Developer: Splash Damage e The Coalition
Plataforma: PC
Data de Lançamento: 28 de Fevereiro de 2020

Tinha eu os meus 13 anos quando me iniciei nos jogos de estratégia tácticos por turnos (TBS), e comecei logo em grande, com Syndicate Wars, um jogo que foi desenvolvido pela Bullfrog Productions e lançado pela Electronic Arts. Desde essa altura que esse tipo de jogos me atrai, e como podem imaginar, quando Gears Tactics foi anunciado, chamou-me logo a atenção, até porque sabemos bem da qualidade dos jogos desenvolvidos pela The Coalition.

Gears Tactics passa-se antes de todos os Gears of War, mais propriamente 12 anos antes dos eventos do primeiro jogo, logo, mesmo que nunca tenham jogado o shooter da Microsoft, não terão qualquer problema. O protagonista é Gabriel “Gabe” Diaz, que irá liderar um esquadrão de Gears que será construído por ele ao longo desta caminhada. O objectivo será derrotar as forças de Ukkon, um Locust com diversos poderes e com um exército gigantesco. Para aqueles que conhecem bem a história de Gears of War, ficam já a saber que Gabe Diaz é o pai de Kait Diaz a protagonista de Gears 5.

O jogo começa a mostrar um planeta Terra em paz e felicidade, até que um ataque Locust acontece, fazendo o planeta ficar devastado. O President Prescot decide então fazer um ataque massivo com o Martelo de Aurora, uma arma de destruição massiva, disparada por um satélite. Acontece que este ataque eliminou tanto Locust como humanos, e depois deste ataque cabe aos esquadrões de Gears eliminar os Locust que sobreviveram. Esta é a história inicial do jogo, que irá tendo diversas mudanças e novidades – algo que não vou contar para não vos estragar a experiência.

O jogo apresenta diversas missões que estão divididas por diversos capítulos, sendo que para fechar cada capitulo, somos brindados por um enorme boss na missão final. Não existem muitos jogos que nos apresentem este tipo de presentes, isto é, é muito raro os TBS terem bosses gigantes, e na verdade é uma introdução enorme e muito bem vinda.

É verdade que seria difícil imaginar algum Gears sem termos este tipo de interacção com os diversos seres gigantescos que surgem habitualmente na sua versão shooter, e nesse sentido, a equipa de desenvolvimento teve de arranjar maneira de adicionar estes seres num TBS; e posso dizer que conseguiu com um enorme sucesso, já que essas missões onde temos de combater estas criaturas são incríveis.

As outras missões são divididas por dois tipos: as principais e as opcionais. As principais são obrigatórias e pertencem à história principal, já as opcionais, diversas vezes obrigam-nos a escolher entre duas, e podem ser por exemplo para tentarmos resgatar alguns Gears que depois podemos recrutar para o nosso esquadrão. Na maioria das missões existem os objectivos principais, mas também objectivos opcionais, que se os conseguirem concluir recebem recompensas.

Falando dos esquadrões podemos dizer que existem dois tipos de unidades: aqueles que são os Heróis (como é o caso de Gabe Diaz); e as tropas que são os soldados que vamos resgatando. Além dessa diferença entre personagens, existem também as classes, onde cada uma tem a sua especialização e as suas próprias skils. Como é normal neste tipo de jogos, temos classes de suporte, ataque e os tanques, sendo Gabe Diaz uma classe de suporte, já que é um médico e pode ajudar a curar unidades. Mas temos também snipers, batedores, pesos pesados, soldados de assalto, entre muitos outros.

A verdade é que ter uma diversidade de classes e de unidades permite-nos escolher os que melhor se adequam a determinado tipo de missões. Na maioria das missões podem escolher quatro unidades, mas em algumas existem restrições de apenas uma ou duas unidades. Em algumas missões é obrigatório levar determinados personagens, já noutras não é permitido levar alguns dos personagens.

