Developer: The Polygon Loft
Plataforma: PC, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch
Data de Lançamento: 22 de Outubro de 2020

Às vezes esquecemos da importância de jogos que não se tentam levar a sério. Quando um dos princípios dos videojogos é distrair o jogador, nada melhor do que jogos descontraídos para nos confortar pela sua simplicidade, qual catarse que fazem a nossa mente viajar pelos nossos pensamentos.

É o título de estreia do estúdio The Polygon Loft’s, o que por si só é demonstrativo da esperança que em si é depositada. Na verdade, é possível constatar a paixão e dedicação da equipa de desenvolvimento em cada pormenor, fazendo de Double Pug Switch um exemplo perfeito da importância que o mercado independente tem na indústria.

A história tem tanto de simples, como de bizarra – se é que isso é possível –, e usando apenas três personagens conta como uma cientista e os seus dois animais de estimação partem para a aventura de uma vida.

De um lado temos um cão de raça pug em toda a sua essência, ou seja, quanto menos se mexer melhor; do outro temos um gato e a sua curiosidade destrutiva, o que dado estarmos num laboratório, não augura nada de bom. O que acontece, é que o simpático gato, por acidente, abre um portal para outra dimensão, para a qual ambos os animaizinhos são transportados.

O nome do nosso adorável herói é Otis, e como qualquer pug, parece indiferente a qualquer ameaça; já Whiskers (o gato, neste caso), transformou-se em Lord Sker, o vilão do jogo, que tem como plano maléfico livrar-se de todos os cães na sua dimensão de origem, através do seu exército de gatos seguidores.

A acção acontece na forma de um 2D side-scrolling com alguns elementos característicos do género. No entanto, aquilo que destaca este jogo dos demais, é a mecânica peculiar que o define. Nem só Whiskers sofreu uma transformação, dado que Otis parece que ganhou igualmente um truque, e consegue alternar entre dimensões de maneira a evitar os diversos perigos que irá ter pela frente.

Paga-nos o café hoje!

 De resto, é que podemos imaginar de um jogo de plataformas. Onde um botão serve para saltar, e o outro para mudar de dimensão. Tudo irá depender destas duas funções, e resumir-se-á à nossa destreza e temporização de movimentos, além de um raciocínio rápido na interpretação do cenário.

Não pensem, contudo, que é um jogo fácil. Muito pelo contrário. Double Pug Switch castiga cada mau cálculo que o jogador faça, portanto, preparem-se para morrer diversas vezes. Não que incomode Otis, afinal, ele é um pug, e é uma verdade universal de que os pugs são os animais espirituais dos monges Zen (só pode).

Essa dificuldade é acrescida quando tentamos apanhar todas as moedas, até porque os controlos são, por vezes, pouco responsivos. Não sei se por lag, ou se é mesmo suposto, mas parece existir um pequeno atraso desde o comando à acção.

 

As moedas servem para comprar chapéus, que por alguma razão, é uma obsessão do nosso amigo Otis. Aliás, parece ser esse o seu grande propósito na vida, e terá muito por onde escolher, até porque um pug de chapéu tem logo outro charme.

Tanto do ponto de vista gráfico, como sonoro, é um jogo bastante animado. Sendo o seu principal objectivo divertir e manter o jogador entretido, tanto na cadência da música, como o visual colorido. Nada que nos deslumbre, mas cumpre o que é exigido.

Double Pug Switch é típico jogo para descontrair no final de um dia de trabalho, ou quando tentamos fazer tempo para alguma coisa. Para quem gosta de jogos com de reacção rápida, com alguma dificuldade, em que a tentativa e erro acabam por ser a dinâmica mais comum, é uma opção a ter em conta.