Developer: Saber Interactive
Plataforma: Xbox One, PlayStation 4, Nintendo Switch, PC
Data de Lançamento: 4 de outubro de 2019

Já se passaram dez anos desde o lançamento de Ghostbusters: The Video Game, e apesar de um reboot feminino no cinema o verdadeiro Ghostbusters 3 nunca cehgou a ver a luz do dia. Será que este remaster acaba por trazer esse sentimento de volta?!

Na verdade é o melhor que temos e até o que faz mais sentido, visto que aqui assumimos o papel de um novo recruta que se junta ao gangue original, por mais que ser colocado no papel de aprendiz seja um artifício comum para que o jogador aprenda gradualmente sobre as mecânicas do jogo, aqui em Ghostbusters além de ser interessante faz todo sentido. Até podia ser interessante jogar com Winston, Peter, Egon ou Raymond, mas como fã dos filmes prefiro muito mais ser o novato mudo e acompanhar os veteranos a mandarem bocas uma atrás da outra do que controlar um deles.

A maioria dos atores dos dois filmes voltam aqui ao jogo para dobrar as suas personagens, além dos quatro principais temos a voz de William Atherton retomando o papel do chato inspetor Walter Peck, Annie Pots como a secretária Janine e Vigo o Conquistador, dobrado pela lenda Max Von Sydow. Os guinoistas do filme participaram também na concepção deste jogo, com Harold Ramis e Dan Aykroyd a tornar tudo muito fiel aos filmes e ao humor e atmosfera passados na grande tela, incluindo várias referências e locais como o Hotel Sedgewick, além de fantasmas já conhecidos como Slimer e o Marshmallow Man.

Ghostbusters: The Video Game Remastered foi desenvolvido como third person shooter, com clara influência de Gears of War e de Dead Space na questão do interface, com a vida e status da temperatura da arma a serem mostradas na nossa mochila de protões. Para capturar os fantasmas temos de utilizar o laser dessa Mochila e ao progredir novos modos de tiro experimentais vão sendo acrescentados por Egon. Esses modos simulam os diferentes tipos de armas dos jogos convencionais, como o Amplificador de Fluxos Stasis que é basicamente uma caçadeira ou o Intensificador de Pulso de Sobrecarga que seria o equivalente a uma metralhadora. Outro item fundamental e que vai ser usado muito durante a campanha é o Medidor PKE, que é usado para detectar a direção dos eventos paranormais e onde fantasmas e artefatos estão escondidos, além de estudar os diferentes tipos de aparições e suas fraquezas. A missão, essa só falhará se todos os jogadores estiverem mortos ao mesmo tempo, já que neste jogo podemos reviver ou sermos revividos pelos nossos companheiros. O problema é que eles não são muito espertos, a atacar até sim, mas não se defendem e fartam-se de morrer, complicando por vezes mais do que ajudam, isto é, a Inteligência Artificial do jogo ficou parada na década passada.

A campanha multiplayer presente nas versões de Playstation 3 e Xbox 360 não está inlcuida neste remaster, o que deixa o jogo menos interessante para alguns, mas que deve agradar a outros, principalmente os caçadores de troféus que não gostam muito dos troféus online.

O trabalho gráfico da Saber Interactive para este remaster está bastante aceitável, curiosamente melhor na jogabilidade e gráficos onde controlamos o nosso jogador, do que propriamente nas cutscnes, onde aí sentimos que foi apenas um port para esta geração de consolas, no entanto este Ghostbusters The Video Game Remastered, deixa aquele sentimento de que poderia ser um grande jogo agora em 2019 se fosse refeito em vez de remasterizado, mas isso sou eu que ainda estou à espera de uma continuação da saga dos Ghostbusters no cinema.