Developer: André Elias
Plataforma: PC, Android, iOS
Data de Lançamento: Setembro de 2020

“O jogo dos nomes” – era assim que Elifoot 2 era conhecido nos anos 90 em minha casa. Sempre que eu me metia a jogar Elifoot 2, lá aparecia o meu pai a gozar-me com a sua frase “Então a jogar novamente o jogo dos nomes?”. A verdade é que Elifoot 2 era divertimento garantido; sozinho, ou com amigos; a partir da 4 divisão, e com o objectivo de tentar chegar à 1º divisão, sempre passando por vários clubes e adquirindo diversos jogadores por leilão, era algo que nos fascinava naquela altura.

Os tempos mudaram, e hoje em dia, provavelmente, ao fim de pouco tempo, o Elifoot 2 já não teria a mesma piada que nos anos 90. Felizmente, o jogo tem vindo a melhorar, tendo até chegado aos Smartphones, como é fácil perceber pelas nossas análises de títulos anteriores (Elifoot 18 e Elifoot 19). Com uma interface gráfica bastante colorida e de fácil aprendizagem, Elifoot tem vindo a evoluir, a tornar-se cada vez mais actual, e a fazer algo de extrema importância, que é ouvir os pedidos da sua enorme comunidade de jogadores.

Elifoot 20 é a última versão desta franquia, e provavelmente a edição que deu o maior salto em termos de novidades e surpresas para os jogadores. A maior dessas surpresas – e que saltará logo à vista quando iniciam um jogo – é a possibilidade de escolher várias ligas. Se bem se lembram, nas versões anteriores, apenas podiam escolher uma liga, e a partir daí seguiam a vossa carreira sempre nesse país, e agora tudo é diferente, dado que podem escolher as ligas que bem entenderem, além da quantidade de clubes em cada divisão, e claro o número de divisões.

No aspecto das divisões Elifoot continua igual a si mesmo. As divisões são todas seguidas, não existindo cá grupos ou zonas como acontece por exemplo em campeonatos do Brasil ou nas divisões inferiores Portuguesas. Significa por isso que o número de equipas por divisão e o número de divisões irá influenciar as equipas que o jogo escolherá para preencher essas divisões, já que a escolha será sempre das equipas mais fortes para as mais fracas.

Como devem imaginar, esta possibilidade de várias ligas a correrem ao mesmo tempo tem aspectos extremamente positivos, o primeiro que salta logo à vista é a possibilidade de saltarmos de liga em liga (podem também desactivar essa opção). Isto acontece ao recebermos um convite de outro clube, quer estejamos a treinar uma equipa, ou no desemprego.

Paga-nos o café hoje!

Depois de escolhida a equipa, vem a segunda surpresa, e esta também bastante interessante, e que a comunidade de jogadores de Elifoot seguramente ficou bastante agradada, isto é, o aparecimento de novas posições. Antigamente existiam apenas 4, o guarda-redes (goleiro), defesa (zagueiro), médio (meia) e avançado (centroavante), agora passamos a ter também o defesa direito e defesa esquerdo, trinco (volante), médio direito e médio esquerdo e por fim o extremo (ponta) direito e extremo (ponta) esquerdo.

Embora tenha gostado destas novidades, eu, que sou um amante de futebol, faz-me confusão não existir a posição de médio centro, ou seja, aquele médio que não é tão defensivo como um trinco, mas que também não é tão atacante como o médio ofensivo. Seja como for, estas adições tornam o jogo mais real, e também aumenta a responsabilidade do jogador na altura de criar um plantel, já que ter dois jogadores por posição passa a ser essencial para obterem sucesso. E muitas vezes devido às lesões, terão de fazer ajustes nas tácticas ou então utilizar jogadores fora das suas posições, algo que é assinalado (e bem) pelo jogo com um sinal de “!”.

Esta adição também veio trazer novas tácticas, e se antigamente apenas tínhamos o 4-4-2, o 4-3-3, e por aí adiante, agora termos os vários modelos tácticos que qualquer táctica implica, como jogar em 4-4-2 losango ou em 4-4-2 clássico. Tudo isto irá implicar diversas alterações de posições, algumas que podemos concordar, outras que poderão ser mais estranhas, como um 4-4-2 clássico na frente usar dois extremos em vez de dois pontas de lança, mas isto são apenas pequenos pormenores. Caso sejam daqueles jogadores que gostem de ter 2 e 3 tácticas para ir alterando o modelo da equipa conforme as necessidades, preparem-se porque criar um plantel ao vosso gosto, e que o orçamento no final do ano esteja equilibrado, poderá não ser fácil. Daí esta alteração ter sido bastante interessante no jogo.

