Developer: Milestone
Plataforma: PlayStation 5, PlayStation 4, Xbox One, Xbox Series, Nintendo Switch e PC
Data de Lançamento: 30 de Setembro de 2021

Quem nunca brincou com carrinhos?! Diria que é quase tão básico e fundamental na vida como aprender a andar. Seja rapaz ou rapariga, pequeno ou graúdo, toda a gente gosta de carrinhos por alguma razão. Eu quando era pequeno gostava de mandar os pequenos carrinhos de metal à cabeça dos meus primos, por exemplo, e ainda hoje os meus primos contam essa história a toda a gente para me envergonhar, mas a verdade é que passávamos serões a criar pistas e a imaginar circuitos.

É esse espírito que o jogo captura de uma forma brilhante, o construir rampas com livros, o imaginar curvas por entre as pernas de uma mesa ou de uma cadeira, traçados de um pista com cassetes VHS, pórticos de papel, tudo o que conseguíssemos imaginar e recriar com o que estivesse à mão. É claro que muita coisa foi inventada desde então, com as pistas de plástico a serem mais comportáveis, mecanismos para fazer disparar os nossos carrinhos, pistas com loops alucinantes, e até dinossauros que podem comer os nossos bólides metálicos, mas a filosofia é a mesma.

No entanto passar esta filosofia e este sentimento físico de atirarmos os carros pelas pistas e obstáculos nunca é fácil para transpor para um videojogo. A ideia em si, de ter carros em corridas por entre obstáculos, com loops a desafiar as leis da gravidade, ou circundar espaços da nossa casa, pode parecer relativamente simples, mas tornar isso credível nem tanto. Fazer um jogo de corridas é quase tão antigo como os carrinhos metálicos, é fácil recordar clássicos como o Out Run onde a pista é que se mexia e não carro em si, apenas com movimentos deslizantes para a esquerda ou para a direita, mas agora a exigência é muito maior, as possibilidades também, mas mantê-lo pertinente e inovador, isso sim é que é a tarefa mais complicada de tudo.

O que Hot Wheels Unleashed consegue fazer, é tudo isto, e de forma surpreendente. A recriação dos carrinhos metálicos desta franquia da Mattel, é exímia, com pormenores inacreditáveis que vão desde os materiais dos próprios bólides, com a sua carcaça de metal, mas com os pormenores das texturas de plástico, da borracha dos pneus, dos vários tipos de pintura, dos acabamentos brilhantes ou em mate, pelos efeitos translúcidos de alguns carros, e ainda através de pormenores deliciosos, como o caso de vermos debaixo do nosso bólide a inscrição do nome de cada um, a data de edição e de que pacote se refere. Outro é o desgaste que os carrinhos vão apresentando, como se fossem palpáveis, com marcas de andar a bater em coisas, o desgaste na pintura, até uma certa ferrugem por vezes, e ainda as impressões digitais, como se alguém efetivamente pegasse neles, são pormenores deliciosos.

Nós tivemos a oportunidade de jogar em PS5, e a qualidade gráfica do jogo é estonteante, mas é utilizada da melhor forma possível, com a recriação dos nossos carrinhos metálicos a um tal ponto de perfeição que podemos quase os sentir nas nossas mãos. Para isso ajudou muito não só a capacidade técnica da consola, obviamente, mas a qualidade da execução da equipa da Milestone através do Unreal Engine e a decisão executiva de recriar a escala dos carros de uma forma autêntica. É a escala real com que nos vamos deparar, portanto tudo passa a ser mais credível a partir desse momento, perante a dimensão dos carros perante todo o ambiente em que move, desde as áreas em si, uma cozinha, uma sala de estar, um salão de bilhar, um skate park, por aí fora, mas também em relação à pista e especialmente quando estamos fora dela e nos deparamos com caixas de pizza, uma lata, uma almofada de sofá, em que temos a perceção real da escala, e que é a escala autêntica.

Sendo os carrinhos metálicos da Hot Wheels o centro das atenções e da ação, é curioso ver como a Milestone para fazer os bólides brilhar enquadrou esta questão da proporção, da escala, com a dinâmica dos espaços e dos ambientes em que as pistas desenrolam-se. Os cenários não estão para preencher o espaço, mas sim para albergar as pistas e dar a perspetiva de estarmos efetivamente a brincar com os carrinhos nas pistas. Apesar de não vermos mãos humanas ou algo do género, é difícil não ter aquele sentimento de Toy Story onde nos sentimos imersos neste pequeno grande mundo.