A componente táctica está extremamente bem feita. Cada personagem pode fazer três movimentos (embora possa custar mais do que um movimento se a distância for grande), assim como disparar, recarregar a arma, usar uma skill, entre outras coisas. Estes movimentos, por vezes, podem aumentar, ou por uso de uma skill, ou por um equipamento que adiciona um movimento.

A componente estratégica está incrível, e como é normal nos TBS, no nosso turno podemos movimentar e fazer acções com os nossos personagens e depois o adversário pode movimentar os dele. É importante termos em atenção tanto a parte atacante como a defensiva, e nesse aspecto o jogo está incrível, já que se apostarem tudo no ataque provavelmente não vão superar a maioria das missões, mas se só pensarem em defender em muitas missões não conseguem superá-las já que há um número máximo de turnos.

Todas as unidades que vão para o terreno ganham experiência (XP), e esse XP serve para subirem de nível e com isso melhorarem os seus stats. Além dos melhoramentos por subirem de nível ainda, também possível fazê-lo a partir de equipamento, e esse equipamento pode ser adquirido através de caixas de loot, que são ganhas ao concluir missões, concluir objectivos opcionais das missões, e também recolhendo essas mesmas caixas em diversos locais espalhados nos mapas das missões. Mas descansem, estas caixas de loot só podem ser apanhadas nas missões, não existem micro-transacções nem nada do género no jogo.

Os equipamentos alteram a saúde dos personagens, assim como a sua movimentação, perícia, alcance da arma, dano, munição, dano critico, entre outras coisas. Mas também pode oferecer algumas skills passivas, como por exemplo: se não se movimentarem durante um turno, no próximo turno ganham mais um de movimento. E já que falamos de skills, não podemos esquecer a árvore de skils que todos os personagens têm. Para desbloquearem as skills dessas árvores precisam de pontos de perícia que são ganhos ao subirem de nível. Podem aprender tanto skills activas como passivas, e acreditem que faz toda a diferença no jogo irem desbloqueando e melhorando os vossos personagens.

Além de todas essas alterações incríveis de equipamento, que modificam na maioria das vezes o aspecto de personagem (já que se colocarem um capacete este irá aparecer),  ainda existem personalizações que vão alterando os stats dos personagens e alteram o seu visual, por exemplo alterando as camisolas, o penteado, a barba, cor do cabelo, tatuagens, entre muitas outras coisas. Estas alterações só acontecem em soldados normais, dado que os heróis apenas podem alterar a camisola.

Graficamente o jogo está impecável, e podia dizer isto por ter jogado com as opções gráficas todas no máximo, mas também o testei com as opções gráficas mais reduzidas e posso dizer-vos que mesmo assim o jogo apresenta-se excelente para quem não tem uma placa gráfica de topo. As texturas estão incríveis, o ambiente é todo ele de Gears of War e os Locust, assim como os Gears, estão excelentes. Mas não posso deixar de deixar uma palavra para as cutscenes, já que são de ficarmos a “babar” enquanto estamos a olhar para elas; graficamente soberbas e dignas de um filme. Na componente gráfica, Gears Tactics está simplesmente soberbo.

Chegando à parte sonora posso dizer que tudo está muito bem trabalhado. As músicas estão adequadas ao jogo; os sons das armas, os grunhidos dos Locust e todos os diálogos estão excelentes. Lembrar ainda que o jogo além do Inglês, também se encontra dobrado noutras linguagens, entre elas o Português do Brasil.

Gears Tactics é um dos melhores TBS que joguei nos últimos anos, os mais novatos (provavelmente mesmo na dificuldade mais simples) vão encontrar um bom desafio, mas que também os ajudará a melhorarem e mais tarde tentarem outras dificuldades. Já os veteranos nestas andanças, acreditem que vão ter um bom desafio pela frente. Os jogadores do PC têm aqui um jogo incrível, e que ficará na memória daqueles que o jogarem.