Developer: Condemasters
Plataforma: PlayStation 4, Xbox One, PC
Data de Lançamento: 28 de junho de 2019

É com um visual estrondoso que até se confunde com a realidade que olho para F1 2019 como o melhor jogo do género até hoje. É quase um cliché dizer que é o melhor jogo de F1 sempre a cada ano que passa, mas o que é certo é que além das melhorias gráficas, que já eram excelentes em 2018, ainda trás um conjunto de modos de jogo que nunca mais acabam. A oferta offline e online dá várias vidas a este F1 e outra grande novidade é a chegada da F2 ao jogo. Para os mais nostálgicos ainda há a edição Legends que tem conteúdos exclusivos como o avatar ou os carros de Ayrton Senna e de Alain Prost, bem como desafios específicos entre os dois. É um misto de passado, presente e futuro bem preparado para ir diretamente para a primeira linha da grelha de partida.

Não me vou cansar de dizer que F1 2019 está incrivelmente bem recriado graficamente. A iluminação nas pistas está soberba, quer seja de dia ou de noite, o pormenor dos carros é divinal e se explorarem o Showroom onde estão disponíveis os carros vão perceber isso ainda mais. Os pormenores da chuva ou da sujidade na pista dão uma dimensão diferente ao jogo, que quando se joga, parece que estamos a ver uma transmissão televisiva. Tal como nos anteriores, vamos poder guardar as melhores imagens através do modo fotografia.

Embora a jogabilidade se mantenha muito parecida com a edição anterior, talvez pela melhoria gráfica, nos dê uma sensação ainda mais real de estar a conduzir um monovolume de F1. Jogar à chuva é das coisas mais impressionantes e claro que é devido ao nível de detalhe gráfico que altera claramente a nossa maneira de jogar. É muito mais difícil uma corrida com pingos de chuva constantes no ecrã, por isso torçam para que chova pouco durante o vosso campeonato. O clima dinâmico continua presente com a habitual previsão da nossa equipa para o que aí vem, para podermos preparar a nossa tática de corrida. As regras novas da F1 também estão presentes no jogo. As cores dos jogos de pneus, macios, médios e duros que agora são limitados para cada Grande Prémio, o ponto extra pela volta mais rápida e todas as outras questões técnicas dos carros que mudam de ano para ano. O menos bom deste F1 2019 é mesmo os tempos de espera nos loadings que por vezes parecem não ter fim, pelo menos na versão Playstation 4, onde joguei.

F1 2019 está feito para não fartar, ou se isso acontecer, não deve durar muito tempo. Os modos de jogo são mais que muitos e se quiserem experimentar tudo e todos vão ter longos meses pela frente. A começar pelo novo modo carreira que, apesar de algumas semelhanças com o jogo do ano passado, agora trás mais novidades. Os menus mantém-se iguais e se já os dominavam na edição de 2018, não é agora que vão deixar de o fazer. Se são novos nisto, estejam descansados porque tudo está muito bem esquematizado e explicado em cada menu. A grande novidade do modo carreira de F1 2019 é a inclusão da Fórmula 2. E porque é de lá que vem os futuros pilotos, é de lá que vamos começar a nossa história como piloto profissional. Através de uma espécie de Story Mode, o primeiro ano passado na F2 é curto porque apenas jogamos os pontos chave da época. Na verdade só vamos ter de fazer uma das corridas completas, as restantes duas vão-nos colocar em situações com alguns problemas no carro e o principal objetivo é terminar a corrida sem perder posições. Na última corrida, lideramos o campeonato com os mesmos pontos que outro piloto e para vencer teremos de ficar à frente dele. É uma boa inclusão para esta edição de 2019.

