Developer: Epic LLama/Buka Entertainment
Plataforma: Xbox One, PlayStation 4, Nintendo Switch e PC
Data de Lançamento: 13 de Agosto de 2020

Muitos foram os jogos que marcaram os videojogos e deram início aos géneros que ainda hoje continuam a ser a origem de várias obras dentro deste tipo de entretenimento. E se olharmos para como os jogos point & click influenciaram a criação de histórias e estabeleceram um novo padrão para a narrativa, podemos dizer que sem eles, hoje não teríamos um terço da envolvência que encontramos nos títulos cujo objectivo é levar o jogador numa viagem pela imaginação do autor.

Apesar de os jogos point & click serem raros nos dias de hoje, foram uma tendência nos anos 90, com clássicos como Full Throttle, Simon the Sorcerer, e claro, a saga Broken Sword. E embora raros, felizmente, ainda há estúdios que, de tempos em tempos, decidem lançar jogos que fazem o género renascer e mostrar que ainda têm todo o sentido de existir na indústria.

O recém-lançado Darkestville Castle é um exemplo disso mesmo. Desenvolvido em parceria entre os estúdios Epic LLama e Buka Entertainment, segue os mesmos passos das referências, mas concedendo-lhe um aspecto, mecânicas e essencialmente uma dinâmica mais moderna e actual. Na verdade, é um jogo que pretende emprestar conceitos que não são novos, mas ainda assim consegue oferecer algo seu, apontando ao absurdo com um toque de humor.

Ainda que seja uma história que posiciona o jogador em mais um confronto entre as forças do bem e do mal, neste caso, não vamos tomar o lado dos virtuosos, mas antes da personagem que tem o papel de vilão. Cid é um demónio que nasceu num mundo de humanos, e desde sempre tem aterrorizado os habitantes de Darkestville.

Cid faz do engano e da manipulação os principais requisitos para as partidas que prega às pobres pessoas. As armadilhas e os sustos que apronta conferem-lhe um imenso prazer, e parece que é incapaz de se fartar disso. Porém, certo dia, a sua sorte acaba, o que resulta no desaparecimento do seu animal de estimação: uma piranha chamada Domingo. Cid é incapaz de ficar à espera que o seu companheiro nesta estranha relação decida aparecer por si, e então decide partir para o seu salvamento. Um demónio com sentido de justiça, que procura por uma piranha desaparecida, tem tudo para correr mal, e é precisamente isso que acontece, desencadeando uma série de encontros bizarros.

Paga-nos o café hoje!

As personagens secundárias proporcionam alguns momentos de humor, é inegável, no entanto, é Cid quem carrega a história e a torna razoavelmente divertida para querermos prosseguir. E se acham que um demónio que tem uma piranha como animal de estimação já é insólito o suficiente, esperem para conhecer as outras personagens. Infelizmente a criatividade colocada na diversidade de personagens não se reflecte depois nos diálogos, que podiam ter uma qualidade superior.

Grande parte do tempo será passado a dialogar, explorar, investigar, a interagir com os cenários e objectos e a combiná-los com outros items – ou não estivéssemos a falar de um point & click. O progresso na história depende de desvendarmos certos mistérios e puzzles que estão ligados ao desaparecimento de Domingo, o que significa que várias vezes ficaremos encalhados devido a toda essa mecânica ser pouco intuitiva. Contudo, com paciência, atenção – e alguns momentos Eureka – eventualmente damos com as soluções que nos permitem avançar no jogo.

Graficamente está muito bem elaborado, num aspecto visual bastante vivo e colorido, onde as animações são muito fiéis ao género, sendo igualmente bem acompanhado da música tradicional e animada que podemos ouvir em jogos de aventura. O voice acting, especialmente de Cid, está muito bem conseguido e até a escolha da voz – sempre com um tom sarcástico e jocoso – foi certeira, o que é fundamental para dar vida às personagens.

É uma boa opção para quem cresceu a jogar títulos point & click, e gosta de jogos que lhe provoquem alguma nostalgia. Todavia, é também ideal para aqueles que se divertem com histórias e circunstâncias comicamente disparatadas. Se esquecermos os pequenos problemas que afectam Darkestville Castle ficamos perante um agradável jogo que irá certamente entreter-nos e gerar algumas gargalhadas.