Developer: Playground Games / Turn10 Studios
Plataforma: Xbox Series X|S, Xbox One e PC
Data de Lançamento: 05 de Outubro de 2021

O trabalho da Playground Games nas últimas edições de Forza Horizon tem sido sinónimo de qualidade, inovação tecnológica, de puxar os limites do hardware onde roda e da criação de um jogo icónico da Xbox.

Agora que chega para a nova geração de consolas e PC, e no Dia Um ao Xbox Game Pass, Forza Horizon 5 tem uma prova de fogo ao tentar tornar-se um jogo de referência na nova geração. Será que conseguiu?! O que vamos saber nesta análise feita sobre rodas.

ForzaHorizon5_Launch_Preview

Muito se especulou sobre a nova localização do jogo, e isso também foi a primeira preocupação da Playground Games ao arrancar para mais uma edição. A equipa queria, mais uma vez, um local onde pudesse ter uma grande variedade de alterações climatéricas, mas também, vários tipos de superfície para os nossos bólides se deslocarem.

Por um lado um clima dinâmico, para dar várias condicionantes a todo o tipo de pistas a que vamos ter acesso, com a possibilidade, desta vez, do clima em si, poder alterar-se no decorrer de uma prova. Por outro, a possibilidade de ter zonas de selva, zonas mais áridas, dunas, montanhas, zonas vulcânicas, zonas com neve e gelo na estrada, isto é, tudo o que pudéssemos imaginar e que nos colocasse à prova atrás do volante, mas também para os próprios elevarem a fasquia da concretização deste jogo a patamares que ainda não tinham alcançado.

Comecemos então a olhar para essa componente que acaba por estar intrinsecamente ligada à forma como o jogo em si está melhor dividido em termos de competições, evolução, curva de aprendizagem e missões específicas.

Desde logo, o jogo arranca com essa montra de zonas tão diferenciadas que vamos explorar, assim como os bólides para as percorrer. Ao bom estilo de um “Velocidade Furiosa”, dropamos de um avião com vários bólides para experimentar as várias locais desta recriação da localização desta edição, o México. Desde a selva mais profunda onde teremos segredos milenares para descobrir, os flamingos a voar com a nossa passagem, a névoa criada pela humidade do ar, passando pela zona montanhosa de um vulcão em erupção, com os seus geiseres e as pedras vulcânicas a serem lançadas por todo o lado, terminando nas zonas mais áridas junto às belíssimas praias, muitas vezes escondidas por detrás de uma tempestade de areia. Tudo em Forza Horizon 5 é dinâmico, é fora do comum, é surpreendente. É uma verdadeira aventura.

E aventura não é uma palavra que utilizei ao acaso. O Modo Campanha do jogo tem um formato diferente de Forza Horizon 4. Antes, se bem se recordam, tínhamos uma zona central do Horizon Festival e depois ao completarmos os vários tipos de corridas, íamos desbloqueando eventos especiais que eram o culminar de cada um dos tipos de competição. Se calhar isso fazia-nos percorrer o mapa de um lado para o outro vezes sem conta, a não ser que já tivéssemos o Fast Travel, mas ao mesmo tempo fazia-nos perder o foco nas competições e a razão pelas quais estávamos a competir.

Aqui em Forza Horizon 5 tudo é mais focado, mais identificado, mais acompanhado, como se a campanha agora tivesse efetivamente uma narrativa, uma lógica muito substancial e divertida. Afinal uma aventura, só é uma aventura se podermos partilhar com alguém, e aqui fazemo-la com vários amigos que vamos encontrar pelo caminho, e isso torna o jogo mais humano.

Forza Horizon 5 Adventure Mode

Sendo assim, no Modo Campanha, temos agora o Horizon Adventure. Basicamente temos o Horizon Festival como centro da ação, será também o primeiro a desbloquearem, mas depois temos mais cinco zonas para os vários estilos de competição:

Horizon Festival – Onde tudo começa, o primeiro local onde constituímos parte do festival, dividido em 4 provas

  • O chegar ao próprio festival em si e em grande estilo
  • Uma corrida contra um avião com um twist pelo meio
  • Encontrar e restaurar um clássico, neste caso o mítico Carocha
  • E a prova final, The Goliath, uma verdadeira viagem por todos os recantos do mapa

FH5 Horizon Festival

Horizon Apex – Dedicado ao Road Racing e também à exploração, dividido em 3 provas

  • Uma expedição até Tulum, onde vamos ter que enfrentar uma tempestade massiva e encontrar vestígios de uma antiga civilização
  • A chamada Lucha de Carreteras, onde vamos ter que ganhar a bênção do El Campéon
  • E a prova final, The Colossus, a epítome das corridas de estrada e exploração

