Vou começar esta análise de uma forma um pouco polémica…Será que Battlefield V supera Call of Duty WWII, ou até mesmo Battlefield I?! Ah pois…É que há um grande termo de comparação que parece que toda a gente se esqueceu, e devo dizer que não fui eu que analisei o jogo, foi o Pedro Completo (análise que podem ler aqui), mas foi um daqueles jogos que eu acabei por jogar de fio a pavio quase de seguidinha e ainda comprar a Collector’s Edition porque adorei o jogo, e porque sou fã desse momento histórico. Falando em história, quando falámos com Chance Glasco, na sua passagem por Portugal, ele que trabalhou nas animações do COD e do Medal of Honor, que se bem se recordam recriava a invasão à Normandia, no famoso Dia D, o impacto foi gigante, e acho que desde esse dia que toda a gente quer um FPS da Segunda Guerra Mundial, e no fundo já o teve com o COD WWII, e agora? Será que EA superou as expectativas? Seja uma ideia original ou não, a DICE pegou em narrativas individuais, tal como já tinha feito em Battlefield I, assim o jogador, no modo campanha, consegue criar um laço muito maior com as personagens e as suas histórias, para além de dar logo a sensação que estamos na pele de alguém que pelas melhores ou piores razões se tornou um herói de guerra.

This is Battlefield V

E isso foi altamente conseguido em Battlefield V, temos 3 histórias, 3 narrativas, 3 personagens centrais, que nos alimentam e desafiam ao longo do decorrer da campanha em 3 zonas completamente distintas. Passemos então a explicar essas 3 narrativas. fazer só este prelúdio: no início passamos por muitos momentos, um pouco confusos até para experimentar tudo o que vamos e podemos fazer no jogo, desde o tradicional FPS, mais stealth ou mais Rambo, passando pela condução de tanques de guerra ou pilotar Spitfires, mas devo dizer que acompanhar a ideia não é fácil, e achei que era mesmo só aquela coisa do “Vejam!!! Dá para fazer isto tudo e os gráficos estão incríveis!!!”, e de facto estão, mas já lá vamos.

Vamos lá então às 3 histórias, a primeira chama-se “Por Conta Própria” e a acompanha um jovem rufia inglês chamado de Billy Bridger recrutado para ingressar no Britain’s Special Boat Service. Esta campanha decorre em 1942 no Norte de Africa e vamos ter de sabotar algumas bases alemãs, destruir as comunicações, as provisões e os seus aviões, mas nem tudo corre bem e em determinado momento após uma fuga atribulada vamos ficar encurralados e vamos parecer um bocado o Rambo a enfrentar tudo e todos, passando de baterias anti aéreas para metralhadoras de posição, para sniper, uma loucura. O ritmo é algo que devo destacar neste Battlefield V, por boas e se calhar más razões, obviamente as boas é porque dá uma enorme dinâmica ao jogo, e dá uma imersão maior, mas as más têm a ver com a dificuldade e com as vezes que vamos morrer, que são mesmo muitas, e que pode dar a alguns jogadores o famoso “Rage Quit” e nunca mais voltar ao jogo.

Battlefield V – Official Single Player Trailer

A segunda chamada de “Norlys”, decorre em 1943 na fria Noruega ocupada pelos nazis e na qual somos uma jovem rapariga da Resistência mas cuja a separação da sua família será parte importante da trama e do sofrimento da Guerra. Com uma jogabilidade bem diferente da história anterior, vamos andar na neve e com skis ao mesmo tempo que estamos a combater, o que não é fácil de dominar mas é bastante diferente do habitual, tal como a necessidade de nos mantermos quentes para não morrermos.

Por fim, “Trailleur” é a história que decorre em Provença (França) no ano de 1943 e mostra-nos os frenéticos combates entre as tropas aliadas e alemãs durante a “Operação Dragoon”, operação que foi rebaptizada para tal depois de durante os anos de preparação da invasão da Europa, os aliados estabelecerem de início um desembarque no sul da França para apoiar o assalto principal na Normandia. Esse plano foi então chamado “Operação Anvil” (“Bigorna”). Contudo, não foi possível desviar os recursos navais para o Mediterrâneo e a Operação Anvil, foi rebaptizada para “Dragoon”, foi adiada para agosto. Quando desencadeada o sucesso foi total, uma vez que muitas forças alemãs haviam sido transferidas para a frente da Normandia, a qual já se havia rompido. Portanto será a história mais próxima da realidade e vai dar um cariz especial a este último episódio, se assim lhe quiserem chamar.

Aproveitamos para passar para o Multiplayer e falamos da jogabilidade pelo meio, porque depois das vá 6/8 horas de campanha, toda a gente vai querer saber é disto.

