Developer: SEGA, Sports Interactive
Plataforma: PC
Data de Lançamento: 9 de Novembro de 2021

Foi graças ao sucesso de José Mourinho no Futebol Clube do Porto, ao incrível Barcelona de Guardiola, ou passando até pelo Liverpool arrasador de Jürgen Klopp, que fizeram com que ser treinador de futebol fosse tão desejado como ser jogador de futebol. Porventura, ser treinador ainda é algo mais desejado, já que não é preciso nascer com jeito para a bola, e requer antes trabalho, dedicação, muitas e longas horas de estudo, e ter a sorte de ter jogadores competentes que saibam compreender as nossas ideias.

É um daqueles sonhos que ainda me falta concretizar, ou seja, tirar o curso de treinador e tentar comandar uma equipa, mesmo que numa divisão inferior. Algo que certamente acontecerá um dia mais tarde, mas que por agora está em stand by. Enquanto isso, temos todos os anos o maravilhoso – e a expressão não podia ser melhor aplicada – Football Manager, que consegue deliciar os jogadores fazendo cumprirem os seus sonhos, seja de levar as suas equipas a ganharem a tão ambiciosa Liga dos Campeões, ou no caso de equipas sul americanas a Copa Libertadores, e o Mundial de Clubes. Até porque (e em jeito de brincadeira), o Palmeiras não tem Mundial, e aqui provavelmente os adeptos do clube, mais cedo ou mais tarde conseguem obter um.

Embora o jogo já seja sobejamente conhecido por grande parte dos jogadores, e dificilmente consiga ficar melhor, a verdade é que a equipa da Sports Interactive, todos os anos consegue adicionar pequenas melhorias ao jogo e adicionar pormenores que por vezes fazem toda a diferença. Este ano ainda fez diversas melhorias no motor de jogo, com novas animações, melhor física da bola e jogadores a terem movimentos melhorados para tudo parecer ainda mais real. No entanto, a grande novidade prende-se com a Central de Dados (Data Hub) que nos oferece uma experiência nunca antes vista num Football Manager. Devo confessar que passei horas a fio a ver cada detalhe desta central de estatísticas e de informações que nos permite ir até ao mais ínfimo pormenor para melhorar a nossa equipa, assim como conhecer os adversários e até os jogadores com melhores rendimentos, sejam eles da nossa equipa, ou não. Por essa razão, provavelmente Football Manager 2022 é certamente o melhor dos últimos anos.

Como é meu costume, num bom prato de comida o melhor fica para o fim, logo, deixemos então a Central de Dados e comecemos pelo motor de jogo, onde as melhorias estão exactamente na maneira como vemos as animações dos jogadores em campo. Desde logo, conseguimos perceber que o rodar a bola, passar algumas vezes o pé por cima da bola, maneira como o jogador domina, faz os passes, está bastante diferente no que toca à fluidez, parece que os jogadores ganharam nova agilidade para se movimentarem, tornando esses movimentos mais naturais e mais de acordo com a realidade.

Isto leva também a que as jogadas se tornem diferentes, oferecendo ao jogador um maior número de jogadas, até porque os fãs da franquia, e que faziam temporadas atrás de temporadas, muitas vezes já conheciam algumas jogadas características dos jogos anteriores, algo que com estas novas animações e melhoramentos é sem dúvida uma lufada de ar fresco.

A bola também parece ter nova física, e temos agora remates em jeito com uma definição mais aprimorada; os passes altos também estão melhores, e mesmo aqueles passes para virar o jogo de um flanco para o outro parecem mais realistas. E se falamos de novos remates e passes, não devemos deixar de referir os guarda-redes que agora também têm novas animações, novos voos para excelentes defesas, e até as defesas de alguns cabeceamentos oferecem uma nova fluidez ao ver o jogo.

Se nos forcarmos também na parte defensiva, agora é raro termos aqueles jogadores que correm sem lógica a fazer pressão ao portador da bola. Neste campo, o jogo também recebeu melhoramentos e isso nota-se claramente ao ver o jogo. A defesa está mais “inteligente”, sabendo esperar a altura certa quando deve atacar o portador da bola, ou exercer pressão para este ser obrigado a jogar para trás.

