Developer: Sylwester Osik
Plataforma: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 27 de Novembro de 2020

Electro Ride: The Neon Racing é mais um projecto indie de um homem só, neste caso, da autoria de Sylwester Osik, que fez um interessante trabalho, não só pela proposta que é bastante original, como por toda a concepção visual.

O nome é sugestivo, e não é por acaso, já que se sustenta no seu ambiente psicadélico repleto de neons e cores muito vivas para dar corpo à atmosfera pretendida. Porque em Electro Ride: The Neon Racing tudo é alternativo, especialmente a base da sua narrativa.

Não existe um grande foco sobre a história, mas numa realidade paralela cuja ideologia socialista vive de uma popularidade crescente, até o muro de Berlim ainda está presente. E à semelhança do que acontece com os seus rivais capitalistas, também o entretenimento cresceu por terras de leste, nomeadamente as corridas de automóveis, que é exactamente nisso que o jogo consiste.

Há um notório vibe dos anos 80 e que, pelo aspecto e pela adrenalina que tenta emprestar às corridas, nos faz inevitavelmente lembrar de Tron. E a ideia é precisamente a de nos transportar para cenários quase oníricos, em que achamos que estamos a viver um autêntico transe, e sempre em altas rotações.

Iremos percorrer várias pistas de cidades do leste europeu, como Berlim, Moscovo, Praga e Varsóvia (sendo este último circuito o de iniciação); o que desde logo traça uma diferença enorme para outros jogos de corridas. Na verdade, há vários detalhes que apenas em Electro Ride: The Neon Racing podemos encontrar, nomeadamente os carros.

Os tipos de carros disponível são igualmente inspirados nos veículos europeus da década de 80; como se de um roteiro pelos clássicos desse período se tratasse. Não só o tipo de carros é diferente, como também a sua condução, e irão verificar que em alguns casos é um desafio por si só.

Paga-nos o café hoje!

Conseguir controlar os carros é por vezes extremamente difícil, principalmente por culpa da exagerada sensibilidade dos comandos. Qualquer toque a mais na direcção é suficiente para nos fazer perder o controlo do veículo e obrigar-nos-á recorrentemente a corrigir e a compensar para o lado oposto.

Sendo um arcade racer, era praticamente obrigatório ter um sistema de power-ups, e em Electro Ride existe na forma de boosters. É uma mecânica bastante original, e que se resume a três cores, onde o jogador de conciliar a cor dos medalhões que apanha, com a uma faixa da mesma cor, para ganhar um bónus de velocidade.

E passo a explicar:

Espalhados pela pista existem medalhões de cor amarela, azul e púrpura, e ao apanharmos um deles, iremos ter de passar por cima de uma faixa da mesma cor que nos espera mais à frente. Essa dinâmica é que dá alma às corridas, porque levará o jogador não só a conseguir tirar vantagem dessa mecânica, como evitar que os adversários atinjam a cor certa.

É uma ideia bastante diferente do que estamos habituados, mas que tornam o jogo bastante divertido, particularmente para jogar com amigos. Sim, há um modo split-screen, e é onde o jogo realmente se destaca, sendo precisamente por aqui que normalmente optaremos, sempre que tivermos alguém para jogar connosco.

Além deste modo, temos ainda o Quick Race, Story Mode, Ghost Mode e Last Man Standing. Todos estes modos são exactamente aquilo que sugerem, e oferecem o suficiente para deixar o jogador entretido a jogar contra a IA. Visto que a sua dificuldade não é de todo baixa, podem esperar um bom desafio, e terão pela frente algumas horas de jogo.

Graficamente prima pela sua originalidade. Quem gosta deste tipo de conceito artístico irá certamente gostar da experiência de, ao som de uma agradável música electrónica, percorrer estas incríveis estradas neons, que à sua maneira tentam representar as cidades nas quais se localizam.

Electro Ride: The Neon Racing é um jogo de corridas a fazer lembrar quando o arcade racing estava na moda. É revivalista em diversos sentidos, mas com a sua própria identidade. Para os mais nostálgicos será sem dúvida uma opção a considerar.

Deixa um comentário