A partir daí seguimos rumo à F1, sem esquecer a rivalidade e as habituais entrevistas pós-corrida. Depois dessa primeira experiência na F2 está na hora de negociar contrato com a F1 e com as equipas. O que achei estranho foi poder ir para qualquer uma das equipas, mas, claro todas como segundo piloto e quanto mais exigência, menos margem de manobra temos. Os contratos são revistos de quatro em quatro corridas e se não atingirmos os objetivos a que nos propusemos, somos despedidos e teremos de encontrar um novo parceiro de corrida. É então com principal incidência no nosso desempenho que vamos evoluir, ou não, na nossa carreira como piloto neste F1 2019. Também há outras coisas importantes, principalmente na nossa atitude de resposta múltipla quando nos fazem as entrevistas. Podemos criticar alguns setores da equipa de produção do carro ou ser mais contido nas críticas. Podemos elogiar toda a equipa e ser um “Sportsman” ou se preferirmos, podemos focar as luzes da ribalta para nós e ser um “Showman”. É claro que a Ferrari vai preferir um “Showman”, enquanto a Mercedes vai antes apostar num “Sportsman”. Tudo isto conta para a nossa personalidade de piloto e avaliação entre a nossa equipa e o nosso valor real. Enquanto a equipa valer mais do que nós, não podemos propor mudanças no carro, mas quando ganharmos mais estatuto, estaremos à vontade para propor novas funcionalidades. Este modo carreira está uma delícia para quem gosta de F1 e de ser desafiado constantemente.

A vida de piloto nem sempre é fácil e embora às vezes apeteça faltar aos treinos livres e fazer logo a qualificação, é importante dizer que é mesmo nesses “Practices” que o carro se vai moldando à pista e fica depois mais habituado às curvas e com um desempenho optimizado. E além disso há objetivos importantes a cumprir. Há que ver o desempenho dos pneus, do gasto de combustível, o sistema de ERS, e simular a qualificação e a corrida. Tudo isto é importante para chegarmos ao Grande Prémio em forma e poder brilhar. Experimentem não ir às sessões de treino livre e serão logo abordados pela jornalista com perguntas que colocam o nosso profissionalismo em causa. No final de cada Grande Prémio ainda temos ao dispor desafios de outros tempos que vamos poder completar antes de avançar no calendário.

Além deste modo carreira capaz de nos ocupar bastante tempo, temos os tradicionais Grandes Prémios de fim-de-semana, ou vários campeonatos e aqui a variedade é novamente gigante. Podemos jogar uma época de F1, normal, a época de 2018 da F2 (a versão de 2019 ainda vai ser disponibilizada), um campeonato com os carros clássicos, campeonatos específicos com corridas europeias, pela ásia, há uma imensidão de torneios que podem explorar. Além disto há os desafios de perseguição, onde temos que ganhar tempo ao nosso adversário que vai na frente, os de ultrapassagens, onde temos de chegar até uma posição mais vantajosa e tudo isto com carros específicos em situações específicas de corridas de outros tempos. Se ainda tiverem a edição Legends, vão estar disponíveis mais oito desafios deste género, mas dedicados a Senna e Prost.

Online podemos contar também com vários tipos de corrida e de campeonatos. Há corridas que contam para o ranking, mas se quisermos jogar só por jogar, também podemos fazê-lo em corridas “unranked”. Existem as corridas semanais onde a cada semana, há um circuito para fazer. Nos dias anteriores fazemos as qualificações e no dia da corrida a cada hora podemos participar no Grande Prémio do fim-de-semana. Pode-se fazer várias corridas, mas só conta a última que fizerem. Outro modo que achei excelente são as ligas online. Podemos juntarmo-nos a outros e fazer campeonatos e melhor, podemos reunir os nossos amigos e fazer um campeonato, todo ele personalizável. Por exemplo, criei um onde todos os dias se jogava uma corrida às 22h e escolhi todos os circuitos do campeonato de F1 disponíveis. Acho que este é um dos pontos chave dos videojogos nos tempos que correm.

Para quem jogou o anterior não vai ser surpreendido pela qualidade, mas vai ficar feliz com as boas novidades fora e dentro das pistas. Se não jogam um jogo de F1 há algum tempo, mas gostam de ver na televisão, está na hora de jogá-lo porque o jogo confunde-se facilmente com uma corrida real. Se juntarmos a isto os modos de jogo infinitos online e offline reparamos que F1 2019 chega calmamente à Pole Position.

Deixa um comentário