Ainda no que toca às animações dentro do rectângulo de jogo, não posso deixar de referir o incrível espectáculo de jogarmos uma liga que esteja oficializada no jogo, onde o marcador passa a ficar tal e qual a transmissão televisiva, isto é, mostrando o próprio alinhamento das equipas, entre outros pormenores deliciosos. Isto acontece no caso da Bundesliga e Bundesliga 2 (Ligas Alemães), Ligue 1 Uber Eats e Ligue 2 BKT (Ligas Francesas), MLS (Liga dos Estados Unidos), cinch Scottish Premiership (Liga Escocesa), entre muitas outras.

Todas essas ligas, além dos símbolos das competições, todas as equipas também apresentam os símbolos, a sua camisola oficial, patrocínios etc. Existem também vários casos de países, que embora não existam ligas oficiais, muitos dos clubes estão totalmente oficializados no jogo, como é o caso de quase toda a liga italiana, faltando apenas a Juventus. Na liga Portuguesa temos o SL Benfica, o FC Porto e o Sporting totalmente oficializados, onde até as caras dos jogadores aparecem. Em Inglaterra, à excepção da Premier League, todas as ligas abaixo são oficiais, e na verdade, a lista de clubes e ligas oficiais é bastante extensa, o que é excelente, e mesmo aqueles que não estão oficializados percebemos perfeitamente que clubes são, e o nome dos jogadores são reais.

Onde também se nota um melhoramento incrível é na nossa capacidade de gestão. Se alguns jogadores sentiam que eram mais treinadores do que propriamente managers, este ano não se poderão queixar, já que são muitas as tarefas que têm em mãos, desde logo, a quantidade de reuniões com o nosso staff aumentou, assim como com a direcção. O director desportivo, assim como os directores e os presidentes fazem diversas reuniões, dão sugestões e até apresentam nomes de jogadores que gostariam de ver na nossa equipa. A última palavra é nossa, mas muitas vezes as soluções nem são más, por vezes são é irrealistas, chegou-me a acontecer estar com um clube do meio da tabela e apresentarem-me o Oliver Torres do Sevilla, onde o ordenado dele devia ser o meu orçamento todo de ordenados, para não falar que para o orçamento de compras nem devia chegar para pagar a comissão do agente, quanto mais para pagar o passe do jogador.

Já que falamos em transferências, uma boa novidade é podermos falar telefonicamente com os agentes dos jogadores, e antes sequer de tentarmos propor uma transferência ou apresentarmos uma proposta, podemos perguntar ao agente se o jogador está interessado e qual o valor provável que será necessário para o comprar e até o ordenado que este deverá pedir. Embora não tenhamos uma ideia completa de como vão ocorrer as negociações, é possível ter uma ideia do que nos espera.

Ainda relacionado com as reuniões de staff, cada vez nota-se mais como ter um bom staff faz uma enorme diferença, já que muitas das sugestões das reuniões semanais podem ser importantes conforme a capacidade dos membros da vossa equipa técnica. Diria até que muitas vezes, mais importante do que comprar um bom jogador para uma posição, é trocar alguns elementos do staff para outros com atributos melhorados, seja a nível de treino, como na própria análise de dados. Neste último caso, isso será de extrema importância para ter uma Central de Dados precisa e bastante completa.

Na parte do recrutamento de elementos para a equipa técnica, nota-se uma diferença significativa consoante o tamanho da base de dados. Testei jogar com uma base de dados média e com uma grande, e a diferença é enorme. Se no aspecto dos jogadores não é tão relevante – já que existem sempre jogadores minimamente interessantes – no aspecto de elementos para contratar para as equipas técnicas a coisa já muda de figura, e com a importância que têm cada vez mais no jogo, é bastante importante terem diversos técnicos especializados para poderem escolher o que mais precisam na vossa equipa.

Já que falamos das equipas técnicas, podemos também entrar no aspecto táctico, e aqui a diferença não é substancial, a grande diferença que vão encontrar é de ter sido adicionada a posição de Wide Center Back (Central Descaído) Diria que é uma posição que serve essencialmente para equipas que jogam com 3 centrais, mas que gostam que a atacar a equipa fique apenas com 2 centrais, enquanto o terceiro junta-se ao ataque pelo seu lado, isto é, que faça quase de ala direito ou esquerdo. Para terem uma ideia mais prática, o Chelsea de Thomas Tuchel faz muito isso, um jogador exímio a fazer esse tipo de movimentos é Azpilicueta, que até começou a sua carreira como defesa direito, e aos poucos foi passando para central, logo, para ele conseguir fazer esse tipo de movimentos é bastante simples, proporcionando assim mais um elemento no apoio atacante da equipa.