FH 5 Apex

Horizon Wilds – Dedicado ao Dirt Racing, isto é, às corridas por pistas menos convencionais, dividido em 4 provas

  • Uma expedição à procura de um “gato enorme” no meio da selva
  • O seguir as pegadas de um antigo e intrépido explorador
  • Vencer uma corrida contra uma equipa de pilotos de motas de água
  • E a prova final, The Gauntlet, o pináculo das corridas por caminhos menos convencionais

FH5 Wilds

Horizon Baja – Dedicado às corridas de Cross- Country, dividido também em 4 provas

  • Uma expedição até a um vulcão em erupção
  • Uma luta titânica contra um verdadeiro peso pesado
  • O transformarmo-nos num verdadeiro Stunt Driver
  • E a prova final, The Titan, onde vamos literalmente lutar para sobreviver e chegar ao fim

FH5 Baja

Horizon Rush – Dedicado às chamadas PR Stunts, ou se preferirem a manobras de promoção, onde teremos 3 provas

  • A expedição que nos vai levar até à celebração da noite da Lua cheia num carro alegórico
  • Uma corrida contra um comboio
  • E a prova final, The Juggernaut, uma corrida épica contra tudo e contra todos

FH5 Rush

Horizon Street Scene – Dedicado às corridas de rua, com 3 provas para superarmos

  • A expedição por Guanajuato para conhecermos o movimento das corridas de rua
  • Uma corrida contra os melhores dos melhores das corridas ilegais de rua
  • E a prova final, The Marathon, uma corrida de rua como nunca ninguém viu

FH5 Street Scene

Ora bem, como podem ter reparado, é preciso desbloquear cada um dos eventos em cada um dos vários tipos de festival. Para o fazermos precisamos de pontos de “Accolades“, isto é, precisamos de ir cumprindo vários objetivos para ganhar pontos que se traduzam em podermos desbloquear mais uma aventura. Deixem-me dizer-vos que podem escolher a aventura que querem seguir, por exemplo, podem escolher primeiro fazer todas as provas do Horizon Festival, e depois fazer uma do Baja, e uma do Wilds e por aí. Isto faz com que possam definir à vossa vontade como abordam o jogo, dá-nos essa liberdade que acho importante ter.

Os pontos de accolade, para que percebam a dinâmica, não são conquistados apenas e só por vencer corridas. Há muitas formas de conquistar pontos num quadro muito bem estruturado para acompanharem o vosso registo. Ao todo são 1876, mas não fiquem apavorados com a quantidade, porque muitos deles são fáceis de conquistar. Os accolades estão divididos por:

  • A descoberta de locais do mapa e a participação em eventos introdutórios
  • Participação nas Expedições e os seus objetivos específicos
  • Demonstração de skills
  • A descoberta de locais específicos perto de cada Outpost de cada Festival
  • A participação e conclusão dos capítulos das missões de história
  • Completar cada uma das corridas, dos vários estilos disponíveis
  • Completar os objetivos dos testes de velocidade, dos saltos, e dos drifts
  • A descoberta dos placares de pontos de experiência e de Fast Travel
  • Da utilização do hub creativo, quer seja a pintar carros, do tunning, das fotos ou da criação de competições online
  • E por fim da componente online do jogo e das suas variantes.

O mais interessante neste sistema de accolades, é que para além de ser muito mais fácil de acompanhar o nosso progresso, devido a este quadro que nos é apresentado no menu do jogo, é que o completar determinados objetivos também nos vai dando presentes, sejam eles carros, roupa, acessórios ou frases para usar no Forza Link.

Também me parece muito competente a fórmula “pescadinha de rabo na boca” deste sistema, visto que, conforme vamos adquirindo pontos para desbloquear novas aventuras, vamos desbloqueando novos tipos de corridas, ou novas missões de história, ou novas zonas para testarmos as nossas skills, o que nos leva a ter mais oportunidades de completarmos mais objetivos dos accolades e, por isso, ganhar mais pontos para desbloquearmos novas aventuras. É um sistema que resulta muito bem, mantêm-nos mais ligados e focados nos objetivos e no jogo, e torna-o mais dinâmico.

FH5 car collection

O mesmo acontece noutro parâmetro que nesta edição foi reformulado, o colecionismo de carros. Agora temos uma espécie de caderneta onde vamos colocando os autocolantes dos carros que vamos comprando ou desbloqueando, sendo que, também aqui podemos ganhar prémios e bónus. Desta vez, sempre que completarmos um set de um fabricante de automóveis, ganhamos qualquer coisa, que pode ser créditos, pontos de experiência ou até wheelspins. É uma maneira mais divertida, e mais recompensadora do que antes, para além de agora ser mais fácil de ver quais os carros que faltam na nossa coleção, podendo até, selecionar desde logo os que faltam para tentarmos comprar no autoshow ou nos leilões, e se tal não for possível, o jogo dá-nos a indicação que só o podemos conseguir completando determinadas provas ou desafios.

