Em Portugal já tivemos diversas febres de animes ou desenhos animados, como quiserem chamar. Se no meu tempo a febre foi Dragon Ball, na geração seguinte foi a febre dos Pokémons (que ainda existem e o João é um dos doentes dessa febre) e agora foi a vez de Yo-Kai Watch. Esta ultima deixa os mais pequenos completamente loucos (no bom sentido da palavra), além dos desenhos de animação existe diverso merchandising, como bonecos, relógios, caderneta de cromos. Tudo o que tem a marca Yo-Kai Watch vende.

Mas se só agora esta febre chegou a Portugal e à Europa, já existe à diverso tempo no Japão, e como prova foram as filas para uma cadeia de restaurantes de Fast Food de pessoas a tentaram arranjar os brinquedos de Yo-kai. Lá quando Yo-Kai Watch saiu serviu como concorrente directo de Pokémon, e a verdade é que os Yo-Kai embora sejam espíritos e não animais como em Pokémon o “core” da historia é basicamente o mesmo, “vamos apanha-los todos” mas em vez de termos umas bolas para os guardar, temos uns medalhões que colocamos no nosso relógio para os invocar. Isto ajuda e muito no merchandising, um relógio com medalhas é mais fácil que uma bola com um monstrinho lá dentro.

Foi em Abril do ano passado que os jogadores europeus tiveram direito ao seu primeiro jogo de Yo-Kai Watch, chegou para a Nintendo 3DS e foi um sucesso de vendas. Um ano mais tarde chega-nos Yo-Kai Watch 2: Bony Spirits e Yo-Kai Watch 2: Fleshy Souls, como devem imaginar, tal como a serie de animação os jogos são bastante voltados para o publico mais novo, e esse é um aspecto essencial quando estamos a analisar um jogo deste género. Este foi um jogo que saiu em 2014 no Japão (sim, saiu antes que o primeiro jogo da série saisse na Europa), e mais uma vez, tal como o primeiro jogo teve um enorme sucesso.

Caso sejam novos neste jogo, não têm qualquer problema, isto porque embora Yo-Kai Watch 2 seja o segundo jogo da série, é quase como se fosse um reinício, isto é, tudo começa do zero neste novo jogo. Logo no inicio o protagonista (são os mesmos que no jogo anterior, podem escolher um personagem feminino ou masculino) perde a memória e o seu relógio Yo-Kai, ou melhor as suas memorias são apagadas e o seu relógio desaparece. Significa por isso que vão ter de apanhar todos os YoKai novamente, assim como arranjar um novo relógio. Isto é óptimo para quem não jogou o primeiro jogo, no entanto torna-se um bocado enfadonho todo o inicio de caçar os insectos e descobrir de novo o relógio para quem já teve a experiência inicial disto.

Como devem imaginar, logo no inicio conseguimos um novo relógio Yo-Kai e é a partir dai que toda a historia começa a desenrolar-se, primeiro vamos voltar a conhecer Whisper e depois Jibanyan. A partir dai é o que já sabemos, fazer as missões da historia, missões paralelas, combates e alguns mini jogos e adivinhas. Se estão preocupados por existir dois jogos, não se preocupem a historia é a mesma assim como as quests, o que muda são mesmo alguns Yo-Kai que são exclusivos de uma ou de outra versão. Por isso antes de comprarem nada como fazer uma boa pesquisa e comprarem a versão que seja mais ao vosso gosto.

Como vão perceber facilmente o jogo é todo bastante simples, sempre com conversas bastante hilariantes e missões que nos levam a percorrer o mapa do jogo diversas vezes de trás para a frente. E esse é o primeiro ponto que nos deixa um pouco melindrados, o mapa ainda é bastante grande e temos de o percorrer, não existindo viagens rápidas , apenas bicicletas, vamos ser sinceros, o jogo já é grande o bastante, não seria necessário o fazer render ainda mais em número de horas jogadas só para percorrermos o mapa a “pé”.

As batalhas são bastante simples, exactamente o que se pede, quando se trata de um jogo para crianças, aqui os nossos Yo-Kai lutam sozinhos e a única coisa que podemos influenciar a batalha é quando activamos o Soultimate, ou colocando um “pin” com o qual é possível direccionar os ataques a um único inimigo. Ao activarmos o Soultimate de um Yo-Kai (uma espécie de super ataque) é activado um mini jogo que temos de completar, que é sempre jogado no touch pad da nossa Nintendo 3DS. Estes mini jogos vão desde colocar um circulo a girar, rebentar uma espécie de bolhas que vão aparecendo no ecrã, ou desenhar uns símbolos que aparecem no ecrã. Algo que acontece muitas vezes é que quando acabam o mini jogo o combate já acabou.

