Developer: Konami
Plataforma: PlayStation 4, Xbox One e PC
Data de Lançamento: 15 de setembro de 2020

Depois de uma época futebolística a acabar aos trambolhões e cheia de pressa para começar uma nova, também os jogos de simulação futebolística começam a dar o pontapé de saída, e o primeiro a fazê-lo é este eFootball PES 2021 – Season Update.

A Konami não pode ser acusada de não ter sido honesta e verdadeira com os seus fãs, desde o título do jogo, ao seu baixo preço, a editora diz-nos ao que vem logo à partida; um jogo que é um Update, que faz update às equipas que estavam licenciadas e a outras que agora fazem parte do seu roster, que reorganiza as equipas e as licenças perante o resultado desportivo do ano passado e que inclui mais uma vez a possibilidade de jogarmos o Euro 2020 que ainda não se realizou.

Podemos gostar ou não da decisão da Konami de não fazer um jogo com várias alterações na jogabilidade, no grafismo ou na realização gráfica, mas a verdade essa é inegável, a Konami foi a primeira a ser honesta consigo e com todos os fãs, num ano afectados pela pandemia do COVID-19 e a chegada de uma nova geração de consolas, é melhor fazer um Season Update para os fãs não ficarem órfãos do PES, através de um valor acessível, recompensá-los através dos jogadores Iconic Moments e outros bónus de veterano, reconhecer a paciência dos jogadores de todo o mundo, e oferecer-lhos um grande eFootball PES 2022 pensado de raiz para nova geração de consolas e as novas capacidades gráficas dos jogadores de PC. É honesto, e para mim, era o que deveria acontecer sempre que não existe um novo motor gráfico no jogo, ou que não exista uma mudança de geração de consolas.

Posto isto, vamos lá então olhar para o jogo por aquilo que é. Assim que começam o jogo facilmente vão perceber que tudo está no mesmo sitio e organizado da mesma forma que PES 2020, as imagens de fundo e as cores dos grafismos é que foram alteradas, mas fora isso está tudo na mesma e no mesmo sítio. Portanto, temos as tradicionais Partidas Rápidas quer no Modo Local como no Modo Online, a possibilidade de jogar Ligas ou Taças, dos Treinos de Habilidades e Treinos, passando ainda pelos Modos Rumo Ao Estrelato, a famosa Master League ou o eterno Modo de Edição, onde eu passo mais horas do que a jogar. Tudo aquilo que estava no PES 2020 está em PES 2021, até a possibilidade de fazer partidas relativas ao Euro 2020 ou fazer a própria competição em si com todos os grafismos referentes à aquisição dessa licença por parte da Konami.

Em termos gráficos não existe grande diferença, a qualidade é a mesma, os efeitos de iluminação que o FOX Engine foi capaz de introduzir à série mantêm-se, mas aqui mais afinados por todos os estádios do jogo, assim como a chuva e a neve ficaram mais detalhadas e realistas, até mesmo com com as condições climatéricas dinâmicas, onde a meio do jogo começa a chover. Também existe um update às caras dos jogadores, tal como tinha acontecido dos vários Datapacks lançados em PES 2020, mais uma vez vemos esse detalhe retratado com novas modas de cabelos e celebrações que também foram adicionadas ao jogo, sempre com destaque para Griezman que parece ser o rei das celebrações mais estranhas e bizarras.

Já sabem que a nível gráfico em temos de representação dos clubes a questão prende-se sempre com as licenças, este ano ainda mais complicado pelos contratos celebrados que com a questão da pandemia e o atraso no arranque das ligas ficaram muitas delas naquele limbo de cessação ou início e por isso a Konami tem planeado um Datapack já para dia 22 de Outubro onde terá tudo resolvido.

Portanto estamos a falar basicamente das mesmas licenças de PES 2020, tirando o caso do AC Milan e do Inter Milan que agora não estão licenciados, assim como do Nacional da Madeira na nossa Liga NOS, que curiosamente ainda tem os equipamentos do Benfica do ano passado e sem os patrocinadores oficiais na camisola, mas lá está, tudo coisas que podem ser resolvidas através do Option File, no caso do PC e da PS4. Aliás podem passar pelo nosso youtube aqui para descarregar o nosso Option File e verem o que está incluído, já com todas as Ligas e Equipas com os equipamentos oficiais e a nossa Liga NOS totalmente trabalhada e perfeitinha.

Neste campo das licenças e da forma como a Konami deu a volta à situação através dos Option Files, o jogo continua a estar à frente do FIFA, com a possibilidade de através da comunidade ou da dedicação do próprio jogador, facilmente conseguir colocar todos os campeonatos, competições, equipas e jogadores, como são na realidade. No entanto e antes do dia 22 de outubro quando sair o Data Pack 2.0, vão encontrar pequenos erros com equipas que desceram e estão ainda na divisão errada ou equipas um pouco perdidas na categoria Outros Europa por causa do jogo ser lançado ainda sem algumas decisões tomadas nesse capítulo, ou mesmo no caso da nossa Liga NOS, com o Setúbal e o Aves despromovidos à Liga Portugal a ainda estarem no jogo, mas, lá está, na categoria Outros Europa.

A verdade é que o Modo de Edição continua a ser um monstro, a possibilidade de importarmos as fotos dos treinadores, dos estádios, dos parceiros oficiais para as conferências de imprensa na Master League se tornarem ainda mais reais, ou o poder incluir novos equipamentos e emblemas, continua a ser um fator diferenciador perante o seu rival, e um verdadeiro elo com a comunidade que se dedica ao jogo e vê o seu trabalho reconhecido. A continuação das narrações de Pedro Sousa e Luís Freitas Lobo, apesar de não serem novas, é outro dos elementos que nos torna mais próximos da realidade portuguesa.