Já que falamos de tácticas com 3 centrais, algo que vão notar é que o próprio Football Manager 2022 seguiu a moda actual, e vamos ter diversas equipas a jogar com 3 centrais. Será certamente uma das tácticas mais utilizadas pelos jogadores no jogo, porque ao contrário de outros em que era bastante difícil colocar uma equipa a jogar com 3 centrais, neste tudo parece mais facilitado. E na verdade jogar com um 3-5-2 parece que temos sempre jogadores a atacar e a defender, já que a defender vamos ter sempre uns 6 ou 7 elementos atrás da linha da bola, e a atacar vão 5 ou 6 elementos prontos a receber a bola.

Paga-nos o café hoje!

Mas não pensem que só vão ter sucesso com tácticas de 3 centrais, porque por exemplo o 4-3-3 de pressão alta como o Liverpool de Jürgen Klopp continua a fazer das suas, e chegou para limpar o campeonato português com facilidade, por exemplo. Por isso, tem muito a ver com a análise que fazem do adversário, de como podem fechar as suas linhas de passe, de pressionar eficazmente os jogadores mais importantes da outra equipa, e tudo isto é possível ver ao detalhe na “tal” Central de Dados.

Eu sei que estão ansiosos pela Central de Dados, mas antes disso, vou falar um pouco sobre o último dia de transferências. Neste Football Manager 2022 o último dia de transferências levou uma excelente actualização, sendo agora muito mais divertido e com muito mais informação à mão. Como já era habitual, teremos algumas perguntas de jornalistas, menos que o habitual, mas há muitos mais rumores a aparecerem, tanto da nossa equipa como de outras. Muitas propostas pelos nossos jogadores, e com a possibilidade de conseguirmos fazer uma ou outra transferência que tanto desejamos.

É engraçado que mesmo sabendo que estamos num simulador, estas últimas horas trazem sempre aquele “stress” e “ansiedade” para tentarmos vender ou comprar um jogador, visto que estamos sempre à espera de ver a tal informação na caixa de entrada a informar que a transferência está finalizada. Importante também referir que podem saltar esta nova opção, até porque se forem céleres nas vossas contratações e vendas, provavelmente não necessitarão de passar por estas horas de aperto que acontece com a maioria dos clubes.

Falemos então agora da Central de Dados, a grande novidade deste Football Manager, e que eleva a fasquia para todos aqueles que gostam de analisar dados, conhecer os adversários ao pormenor, e conhecer a sua equipa como ninguém. Para teremos estes dados é necessários dois requisitos, primeiro ter uma equipa de análise de dados, e depois esperar pela 3º jornada da nossa liga, para os nossos analistas terem oportunidade de reunir informação suficiente para nos apresentarem dados credíveis.

Quanto melhor for a equipa de dados, tanto em termos de número de elementos, como em termos de atributos, melhor será a precisão e quantidade de dados que podem analisar. Esses dados são bastante variados, e estão divididos por separadores, sendo que o primeiro é um separador Geral onde nos mostra um relatório da nossa equipa, com o seu desempenho global em comparação com a media das outras equipas da liga; temos também os relatórios de passes efectuados, eficácia ofensiva, entre outros, isto é, aqui podem ver uma visão geral dos pontos fortes e fracos da vossa equipa, quer no ataque como também em trabalho defensivo; além de também aparecer o relatório dos jogadores que vocês pediram para serem observados.

O segundo separador com o nome de Equipa é o local onde vão ter um trabalho ainda mais exaustivo sobre a mesma, e podem pedir um relatório sobre quase tudo o que possam imaginar, como por exemplo a percentagem de desarmes efectuados com sucesso, o número de ataques, o número de ataques com sucesso, a percentagem de finalização, tentativas de passe, cruzamentos, entre muitos outros. É um local em que podem observar a vossa equipa de uma maneira nunca vista num outro Football Manager, e chega ao ponto de existir um relatório onde vos é mostrada todas as tácticas que já enfrentamos e quais aquelas que temos mais dificuldade em enfrentar e aquelas que a nossa equipa ultrapassa mais facilmente. Sendo fácil, a partir daí, tirar a conclusão de que devemos ter sempre mais do que uma estratégia, de maneira a conseguirmos contornar as tácticas que mais facilmente conseguem bloquear as nossas ideias de jogo.

