Developer: Hungry Couch Games
PlataformaPC
Data de Lançamento: 09 de julho de 2021 (Early Access)

Olhando para a data de lançamento do jogo, provavelmente estão a achar estranho esta análise, mas é fácil de entender, Black Skylands é um jogo que se encontra em Early Access faz praticamente um ano e meio, tendo agora recebido um enorme update – The Aerial Update – que trouxe novos inimigos, um novo balanceamento ao jogo, novas habilidades e até um melhoramento no aspecto gráfico. Por esse motivo, e por ser um jogo que tem um enorme potencial, não existia melhor altura para a sua análise.

A Hungry Couch Games ao longo destes meses tem vindo a receber um importante feedback dos jogadores, e com isso, tem vindo a melhorar o seu jogo de uma maneira muito interessante. Pode mesmo dizer-se que o conceito de Black Skylands é tirado de vários tipos de jogos, de várias mecânicas, tentando oferecer tudo num único jogo. Diria que, ao começarmos a jogar, os mais velhos vão logo lembrar-se do primeiro Grand Theft Auto (GTA), que era visto 100% por cima, ao mesmo tempo que os jogadores mais recentes vão dizer que é uma inspiração em Hotline Miami. A verdade é que ao olharmos para o jogo, temos logo a percepção do que podemos esperar.

Depois, conseguimos identificar também algumas semelhanças com Stardew Valley no aspecto do crafting e no aspecto de existir sempre uma história com objectivos para completarmos. É fácil perceber, que pelo menos a inspiração não é nada má, e que o potencial do jogo está todo lá. Por estar em Early Access, a verdade é que ainda notamos algumas falhas por vezes, mas nada que estrague a experiência do jogador.

Falando em história, a protagonista da história é Eva, e começamos a jogar com ela como uma adolescente. Será aí que vamos percebendo o mais básico do jogo, até que ocorre um incidente em Fathership, a nave voadora onde ela e o seu povo vive, que é bombardeada por uns monstros bastante estranhos. O jogo avança alguns anos na história e quando voltamos a jogar com Eva, ela já é uma jovem adulta. É nessa altura que percebemos que Eva tornou-se uma espécie de faz tudo, uma aventureira sempre pronta a ajudar tudo e todos, e principalmente a lutar para existir paz na nave onde vive o seu povo, mas também em todas as naves naquela região.

Publicidade - Continue a ler a seguir

É durante toda essa aventura que vamos poder andar na sua nave, e é bom terem noção de que as naves têm aspectos de navios, como se fossem barcos voadores. O próprio jogo, nesse aspecto, faz-nos lembrar jogos de piratas, a diferença é que tudo se passa no ar, com essas “naves-barcos” a poderem disparar uns contra, e podermos saltar para os barcos deles para derrotar os inimigos com as nossas pistolas e metralhadoras. Podemos até saltar para as naves deles, derrotá-los e ainda saquear as suas naves, ficando com o que lá têm guardado.

Paga-nos o café hoje!

Diria que é esse cenário de guerrilha que vamos ter durante o jogo que oferece muita diversão, vamos ter acção sem parar, imensas armas que podemos usar, e muitos locais para derrotar inimigos. Para isso também ajuda as missões que vamos tendo, que nos indicam os locais que temos de ir, mas estejam descansados, que não é uma obrigação irem directos para esses locais, a exploração é algo que este jogo oferece aos jogadores, e deve ser usada, porque vamos adquirir diversos itens quando exploramos livremente vários locais.

Para nos movimentarmos mais facilmente, e até porque andar no ar, pode trazer quedas, Eva está equipada com um gancho, esse serve para nos agarramos a tudo o que quisermos, muitas vezes podemos até fugir de locais cheios de inimigos dessa maneira, para ter outro ângulo para os atacarmos, é algo bastante positivo que o jogo tem, e que os jogadores depois de lhe apanharem o jeito vão adorar, além disso é essencial para não caírem dos céus.

Mas não só de exploração e missões principais vive Black Skylands, já que os jogadores podem esperar também muitas missões secundárias, e também vão perder algum tempo nos melhoramentos que o jogo oferece, desde melhorar a vossa nave principal, isto é, onde o vosso povo vive. Vão poder construir diversos tipos de edifícios, assim como gerir a produção de alguns materiais, e claro fazer melhorias nos vários edifícios. Além disso, não fosse um jogo de exploração e crafting, vão ter a possibilidade de pescar, mas não em lagos ou rios, será pesca aérea mesmo. O conceito pode parecer estranho, mas a verdade é que resulta, e com isso oferece mais conteúdo aos jogadores.

Para aqueles jogadores que gostam de seguir a história sem perder tempo com outras coisas, devo dizer que o jogo está impecável a indicar-nos sempre os locais onde temos de ir, não obrigando o jogador a ficar perdido sem saber o que fazer. Algo muito bem-vindo a jogos grandes e com muita exploração, já que é a única maneira de tornar os jogos de mundo aberto muito mais interessantes, sem o jogador andar a perder tempo.

A jogabilidade é algo essencial neste tipo de jogos, está muito divertida, fácil de aprender, e bastante frenética nos momentos de acção. Manejar a nossa pequena nave também é bastante fácil, tornando divertida a própria exploração dos céus.

O jogo ainda apresenta alguns bugs, desde bloquear, a por vezes termos de mandar mesmo o jogo abaixo para poder continuar a jogá-lo. Não é algo preocupante, já que o jogo ainda se encontra em Early Access, e porque a própria Hungry Couch Games tem bastante cuidado com o feedback dos jogadores, logo, será um problema que estará resolvido certamente quando o jogo for lançado na sua versão definitiva.

Em termos gráficos, o jogo segue o fiel caminho da maioria dos indies que conhecemos, ou seja, é todo em pixel art, mas não daqueles todos refinados, como estamos habituados em alguns RPG da Square Enix. Aqui temos um grafismo que podemos considerar “ok”, isto é, funciona bem para o jogo em questão, mas se tivesse um pouco mais de definição, acho que lhe assentava melhor.

Já no aspecto sonoro, o jogo é sempre acompanhado por música, e esta vai mudando conforme o cenário onde nos encontramos, isto é, mais calma quando estamos a explorar ou num ambiente mais calmo, e em algo mais mexido, quando estamos nas batalhas, tornando o ambiente propício para essa ocorrência.

Black Skylands está no bom caminho, obviamente que ainda precisa de alguns melhoramentos já que é um jogo que se encontra em desenvolvimento. Mas é certamente um jogo a não perder por quem gosta deste género de jogo. É mais um jogo com o selo de qualidade da tinyBuild, um pubisher que raramente desilude nos jogos que publica.