Se estas duas novidades foram excelentes, também faltaram afinar algumas coisas, e a primeira delas é quando estamos a escolher as ligas, já que se seleccionarmos 5 ou 6 ligas, ao avançarmos é-nos perguntamos se queremos escolher a nossa equipa, ou se esta é escolhida aleatoriamente. Nesse sentido, faltaria aqui a opção da escolha aleatória, mas dentro de um determinado pais, já que acredito que a maioria dos jogadores gostem de começar no seu pais de origem e com uma equipa aleatória, e depois criar a sua carreira. A outra é a opção de os jogadores terem mais que uma posição, visto que no futebol actual cada vez existem mais jogadores polivalentes, e até na criação do plantel isso faz toda a diferença. Quem sabe se numa futura versão isso não acontecerá.

Mas as novidades não ficam por aqui. Lembram-se dos leilões de jogadores que falei na introdução desta análises? Pois é, estão de volta, embora exista a possibilidade de comprarmos os jogadores directamente a clubes ou fazermos uma procura por determinado jogador, seja por força, por nome e por posição. Agora voltaram os leilões, numa quantidade muito menor em relação a Elifoot 2, mas é sempre uma sensação nostálgica sempre que aparece um jogador em leilão para comprarmos.

Quanto aos menus e à maneira que o jogo se desenrola, tudo está bastante idêntico aos jogos anteriores, como pedir empréstimos, aumentar a capacidade do estádio, ver as nossas receitas, vender jogadores, comprar jogadores, calendário, melhores marcadores, entre as outras opções todas que os fãs de Elifoot já conhecem. Obviamente que, com a entrada de várias ligas, agora quando decidimos ver as classificações podemos ver de qualquer liga, tendo um menu giratório na parte superior para seleccionarmos a liga da qual queremos ver a classificação.

Quando à jogabilidade, Elifoot na minha opinião está bastante penalizador, faz-me lembrar os jogos da Taça de Portugal quando por vezes um dos clubes grandes é “comido de cebolada” pelos clubes pequenos, já que a incerteza no resultado é sempre grande, e muitas vezes com diferenças significativas entre equipas. Podem ganhar 3 ou 4 jogos seguidos quando achavam que o resultado ia ser bastante complicado e a seguir vão jogar com o último classificado que tem um ponto, uma equipa bastante mais fraca que a vossa e lá perdem por 2 ou 3 golos de diferença, sem perceberem muito bem o que se passou ali. Obviamente que pode ser aselhice minha, mas na verdade é bastante estranho.

Uma das actualizações que aconteceram em Elifoot 19 (a versão anterior) foi a implementação de um ranking mundial. Em Elifoot 20 esse ranking mundial continua, sendo uma forma dos jogadores competirem entre si, para ver quem é o melhor jogador de Elifoot de sempre. Algo que é interessante para os jogadores bastante competitivos, mas que para quem gosta de jogar como eu, numa vertente mais relaxada e divertida, não ligará muito.

Por fim, e não menos importante, o novo editor de Elifoot 20, e que será uma das melhores novidades para os amantes do “editanço”. Aqui, os jogadores terão a oportunidade de criar clubes e criar jogadores, e assim, se um país que querem que exista no jogo não existir, vocês podem sempre criá-lo na sua totalidade. Podem também alterar tudo o que existe, e se acham que a posição de um jogador está errada, então podem ir alterar; querem alterar o treinador de um clube, podem alterar. Podem fazer tudo o que quiserem na base de dados do jogo, ficando assim com um Elifoot totalmente à vossa medida. E sabem a melhor parte? Podem partilhar tudo isso, salvando as vossas alterações num ficheiro e partilhando com quem quiserem. E por ser possível adicionar só o conteúdo que queremos, é até possível encontrarem pessoas que adicionaram outras ligas e adicionarem apenas essas ligas que vocês não têm, sem estragar todo o vosso trabalho.

Elifoot 20 deu um salto enorme da versão do ano anterior para esta, podemos dizer que está no bom caminho para continuar a ser um dos jogos portugueses com mais sucesso de sempre. Além dos pontos que apontei acima, e que podiam ser melhorados, fica a faltar-lhe a componente online de conseguirmos fazer uma liga com amigos em modo online. Seja como for, há que dar mérito ao Andre Élias por continuar a trazer-nos todos os anos esta franquia, que é certamente a mais longa de um jogo português.