FH5 car collector bonus

Ainda entre as principais novidades, está também a possibilidade de personalizar a nossa personagem. Desta vez e diferentemente de Forza Horizon 4, teremos bastantes mais opções, desde o estilo e cor do cabelo, mais opções cosméticas, até podemos usar próteses, e ainda a escolha do pronome que quisermos usar. Uma clara alusão à inclusão, e um excelente exemplo para a comunidade gaming, como os developers estão atentos também às questões socioculturais.

Talvez para finalizar este capítulo das principais novidades e alterações na série Forza Horizon, destacar o Event Lab, onde podemos criar as nossas próprias corridas personalizadas, desafios, acrobacias e modos de jogo inteiramente novos. Ainda não existe muita gente a criar, mas é normal, o jogo ainda não saiu para o grande público, mas é uma ideia que pode vir dar frutos nos próximos tempos.

O jogo entra numa nova geração de consolas e o que muita gente pergunta é: como é que o Forza Horizon 5 está em termos gráficos? Pois bem, nós testámos o jogo na Xbox Series X e rodámos o jogo no Modo Gráfico, e posso dizer que não podia estar mas surpreendido.

FH5 toyota supra engineAliás, o meu medo nesta análise e que passe grande parte do tempo só a falar disto. A verdade é que em primeiro lugar tenho que falar dos carros. A composição dos carros, a sua estrutura, fisionomia e texturas estão incríveis e aqui temos que repartir os louvores entre a Turn10 que desenvolve Forza Motorsport e a Playgroung Games que desenvolve o Forza Horizon, porque partilham os modelos de muitos dos seus carros. Neste caso Forza Horizon beneficia largamente do trabalho já feito em Forza Motorsport 7 com inúmeros carros a serem transportados dessa biblioteca, assim como os de Forza Horizon 4, mas também temos uma boa quantidade de bólides para esta edição, o que perfaz em cerca de 500 carros para usarmos e babarmos.

Apesar desta parceria, o trabalho de iluminação, reflexos, texturas e detalhe, estão muito acima da média de tudo o que já vimos num jogo deste género. Desde os reflexos na pintura do carro, ao efeito dos vários materiais que o compõem, as texturas dos discos de travão, ou de componentes em liga de carbono, tudo é impressionante. Especialmente se estivermos no Modo de Foto ou no Forzavista onde é ativado o Ray Tracing, podemos até ver os reflexos de todos os espaços ao redor do carro, mas também a jogar, podemos facilmente ver os reflexos nos vidros do carro, por exemplo, no jipe Ford Bronco, na janela de trás, facilmente conseguem ver o reflexo do ambiente, e não me lembro de nenhum jogo que fizesse tal coisa.

FH5 toyota supra wheel

Mas se o trabalho gráfico com os carros está incrível, o que dizer do ambiente que o rodeia?! Bem, nunca um Forza Horizon foi tão ousado como este, com 11 biomas distintos, desde desertos vivos a selvas exuberantes, passando por cidades históricas fielmente representadas, ou até antigas civilizações, com a cultura como pano de fundo, mas também com destaque para o cuidado e o detalhe que a Playground Games trouxe para a sua recriação do México dos dias de hoje.

A forma como cada elemento foi trabalhado é impressionante. Basta olhar para as estradas, por exemplo, onde antes o blur destorcia a perceção da sua composição, mas agora conseguimos ver claramente todos os seus efeitos. Se pararmos o nosso carro e entrarmos no Modo de Foto podemos ver que a estrada agora tem profundidade, textura, e o efeito de quando está molhada, com apenas algumas poças, ou húmida, é notório. O mesmo acontece com a lama, ou com a areia, sentimos uma maior imersão por cada local por onde passamos, porque é muito mais real e “palpável”. E se olhamos para o “chão” do jogo e notamos claras diferenças, olhamos para o céu e notamos o mesmo, com a equipa que desenvolveu o jogo a ter capturado o céu em 12K em time lapse para que fosse ultra real. Tal como acontece com as mudanças climatéricas dinâmicas, sentimos efetivamente o tempo a passar, mas também a mudança do tempo em várias zonas do jogo, e em determinados momentos levados mesmo ao extremo.

