. É ao gosto de cada um. Mas depois de já conhecerem a maioria das pistas, o melhor será mesmo escolhê-las consoante a pista onde vão competir, isto para terem uma ideia que tipo de nave vão precisar, visto existirem pistas de todos os géneros – umas com mais curvas, outras essencialmente com rectas.

Um dos modos que vão encontrar é o Championship e aqui existem três níveis de dificuldade: o Subsonic (Novice), o Supersonic (Advanced) e o Hypersonic (Expert). Quando iniciamos o modo Championship verificamos que apenas a dificuldade Subsonic se encontra desbloqueada e ao ser escolhida veremos 10 campeonatos, mas mais uma vez apenas três deles estão disponíveis. Como é fácil de perceber, a táctica usada pela Shin’en Multimedia para fazer os jogadores conhecerem o jogo por completo foi obrigá-los a jogar todos os seus conteúdos de modo a conseguirem obter tudo o que o jogo tem para oferecer. Sempre que acabam um dos campeonatos no pódio, será desbloqueado um novo campeonato e uma das 15 naves. Quando desbloquearem os 10 campeonatos, a dificuldade seguinte ficará desbloqueada e todo o processo se repete, isto é, teremos de desbloquear os campeonatos desde o início e exactamente com as mesmas pistas.

O próximo modo e que será possivelmente o mais utilizado pelos jogadores é o Multiplayer, onde temos o modo SplitScreen, que vai de 2 a 4 jogadores; o Local Communication, que vai de 2 a 8 jogadores e podem jogar com outros jogadores que tenham também uma Nintendo Switch por perto; e finalmente temos o Online Communication, que vai de 2 a 8 jogadores, apenas online e contra jogadores espalhados pelo globo. Este será o modo mais simples para competir e posso desde já dizer que funciona muito bem. A espera para encontrar uma partida é bastante curta e raramente existem problemas de latência. Diria até que será a melhor forma para praticarem e evoluírem as vossas capacidades.

[slideshow_deploy id=’34619′]

Por último temos o Hero Mode. Um modo bastante divertido e original, onde a barra de boost funciona igualmente como barra de energia e se for completamente gasta, ao mínimo toque a nave explode. É portanto necessária uma gestão cuidada de quando será o momento certo para usarem o boost, assim como evitarem colisões, uma vez que qualquer toque também será descontado na preciosa barra. Mas nem tudo é mau, porque ao longo da pista encontram-se itens que servem para recarregar essa mesma barra.

Falemos agora nas pistas, que são 30, no seu todo. Umas que puxam para a velocidade; outras mais viradas para a destreza dos jogadores devido às curvas e contra curvas; e até as pistas completamente loucas. E digo pistas completamente loucas, porque podemos encontrar curvas, onde a meio, a pista acaba e teremos de manobrar o carro em pleno ar; ou curvas que não têm barreira e somos atirados para fora se formos com demasiada velocidade; e como se tudo isto não bastasse, ainda existem obstáculos pelo meio do caminho, desde pedras a rolar no meio da plataforma, postes mesmo no centro da pista, ou até robots que tentam pisar-nos a qualquer custo. Existe de tudo um pouco.

Outra coisa que não podemos deixar de falar é a sensação de velocidade que este jogo nos traz. E isso acontece principalmente quando apanhamos algumas das zonas especiais que visam ao aumento de velocidade. E neste particular, passo a explicar que todas as naves têm dois modos: um azul e um laranja (para alternarem entre cores basta carregarem no botão X a qualquer momento). Uma vez que as zonas de aumento de velocidade, são também azuis ou laranja (com a aparência de uma espécie de portais, ou como longas barras no chão), como é fácil imaginar, no momento que a cor da vossa nave está em sintonia com a da zona de aceleração, ganhará uma velocidade vertiginosa. O problema é quando passam nessas zonas e a vossa nave não está com a cor adequada, porque consequentemente, em vez de ganharem, irão perder velocidade. Continuando no tópico da velocidade, não podia deixar de falar das várias esferas que vamos capturando ao longo da pista e que servem para encher a nossa barra de boost (tal como falei no modo Hero Mode). São essenciais para conseguirmos chegar ao primeiros lugares e até para derrubarem alguns adversários, visto que se estiverem com o boost activado e embaterem num adversário, este ficará a girar no meio da pista durante algum tempo (e tal como pode acontecer com eles, o mesmo pode suceder convosco).

Fast RMX consegue trazer-nos um misto entre velocidades alucinantes e um chamamento à nossa habilidade para superarmos os obstáculos que as diversas pistas nos vão criando. Além disso, a sua qualidade gráfica ajuda a criar um ambiente propício a que tudo isso possa acontecer, com diversos efeitos de luz que nos deixam verdadeiramente espantados, ficando ainda mais alucinante jogado na televisão.

O que me desagradou mais foi mesmo a fraca banda sonora. Não é suficientemente imersiva para nos criar aquela adrenalina que é necessária neste tipo de jogos.

Um ponto muito a favor de Fast RMX é mesmo o seu preço. Se critiquei Super Bomberman R por essa mesma razão, neste caso tenho de deixar uma palavra de agrado, sendo que para o que FAST RMX nos oferece, diria que 19,99€ é uma verdadeira pechincha.

Concluindo, Fast RMX é um jogo completo, que nos trás tudo aquilo que podemos querer em jogos do género. Tem uma vertente competitiva tanto local como online, um bom modo Championship e um modo Hero Mode para os mais audazes. Um jogo imperdível para a nova consola da Nintendo.

Published
Categories Análises Nintendo
Views 75
Ir para a barra de ferramentas