No terceiro separador temos dados relativos a jogadores, e aqui conseguimos ter uma visão geral de como os jogadores da liga se comportam. Dá para obter todo o tipo de relatórios, mas foi neste local que me lembrei automaticamente do filme Money Ball, onde Brad Pitt é o protagonista. Para quem viu o filme, lembra-se bem como Billy Beane (Brad Pitt), manager dos Oakland Athletics conseguiu ter uma equipa altamente competitiva com um orçamento extremamente apertado, contratando jogadores apenas a partir dos seus dados estatísticos de outras épocas. E este separador de Football Manager permite-nos exactamente isso, ver os jogadores que tiveram mais sucesso nas diversas tentativas de drible, os que tiveram mais sucesso nas diversas finalizações, os que conseguiram obter mais desarmes, entre todo o tipo de dados que podem imaginar. Consegue mesmo ter uma ideia dos jogadores que mais diferença fazem na liga, e assim conseguir tentar contratá-los ou mesmo saber como são importantes nas equipas adversárias.

O penúltimo separador chama-se Jogo, e tem a ver com os jogos realizados da nossa equipa, sendo possível analisar o último jogo ou então os últimos 5 jogos, o que é extremamente útil, porque assim conseguem perceber se estão a obter algum progresso na implementação das ideias para a equipa. Além disso, os analistas dão os pontos fortes e fracos da nossa equipa por encontro, ou na média dos 5 encontros, sendo por isso uma oportunidade fantástica de ao longo da época irem corrigindo todas as debilidades da equipa.

Por último, o separador do Próximo Adversário, onde nos são apresentados diversos relatórios extremamente completos sobre as diversas áreas do jogo do nosso próximo oponente. Existem até relatórios de passes, onde podemos ver os jogadores mais influentes e o local para onde a maioria dos passes da equipa adversária vai, sendo por isso mais fácil perceber que jogadores anular para não receberem tanta bola, fragilizando assim a outra equipa. Além de todos esses relatórios, é ainda possível fazer comparações gráficas entre as duas equipas, para percebermos onde eles são mais fortes em relação a nós. Depois, temos ainda as hipóteses que os analistas nos oferecem, no estilo táctico provável da outra equipa, e do estilo de jogo que provavelmente apresentará contra nós: se em contra-ataque, se ataque em profundidade, se vão tentar ter posse de bola, etc. A informação é tanta que é impossível dizer tudo, diria que nem falei de 5% de tudo o que existia para falar nesta Central de Dados, mas que certamente e para aqueles que gostarem de analisar dados e compreender o que estes têm para mostrar, certamente vão conseguir ser muito melhores managers em comparação com os jogadores que não vão dar tanta relevância a esta nova adição do jogo.

Os fãs de futebol vão ficar extremamente agradados com este novo Football Manager 2022, sendo impossível este ano voltarmos a ouvir dizer por parte de alguns jogadores a típica frase “É apenas mais um update da base de dados em relação ao jogo anterior”. Como foi possível ver, por todas as novidades anunciadas acima, o jogo tem bastante mais conteúdo, e esta Central de Dados mostra exactamente como é vivido o futebol hoje em dia, em que a análise de dados é essencial para se ter sucesso, e onde todas as equipas são escrupulosamente avaliadas pelos adversários, não existindo segredos. A diferença estará nos jogadores e no modelo táctico que vão conseguir impor para conseguirem ferir os oponentes nos seus pontos mais fracos, e com isso, conseguirem oferecer mais uma vitória aos vossos adeptos.

Football Manager 2022 na verdade conseguiu agarrar-me de uma maneira que não estava à espera, e embora sempre fosse fã da franquia, não me lembro de nos últimos anos ter existido uma versão que me prendesse tantas horas seguidas ao jogo, muitas vezes apenas a olhar para dados estatísticos. É sem dúvida um jogo que todas as épocas vai melhorando, conseguindo oferecer aos jogadores uma ideia bastante realista do que se passa num clube de futebol e no que toca ao trabalho de treinador/manager.