O trabalho dos developers é de realçar nesta capítulo. Não só na beleza do jogo em si, mas na capacidade do mesmo rodar em várias plataformas de uma forma tão estável, quão competente. É fácil ver o relatório da Digital Foundry sobre a qualidade gráfica e a sua estabilidade, e vermos que tanto na Xbox Series S como na Xbox Series X, o jogo faz exatamente aquilo a que se propõe, isto é, em termos de Frame Rate, manter os 30FPS no Modo de Qualidade nas duas consolas, como manter os 60FPS no Modo de Performance. A diferença será de uma para a outra, obviamente na resolução, com a  Xbox Series X a chegar aos 3840 x 2160, 4K nativo, enquanto que na Xbox Series S estamos a falar de 1920 x 1080. Aliás devo dizer, que como esta edição do Forza Horizon é ainda uma versão cross-gen, a resolução na Xbox One X, Xbox One S e Xbox One, são bastante interessantes, com 30FPS sempre sólidos, o que é de realçar.

PlataformaResolução MáximaMáximo FramerateHDRRaytracing (ForzaVista apenas)Notas
Xbox Series X (Modo Gráfico)3840 x 216030SimSim
Xbox Series X (Modo Performance)*3840 x 2160SimNão*Configurações gráficas adicionais ajustadas para manter o frame
Xbox Series S​ (Modo Gráfico)1920 x 108030SimSimXbox Series S vai correr a1440p de resolução no lançamento, a 9 de novembro.
Xbox Series S (Modo Performance)*1920 x 1080SimNão*Configurações gráficas adicionais ajustadas para manter o frame alvo
Xbox One X3840 x 216030SimNão
Xbox One S1920 x 108030SimNão
Xbox One​1920 x 108030NãoNão
Windows​ 10 e 11IlimitadoIlimitadoSimSim

Em termos de Jogabilidade, sentimos uma condução um pouco mais pesada, com o sistema de física dos automóveis a ter sido trabalhado nas componentes de travagem, manobrabilidade e aderência ao piso, para que seja mais real, mas também mais físico para o jogador, dando-lhe a sensação de força que exige o controlo do carro, ou de como nos pode facilmente fugir das mãos a altas velocidades. De resto, o jogo segue os patamares já atingidos anteriormente, onde podemos ajustar o nível de uma condução mais arcade até ao de uma condução mais de simulação.

ForzaHorizon5_Launch_Preview

Continuamos a ter uma série de rádios para ouvir vários tipos de música, com uma crescente presença dos Dj’s de cada uma a dar dicas no decorrer do jogo, ou até a passar uma música específica para ativar uma bónus de pontos de habilidades que fazemos com o nosso bólide enquanto está a tocar essa música. Houve também um maior cuidado no ajuste do lip sync de todas as personagens, já para não falar da captação, mais uma vez exímia de todos os “roncos” dos nossos carros.

Em termos sociais, continuamos a ter a possibilidade de nos juntarmos aos nossos amigos para desfrutar do jogo em companhia ou em eventos específicos de equipas, mas agora temos também a possibilidade de oferecer bólides. Sim, é isso mesmo, agora podemos oferecer carros para os nossos amigos ou até completos desconhecidos, para isso basta aceder ao menu, ou num deixar num celeiro onde encontramos os tais tesourinhos automóveis que tanto adoramos. Os nossos amigos ou totais desconhecidos podem também deixar um like, ou como o jogo indica, Kudos. Temos ainda eventos específicos mais competitivos ou mais casuais, desde o tradicional Eliminator, passando pelo Super 7, ou pelo novo Arcade, este último com pequenos desafios dentro de uma zona, numa espécie de mini-jogos divertidos para jogar com amigos ou desconhecidos.

Para finalizar, temos ainda o regresso das Seasons ou Épocas, se preferirem, isto é, as tradicionais estações do ano que já tinham sido introduzidas no Forza Horizon 4. Temos as 4 estações do ano, onde em cada um temos uma série de desafios e recompensas, para além da diferença climatérica adjacente a cada uma delas.

FH5 seasons

Forza Horizon 5 é um marco para a Playground Games, e um marco para a Xbox. Os developers do jogo conseguiram, mais uma vez, provar que conseguem elevar a fasquia a cada nova iteração do jogo, demonstrando como é possível tirar proveito da nova geração de consolas, sem deixar a restante “família” órfã.

Paga-nos o café hoje!

Graficamente é um portento como referimos, o melhor entre qualquer ouro jogo do género e a equipa que o desenvolveu não se focou apenas nisso para provar que seria capaz de inovar, mas sim pegar numa ideia já sedimentada de jogo e redesenhar a forma como o jogo se desenvolve para ser mais apelativo, dinâmico, desafiante e interessante. A Playground Games respondeu a todos os desafios da comunidade, às exigências de uma nova geração de consolas, e deu-nos uma verdadeira obra-prima que fará para sempre parte da história Xbox.