Battlefield V Update – Chapter 1: Overture

O principal foco da DICE para Battlefield V foi o trabalho de equipa e a gestão do nosso pelotão, talvez por isso a nossa equipa foi reduzida a 4 elementos para dar uma maior sensação de unidade. Agora o Líder do grupo tem atributos que vão além de marcar as bandeiras que o pelotão deve ir, ele também é o responsável em usar os chamados Reforços de Guerra. Esta nova mecânica faz com que possamos usar recursos que compramos durante as partidas perante a conclusão de pequenos objectivos. Também as mudanças nas classes foram de alguma forma feitas para tentar fazer com que as partidas online sejam mais tácticas e se baseiem mais no apoio. Vamos às principais mudanças na classes:

Médico – Acabou-se a mecânica de mandar uma caixa para o chão e todos em uma área serem curados, o Médico agora atira o Kit Médico para cada um ou coloca uma caixa no chão para que cada um pegue o seu próprio Kit. Também existem estações de suprimentos médicos nos locais de disputa e esses Kits Médicos também caem dos inimigos abatidos, caso eles estejam com ele no momento da morte. Apesar de todos poderem se curar, apenas o médico poderá curar totalmente a barra de vida do soldado, e ela não é mais preenchida automaticamente ao sair de combate, será necessário um médico para completá-la totalmente.Outra grande mudança é que todos podem reviver os jogadores, mas apenas o médico pode fazer isso com rapidez. E mesmo assim, deverá observar uma animação durante esse processo. Essas animações trouxeram ainda mais drama para a acção, pois vemos o amigo implorando por ajuda no chão, o que é sensacional para a ideia de trazer maior imersão ao jogo.

Suporte – O processo de dar munição também foi individualizado e não ocorre mais em uma área onde está posicionada uma caixa. O recarregamento de granadas e minas, não ocorre mais com o tempo, mas apenas ao reabastecer nas estações de suprimentos nos locais de disputa. Os inimigos abatidos também deixam a sua munição cair no chão. Mas a maior novidade do Suporte é a mecânica das Fortificações, onde é possível construir barricadas e torretas nos locais de disputa para acalmar a investida inimiga e proteger seus objectivos. Todos podem construir, mas apenas o Suporte pode fazer isso com rapidez.

Assalto – ainda mais focada do que nunca na destruição de veículos e é essencial para acabar com a festa dos tanques no mapa.

Batedor – os Snipers  tornaram-se essenciais para a marcação dos inimigos no mapa, porque agora só eles é que o podem fazer, tornando-se cruciais para a sabermos onde anda o inimigo.
A grande novidade para as armas é opção não apenas de melhorá-la com acessórios, mas também através de uma árvore de habilidade com Especializações, que são desbloqueadas conforme  vamos jogando com ela, e vamos comprando com os créditos ganhos, ao realizar desafios, chamados de Designações, propostos pelo jogo.

Battlefield V – Official Launch Maps

Dentre os modos disponíveis, mais uma vez destaco o clássico modo Conquista e a sua batalha colossal entre 64 jogadores, um modo que continua excelente como sempre, e se encaminha para ser, mais uma vez, o mais popular. Além deste, os jogadores podem se divertir em modos como Ruptura, Dominação, Linhas de Frente e Cada Equipe Por Si.
Já o modo Operações Grandiosas foi a grande surpresa, uma experiência narrativa inspirada nos eventos históricos da Segunda Guerra Mundial, onde os jogadores vivenciam dias fictícios dentro de uma guerra, onde cada dia é representado por uma rodada e por um modo diferente. Tudo o que foi feito pelo pelotão no primeiro dia afeta a narrativa, jogabilidade e recursos no começo do segundo dia, que por sua vez afectará o terceiro dia, que é o final. No geral, uma experiência muito bem-vinda para Battlefield V com um peso narrativo bem interessante dentro do multiplayer.

Battlefield V Dev Talks: Tides of War – The Road Ahead

Vale lembrar que em março de 2019, Battlefield V recebe o modo Tempestade de Chamas, que se trata de um Battle Royale dentro de Battlefield, isso sem falar em diversos conteúdos já previstos para os próximos meses, mostrando que a DICE e a EA estão dispostas a manter os jogadores ocupados dentro do jogo por muito tempo.

4.5

Sim

  • Jogar na época da Segunda Guerra Mundial é sempre fantástico!
  • Boa narrativa na campanha, e conteúdos extra
  • Conteúdos novos já adicionadoe e outros a serem desenvolvidos e gratuitos

Não

  • A difculdade ao início pode ser um pouco irritante
  • A campanha é algo curta o que poderá ser melhorado com os novos conteúdos
Published
Views 183