Apesar de tudo isto, todos querem saber o que mudou na jogabilidade, e a verdade é que o seu core continua igual ao PES 2020, mas é também notória algumas afinações, o que na verdade não estava muito à espera para ser honesto. Neste caso em particular julgava que a Konami ia jogar pelo seguro e trazer exactamente a mesma jogabilidade de PES 2020, depois de um ano de afinações constantes na jogabilidade, especialmente no online, mas a verdade é que fez várias, e isso pode ser estranho no início.

Paga-nos o café hoje!

Onde vão notar mais diferenças é nas animações da receção de bola, tanto na receção orientada como no primeiro toque, onde os jogadores mais facilmente controlam a bola e retiram da jogada os seus adversários. As fintas curtas de corpo e o Finesse Dribling também estão mais apurados, agora com a bola a colar mais no pé e a deixar menos hipótese de nos tirarem a bola com tanta facilidade. Também no campo das fintas de corpo e das fintas executadas com o analógico direito sente-se uma maior fluidez e rapidez na execução dos movimentos.

No entanto a jogabilidade não está tão parecida com PES 2020 como se podia prever e alguns até desejar. Por acaso no início tive uma maior dificuldade em me habituar aos ritmos do jogo, estava facilmente em levar com bolas nas costas da defesa e a não entender o porquê dos meus defesas saírem desenfreadamente na pressão.

Depois com os pequenos updates semanais, senti que as coisas tinham sido equilibradas, já não estava a ser tão difícil defender, mas estava a ser muito mais divertido atacar. E não é propriamente pela movimentação dos nossos jogadores, aqui sentimos que, de facto, o PES já não consegue ir mais longe nesta geração de consolas, os nossos jogadores por vezes ainda parecem que desligam o cérebro e só o ligam quando o cursor passa para eles, o que nos dificulta aquelas jogadas de entendimento que tanto gostamos de fazer, mas também a maior dificuldade em defender, em que por vezes deixam a bola passar à frente dos pés.

O que eu achei, foi que o jogo se tornou novamente mais dinâmico, os passes, apesar de ainda não estarem perfeitos, estão melhor do que em PES 2020, e o jogo está mais imprevisível, porque existem vários ressaltos de bola, mas também porque há mais formas no primeiro toque de abordarmos o passe e com isso, ludibriar as defesas adversárias.

A nível do remate, se em PES 2020, havia matemáticas específicas em posições específicas no campo para executar um remate certeiro, agora isso pode acontecer muito mais facilmente em outras zonas do campo. A barra de energia do remate está mais sensível, o que dificulta acertar com maior facilidade o remate, torna-o mais exigente, mas também as possibilidades de um remate sair colocado são maiores, portanto sentimos mais vontade de rematar à baliza e fazêmo-lo com mais à vontade.

Apesar de ter lido muita gente a criticar que os guarda-redes é como se não tivessem na baliza, eu não achei nada disso na minha experiência, e não estive propriamente a jogar com supra sumos da baliza. Por um lado joguei várias vezes com Vlachodimos e por outras vezes com um guarda-redes de 79 de overall que nem sei dizer o nome, e ambos fizeram sempre boas defesas e não deixaram muitos remates entrar na baliza, só mesmo aqueles que eu achei que eram impossíveis de defender. Também os guarda-redes estão com animações diferentes do que toca a como defendem, assim como os reflexos que têm.

Em geral, e em particular com o update de ontem, senti-me de volta ao PES que tanto gosto, divertido mas desafiante ao mesmo tempo, que dá abertura a tentar um remate fora da área, mas que também dá o espaço para tentar aquela finta no corredor para sacar um centro teleguiado. Está um pouco mais lento em termos de “andamento”, o que eu gosto, mas invoca que tentemos ganhar o espaço em velocidade, em suma está equilibrado, pelo menos para mim.

Temos ainda que falar nas pequenas mudanças na Master League que se prendem fundamentalmente nas novas cut scenes que vamos encontrando ao logo do género, e dos novos treinadores que podemos escolher para nos representarmos como é o caso Pepe Guardiola, Ryan Giggs e Frank Lampard, que representam assim a nova geração de treinadores. Já no myClub as mudanças prendem-se apenas com o facto dos jogadores Icónicos, que foram parte da oferta do bónus de Veterano, mas que parece ser uma aposta que vai continuar ao longo do ano por parte da Konami, que por outro lado continua com os jogadores em destaque da semana e com os jogadores especiais de cada clube, neste caso a começar pelos clubes que são parceiros oficiais do jogo.

E é isto que vamos encontrar em eFootball PES 2021 – Season Update, um jogo que não engana ninguém quando diz que é um update, que está disponível na sua versão Standard por 29.99€ com desconto para aqueles que jogaram o PES 2020 ou o PES 2020 Lite, tanto nesta versão Standard, como nas versões de Clubes, onde a podem comprar por 27.99€ e ter a equipa de determinado clube parceiro no myClub, mais o jogador icónico desse clube, um tema exclusivo dentro e fora do jogo, 3000 moedas para o myClub e ainda o kit digital a recordar uma das épocas áureas do clube que escolherem, e ainda 30 semanas a receber um Agente Premium e 3 contratos por 30 semanas também, o que vale muito a pena. Para mim é tudo aquilo que preciso para continuar a jogar PES com a mesma dedicação com que joguei a versão do ano passado enquanto espero por esse salto geracional em PES 2022.