Developer: Lazy Bear Games
Plataforma: Nintendo Switch, PlayStation 4
Data de Lançamento: 27 de Junho de 2019

Quando no ano passado, Graveyard Keeper, desenvolvido pela Lazy Bear Games e lançado pela TinyBuild Games chegou ao mercado para PC e Xbox One, fiquei logo com a impressão que seria uma entrada quase que inevitável na Nintendo Switch. Felizmente, isso veio a comprovar-se, e digo isto porque é o típico jogo que estamos sempre prontos para jogar um pouco e algo que se torna possível com a consola da Nintendo, visto que nos tempos livres basta tirarmos a consola do “bolso” e voilá.

A história de Graveyard Keeper é do mais hilariante que podemos encontrar no mercado, até porque ninguém nos preparou para algo deste género. O nosso personagem está no mundo actual, feliz da vida por ir ter com o amor da sua vida, e no caminho para casa é atropelado. Obviamente que na altura não percebemos o que se está a passar, nem o que é que isto tem a ver com um jogo como Graveyard Keeper, mas a verdade é que logo a seguir temos o nosso personagem no tempo medieval, onde tudo parece estranho, e dizem-lhe que ele será o novo coveiro da região.

Sem perceber o que se passa, e bastante assustado, o protagonista apenas deseja voltar para casa e para a sua mulher; ao que lhe dizem que se fizer um bom trabalho tudo se irá arranjar. Algo que parece sempre muito estranho, para dizer a verdade. A nossa primeira tarefa será (nada mais nada menos) que desenterrar Gerry, que irá dar-nos todas as informações que precisamos para desempenhar minimamente o nosso ofício. Para surpresa de todos, quando começamos a desenterrar deparamo-nos com uma caveira voadora que salta da campa. É aí que nos apercebemos que aquela caveira é Gerry e será ele a guiar-nos no início desta bizarra aventura.

Além de um RPG, é um jogo virado para a gestão, onde o nosso coveiro não é nada mais, nada menos, que um faz-tudo. Nesse sentido, ao longo do jogo vamos ter de falar com diversos personagens que nos fazem os mais variados pedidos, desde termos de apanhar recursos para construção de equipamento, itens, fazer negócios com outros personagens, melhorar e decorar o nosso cemitério e obviamente fazer o trabalho de coveiro.

Basicamente, Graveyard Keeper deixa-nos a possibilidade de podermos ser livres para fazer o que quisermos. As opções comerciais servem para obtermos dinheiro e com isso também podermos adquirir itens e até receitas culinárias. Conforme vamos progredindo no jogo também vamos tendo a liberdade de aumentar as nossas habilidades. Um bom exemplo é o de podermos melhorar a nossa habilidade culinária no que toca ao que conseguimos tirar dos corpos que vamos sepultar (sim podemos tirar diversas coisas dos corpos para vender ou utilizar mais tarde, como por exemplo carne bem suculenta!). Além disso, a nossa habilidade de construção também é aumentada, tudo isto numa árvore de habilidades que vamos desbloqueando aos poucos (e acreditem que esta é bastante grande).

Obviamente que ligada a esta liberdade está a história principal do jogo e também as várias quests secundárias, que serão essenciais se quiserem ver o personagem subir rapidamente o seu nível, visto que muitas vezes são mais rápidas de completar.

Algo que não é possível passar despercebido são os diálogos entre os personagens, todos eles extremamente sarcásticos e cheios de um incrível e magnifico humor negro. É possivelmente nesta junção de tempo medieval onde o nosso personagem pertence ao tempo actual, misturado com todos estes diálogos que faz este jogo ser tão especial. Acreditem que se o começarem a jogar vão perceber o porquê de passarmos tanto tempo agarrados a ele.

Graficamente o jogo está interessante para os jogos que entram dentro da categoria de pixel art. Apresenta alguns detalhes engraçados, notando-se que existiu bastante brio na sua criação. Quanto à música, é bastante calma e enquadra-se bem no jogo em questão. Na Nintendo Switch o jogo porta-se lindamente e não se nota diferença em relação às outras plataformas, sendo que a oportunidade de nos oferecer portabilidade é uma mais-valia para os jogadores, em relação às outras plataformas.

Graveyard Keeper não sendo um jogo novo, poderá ser uma excelente novidade para os jogadores da Nintendo Switch, e quem decidir jogá-lo provavelmente não se arrependerá, com várias horas de jogo pela frente. Atrevo-me a dizer que os fãs de Stardew Valley terão aqui um bom “competidor”, ou um novo “brinquedo”. Como alguém disse aqui no Salão de Jogos “É um clássico instantâneo, diferente de tudo o que conhecemos, e adorável à sua maneira.”.