Ainda nos combates temos sempre 3 Yo-Kai activos e 3 reservas, podemos alterna-los sempre que quisermos. Quando já estiverem bastante avançados no jogo é preciso ter atenção ao tipo de Yo-Kai que utilizam, ter uma equipa equilibrada e com as habilidades balanceadas é importante. Muitas vezes ao vencerem um combate o Yo-Kai derrotado pode ficar vosso amigo, dando-vos o medalhão para o invocarem. Para os convencerem a serem vossos amigos também lhes podem oferecer comida, algo que os Yo-Kais adoram, importante saberem que tipo de comida eles gostam. Algo bastante relevante na construção da equipa, tem a ver com a tribo a que os Yo-kai pertencem, pois se pertencerem à mesma tribo e estiverem lado a lado no combate, são activadas habilidades especiais.

Além das batalhas “normais” existem também os BOSS YoKai, e estas são as batalhas que têm mais piada, temos de saber usar bem os nossos Yo-Kais e escolher exactamente as habilidades que devemos usar e quando usar, até para conseguir combinar Yo-kais que dão heal com os que dão dano, conseguido uma simbiose quase perfeita sem termos os nossos Yo-kais derrotados e conseguirmos derrotar os BOSS. Como devem imaginar os itens que recebemos e a Xp por os derrotarmos valem bem a pena.

Quanto aos Yo-Kai existentes no jogo são de todos os estilos e feitios. Das mais variadas cores, uns bizarros, outros apenas estranhos, alguns que não se parecem com nada que já vimos, outros que são uma mistura de diversos animais, outros que tem cara de pessoas mas corpos bastante estranhos. É uma misturada bastante positiva que nos deixa sempre curiosos do que vamos encontrar na próxima esquina. E digo isto porque ao longo do mapa vamos encontrando o nosso radar diversas vezes a dizer que temos um YoKai perto, e nessas alturas como é óbvio vamos à sua procura para o vencer e tentar aumentar a nossa enorme colecção fazendo este ficar nosso amigo. Encontrá-los é sempre um processo engraçado e que funciona muito bem num jogo para os mais novos, existe o radar como já falámos, mas encontrar o pequeno fantasma obriga a activar uma espécie de lupa, onde temos de investigar e pesquisar o fantasma algures ou no mapa, ou no cenário que nos é apresentado. Mas nem sempre são Yo-kai que encontramos, por vezes encontramos BaffleBoards, uma das novidades deste jogo, que são quizzes de rua que ao acertar-mos desbloquearemos coisas especiais como medalhas ou eventos no jogo. Alguns são mais fáceis que outros, mas quase todos vos “obrigam” a conhecer os Yokai.

Quanto ao mapa do jogo este é exactamente o mesmo do primeiro Yo-Kai, significa por isso que estão nas sete quintas se possuírem o primeiro jogo, claro que foram acrescentadas algumas zonas. A grande diferença é que alem de Springdale, vão também visitar uma “velha” Springdale. Mas o mapa apesar de no passado é essencialmente o mesmo. Continua a existir o comboio, mas se antes apenas tinham dois pontos onde podiam parar, a rede agora cresceu e existe inclusive alguns eventos que apenas decorrem no comboio.

Algo que é também bastante interessante é podermos fazer melhoramentos ao nosso relógio Yo-Kai, ao fazermos isso ele subirá de Rank e com isso conseguimos encontrar novos e melhores Yo-Kai para lutarmos e claro para conseguirmos junta-los à nossa colecção.

Apesar de ser uma historia que arranca como o original, de nada tem a ver com o primeiro jogo. Enquanto no primeiro jogo essencialmente era focado em descobrir quem eram os Yokai e as influencias que eles tinham no mundo a nossa volta, aqui temos mesmo uma historia a seguir, com vilões a serio e a qual temos de seguir ao longo do tempo para descobrir o que se está a passar.

O jogo vêm com os idiomas de Inglês, Alemão, Francês, Italiano, Espanhol, Holandês e Russo. Algo que não posso deixar de apontar o dedo à Nintendo e à Level-5 é a falta da nossa língua, nem que fosse Português do Brasil, mas caramba, Holandês e Italiano, línguas que só se falam nos países de origem e depois não existir a língua Portuguesa que é falada em diversos países por esse mundo fora é deveras bastante triste. As nossas crianças mereciam um pouco mais de atenção nesse aspecto.

Yo-kai Watch 2 é uma continuação perfeita para quem gostou do primeiro e sentiu alguma falta de uma historia mais consistente, mas é ainda mais perfeito para quem procura uma primeira aventura no mundo dos Yo-kai com uma aventura mais polida e mais rica que o primeiro jogo. O número de espíritos, e as escolhas de equipas permitem que cada um encontre o seu estilo ou o seu modo de jogo favorito. Apesar de ser um RPG para os mais pequenos, algumas decisões ou escolhas em termos de combate mais à frente requerem alguma experiencia ou “skill” mais adulta.

About The Author

Rui Gonçalves

Desde o tempo do seu Spectrum+2 128k que adora informática. Programador de profissão nunca deixou de lado os jogos, louco por RPGs e jogos de futebol. Adora filmes de acção e de ficção científica, mas depois de ver o Matrix nunca mais foi o mesmo.

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.