Developer: Koei Tecmo e Omega Force
Plataforma: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 29 de outubro de 2021

Foi com uma enorme satisfação, mas ao mesmo tempo com alguma tristeza, que vi chegar o segundo e último DLC do Expansion Pass de Hyrule Warriors: Age of Calamity, Guardian of Remembrance. Foi lançado nos últimos dias de outubro, e se por um lado a satisfação advém de voltar a divertir-me com o jogo, ter novas personagens e novas missões, por outro lado, saber que será o último conteúdo a chegar ao jogo, deixa sempre aquela sensação de vazio.

Esta nova expansão oferece bastante conteúdo ao jogo, embora não traga nada de impactante ao jogador. Consegue oferecer algumas novidades com as novas missões a não serem tão focadas em Link ou Zelda, já que existem muitas que vamos jogar com os Champions, sem ser possível alterarmos para outros personagens. Além disso, este DLC abre mais um pouco da história de Terrako – o pequeno guardian do futuro – com uma nova cutscene que nos mostra algumas novidades, assim como uma missão que faremos com o pequeno guardian. Os Champions também têm novas cutscenes que nos mostram um pouco mais a sua personalidade, principalmente para aqueles jogadores que não tiveram oportunidade de jogar The Legend of Zelda – Breath of the Wild.

Com esta nova expansão chega um novo Chapter ao jogo, isto é, vamos ter novas missões principais, novos challenges, e imensas novas quests. As missões principais quase todas iniciam-se e finalizam com novas cutscenes, e apesar de não se focarem na história principal, todas elas mostram acontecimentos aos quais não tivemos acesso, até porque se referem a memórias (mas disso já falamos). Com as missões principais, chegam agora novos objectivos, e além daqueles incluídos na própria missão, existem agora objectivos que embora não sejam obrigatórios, são fundamentais para completarmos as missões a 100%. Chamam-se Memory Quests e cada missão principal terá três, sendo que em duas delas teremos de derrotar 1000 ou mais inimigos, obter 4 wildberries (frutos silvestres), mas na terceira não é revelado o objectivo. Descansem que depois de fazerem uma delas, o terceiro objectivo é revelado, e podem sempre a qualquer altura do nível irem ver como está o progresso de cada uma delas.

Com as Memory Quests, além de recebermos itens úteis, como gems, fruta, entre outras coisas que nos ajudam a completar quests, vamos também receber novas armas que foram adicionadas ao jogo. Além disso, caso tenham adquirido a primeira expansão, Pulse of the Ancients, e ainda não tenham completado os objectivos do Ancient Lab, podem continuar a fazê-lo.

Paga-nos o café hoje!

Falando em Ancient Lab, não podemos deixar de falar de Purah e Robbie, que são adicionados como personagens jogáveis, mas que também dão vida a esta nova expansão, já que é graças a eles que temos estas novas missões, isto porque as missões principais que vamos jogar nesta expansão, referem-se a memórias que Purah e Robbie estão a tentar encontrar e juntar. Caso estejam ansiosos para jogar com Purah e Robbie, guardem um pouco o entusiasmo, já que estes só ficam desbloqueados depois de completadas todas as missões principais. Além disso, não são dois personagens jogáveis separadamente, os 2 juntos são considerados um personagem jogável, mas acreditem que é bastante divertido jogar com eles. Para surpresa dos jogadores, outro personagem jogável foi também adicionado ao jogo. Não vou desvendar qual é, mas este até consegue ser jogável antes do final do jogo, mas caso queiram mesmo muito saber, basta uma rápida pesquisa no google.

Algo importante de referir é que, se não querem repetir as missões principais diversas vezes, é explorar toda a área da missão e não só os locais onde estão os objectivos do jogo, já que existe um novo item chamado Report: Hidden Battles, que é absolutamente necessário para completarem novas quests. Em termos de inimigos, existem dois novos Goblins e um novo Boss, o Mutated Ganon.

Quanto aos mapas, vamos explorar novos locais que nunca tínhamos explorado neste jogo, mas que facilmente a paisagem é reconhecida por quem jogou Breath of the Wild, sendo que agora está adaptado a este estilo de jogo, onde agora é mais fechado e com caminhos bastante directos.

O unico senão desta expansão, tal como da anterior, é o nível das missões não ser nivelado pelo nível dos personagens do jogador, já que se tiverem os personagens com um nível bastante alto, os níveis não vão oferecer grande desafio.

Guardian of Remembrance é uma daquelas expansões que vale a pena, que dá imensa vontade de jogar, e oferece muitas mais horas de jogo. Se as missões principais, juntamente com as Memory Quests, já nos oferecem umas 4 ou 5 horas de jogo, se quisermos completar tudo o que tem para oferecer podem juntar muitas mais, provavelmente triplicando esse tempo. Sendo esta a última expansão, não posso deixar de referir que o Expansion Pass pelo seu preço e pelo conteúdo que oferece é uma grande adição ao jogo, e se são fãs deste género não devem deixar de o adquirir.