O que ajuda nessa recriação, é o sentido de autenticidade que vemos nos cenários, onde todos os elementos são credíveis, reconhecíveis e relacionáveis. Por isso mesmo, no menu do jogo temos acesso ao chamado Porão, uma das zonas ou cenários do jogo, que no fundo é recriação do nosso próprio espaço. Temos uma sala de estar, uma espécie de zona de lounge com uma mesa de bilhar e jogos arcade, uma cozinha, um escritório, onde podemos customizar o espaço de muitas maneiras e feitios. Desde o papel de parede, passando pelo móveis da sala, o sofá, as prateleiras, o nosso computador, as estantes, e aquilo que fica nessas estantes, seja colecionáveis, imagens, recordações, enfim, podemos tornar aquele espaço como se fosse nosso, com um conjunto de recordações e memorabilia em relação ao jogo. Este customizar não serve apenas para encher chouriços, porque podemos jogar neste mesmo espaço customizado em muitas das aventuras e pistas do jogo.

Os efeitos de iluminação são os melhores que já vi até à data, e não estou a exagerar, os reflexos nas superfícies das pistas dos neons, da luz do sol, ou dos efeitos dos carros está incrível, especialmente tendo em conta que é um jogo de alta velocidade, a fluidez gráfica do jogo acompanha cada detalhe. Na PlayStation 5 o jogo salta à vista pelo seu ar colorido e detalhado, rodando a 4K a 60 frames por segundo sem engasgos.

Já fartei-me de destacar esta recriação tão difícil e tao bem conseguida, vamos lá ao jogo em si e o que dispõe ao jogador. Ora bem estamos a falar de um Modo Campanha, o chamado Hot Wheels City Rumble que já explicamos mais à frente em detalhe, depois temos ainda o Modo Multijogador onde podemos fazer uma Partida Rápida ou Criar um Lobby, também a opção de fazer uma Corrida Rápida contra o Computador ou através de Tela Dividida com um amigo em formato Local, o Time Attack, tentando alcançar o melhor tempo possível; e por fim o Editor de Visuais dos nossos carrinhos e ainda o Editor de Pistas, onde podemos criar as nossas próprias pistas para o jogo.

O Hot Wheels City Rumble será o modo de jogo onde vão talvez despender mais horas, e vão levar cerca de 15 a 20 horas para o terminarem de fio a pavio, incluindo os segredos que podemos desvendar. O jogo apresenta um mapa em que vamos desbloqueando cada novo ponto e caminho ao completarmos os objetivos de cada pista. Os objetivos podem ser os mais básicos como ficar no pódio, vencer a corrida em si, ou completar o percurso num tempo inferior ao apresentado. Pelo meio existem alguns segredos que vamos ter que desvendar para dar acesso a novas zonas, geralmente basta estar atento para perceber que é geralmente uma conjuntura entre um veículo específico e uma corrida, portanto olhem bem para os nomes das corridas, e para o nome dos veículos que têm.

Existem no total cinco áreas no jogo onde cada uma conta com cerca de 7 variações de pistas. Elas podem ter voltas de 40 segundos até quase 3 minutos e cada uma tem um estilo e desafio próprio. Além da pista com voltas normais com 3 voltas por completar, também existem as pistas de corrida de sprint, onde basicamente fazemos um percurso do início ao fim e quem chegar primeiro ganha. As de Time Attack, são isso mesmo, tentar completar a pista no menor tempo possível. Há ainda 5 pistas de Bosses, e como tal, o desafio é bastante maior, não só pela complexidade da pista em si, com alterações da gravidade ou faixas de aceleração que mudam para faixas de travagem, mas também pela presença desses mesmos Bosses animalescos, como por exemplo, uma Aranha que manda teias e nos colam à pista durante alguns segundos, um Yeti que mete gelo na pista para nos despistarmos, ou um Escorpião que lança veneno para perdermos o acesso ao nosso Turbo. No entanto nem tudo é só para complicar, as pistas também têm ajudas, como faixas de aceleração, zonas que ativam o turbo instantaneamente, ou que nos ajudam a carregar mais rápido o mesmo turbo.

Falemos então desta jogabilidade. Primeiro ter em conta que não é um simulador, e a Milestone tem feito um trabalho muito interessante nesse capítulo, mas ficámos a saber que a Milestone também sabe fazer um jogo perfeitamente arcade. Estamos a falar de uma jogabilidade mais perto de um Mario Kart, onde o Drift serve precisamente para fazer as curvas a alta velocidade e encher a nossa barra de Boost, e onde os toques no adversário e as porradas que damos nas paredes da pista não provocam danos nos carros, só os desaceleram. Porém, e por serem carrinhos metálicos, é mais do que normal que com alguns “toques”, muitos deles voem pista fora, ou que seja difícil os manter na pista, especialmente quando estamos em troços sem as barreiras físicas do contorno da pista. Por isso é que também é tão desafiante, porque não interessa só guiar bem, interessa ter em conta essa imprevisibilidade em que podemos levar um toque e ir pelos ares e ter que carregar no botão de reset do nosso carrinho, como podemos também mandar adversários pelo ar seguindo a mesma teoria.

O desafio é crescente, e depois de ultrapassar a primeira metade do mapa da campanha, eu diria que os mais novos vão ter uma certa dificuldade em ganhar as provas se jogarem no nível médio. É que a partir desse momento, existem bastantes troços que não amparam os carros, e saímos borda fora da pista e temos de fazer o reset, mas há ainda vários perigos à mistura, com caminhos a serem alterados pelo meio, com ventoinhas a soprarem-nos na direção do abismo e afins. O Boost é o elemento central da jogabilidade, tanto preencher dessa barra através do Drift, como o local onde o vamos utilizar, isto porque existem zonas onde o ativar prolonga o seu efeito, assim como há zonas onde podemos ativar o Boost sem o gastar, portanto a gestão deste recurso será fundamental para fazer a diferença. É pura adrenalina, é um facto, mas também existe uma atenção e conhecimento de cada pista.

Paga-nos o café hoje!

Dizer que utilizando o DualSense da PS5 sentimos através dos gatilhos hápticos o force feeback do acelerador e do travão, assim como no início da partida, temos um ponto específico em que precisamos de apertar o gatilho para ganhar um pequeno Boost, o que achei bastante bem conseguido. Com a sua pequena coluna incorporada, ouvimos também os vários sons das ações do nosso bólide, seja as colisões, seja ativar o boost.

Neste Modo de Campanha as recompensas podem passar por ganhar mais um carrinhos, moedas de jogo, rodas dentadas, visuais para o nosso Porão ou ainda elementos para o Editor de Pistas. Atenção que não vão ganhar muuuuiittttooos carrinhos aqui, apenas alguns que vos podem até ajudar no desvendar alguns Segredos, fica já a dica, mas vão ganhar umas quantas Caixas Surpresa, mas não se assustem que não vão ter que gastar euros para conseguir o carrinho que queriam.

As Caixas Surpresa, tal como o nome indica, basicamente sorteia um carrinho que vão desbloquear, e sim podem sair repetidos, mas também os podem vender ou transformar em rodas dentadas. Podem comprar com essa moeda do jogo mais caixas, mas também podem comprar diretamente 5 carrinhos à escolha que estão disponíveis na loja. A rotação desses 5 bólides acontece a cada 4 horas de jogo jogado, apesar da rotação até agora ter sido muito básica e entre os mesmos.

As rodas dentadas servem para fazer upgrades aos vossos carrinhos favoritos aumentando as suas características que estão divididas em Capacidade de Travagem, Aceleração, Manobrabilidade, Velocidade e Boost. Todos os carros em jogo estão divididos em três raridades distintas, que estão diretamente relacionadas com o já mencionado valor de venda ou desmontagem, mas também com o seu desempenho. Podem ter uma classificação de Comum, Raro e Lendário.

Estamos a falar de 66 carros do universo Hot Wheels, com vários do mundo do entretenimento, como o mítico K.I.T.T. da série Knight Rider, o Party Wagon das Teenage Mutant Ninja Turtles, o Delorean do Back to the Future, o Batmobile do Batman, ou a Casa/Carro do Snoopy. Muitos mais vão ser adicionados no futuro, com destaque para as séries Masters of The Universe, Barbie, Wonder Woman, Superman ou outros do mundo da DC.

Os planos da Milestone parecem bastante interessantes neste campo, com itens e carrinhos a serem adicionados de forma gratuita, com outros elementos pagos, como é o caso dos Passes em vários volumes que vão dar acesso desafios especiais para desbloquear veículos e customizações apenas disponíveis a quem tiver os vários Passes, mas também haverá lugar para expansões com um carrada de novidades que estarão disponíveis para quem tiver os referidos Passes, mas também para quem quiser comprar em separado.

Hot Wheels Unleashed conseguiu transportar-me para as míticas tardes de brincadeira com os meus primos a construir pistas e a imaginar corridas impossíveis. É divertido tanto na sua jogabilidade alucinante e desafiante, como na variedade de pistas e cenários. Tem um leque de opções para todos os gostos, desde simplesmente pegar no nosso carrinho favorito e entrar na pista, como criar as pistas que sempre sonhámos, na nossa pequena Man Cave que criámos. Graficamente é um luxo e e revigorante, o único senão que encontrei foi a repetição da banda sonora que por vezes é só irritante.