Developer: Triangle Studios
Plataforma: PlayStation 4, PC, Xbox One, Nintendo Switch
Data de Lançamento: 28 de Janeiro de 2020

Quem não gosta de um shooter com vista isométrica de cima em que podemos e devemos matar e destruir tudo o que se encontra à nossa volta? Pois bem, esse é o grande objectivo de It Came From Space And Ate Our Brains, um indie bastante simplista em que o objectivo é matar todos os aliens que encontrarmos.

Em It Came From Space And Ate Our Brains temos como objectivo sobreviver a um ataque extraterrestre que tem como missão e desejo o acto de comer cérebros. Nós, equipados com a nossa arma, teremos de os matar e principalmente conseguir escapar desta invasão. Não esperem nada de novo, já que este tipo de jogos já existe há muito tempo, e os jogadores normalmente adoram jogar este tipo de jogo, em que apenas interessa matar tudo o que aparece à frente.

Visualmente o jogo apresenta-nos um aspecto totalmente cúbico, isto é, se pegarmos num boneco de Minecraft, então teremos os personagens de It Came From Space And Ate Our Brain. Os aliens vão pelo mesmo caminho, embora existam de vários estilos, desde os que parecem cubos amontoados em cima de outros, outros que parecem uma espécie de antenas similares às dos caracóis, entre outras coisas bizarras. E se as armas e os seus disparos também são do mesmo aspecto cúbico, já o cenário é diferente, e embora tudo tenha uma forma geométrica, já não apresenta aquele aspecto quadrado e cúbico.

Já que falamos em armas, a variedade é grande e podemos escolher entre pistolas, metralhadoras, caçadeiras, uzis, e outras que mais. Além disso, ainda é possível serem melhoradas, de maneira a nos tornarmos autênticos Rambos e matando aliens a magote. Além dos disparos serem todos diferentes, também os seus sons são bastante característicos.

Podemos visualizar tudo o que é necessário a partir do ecrã, desde a nossa vida que aparece em forma de corações no canto superior esquerdo, assim como o dinheiro que já apanhámos para posteriormente comprarmos itens, como armas. Mudar de arma também é bastante simples, bastando carregar no botão que aparece no canto inferior esquerdo, surgindo depois um circulo com as diversas armas que podemos escolher. Já no canto inferior direito, temos os outros itens como os kit médicos.

Todo o jogo é passado num ambiente escuro, o que torna tudo bastante mais complicado, isto porque cada personagem tem uma lanterna e a sua arma, e se no início a quantidade de aliens é razoável, com o avançar nos níveis tudo isto vai mudando, e o número de aliens vai aumentar exponencialmente. Felizmente, também as nossas armas vão evoluindo, e eventualmente teremos armas que fazem 2 e 3 disparos de cada vez. Em relação ao mapa, andamos em diversos locais, como na rua, nos telhados, dentro de armazéns, casas e escritórios, ou seja, as missões tanto variam nos locais, como nos objectivos.

Por outro lado, é preciso ressalvar a quantidade de cor que o jogo também fornece, que normalmente sinaliza o que tem mais importância, isto é, os aliens com um cor rosa choque; os disparos que vão desde o branco, ao amarelo e verde; os itens para apanhar que são representados por cubos também eles de diversas cores; resumindo:  tudo o que é relevante no jogo tem imensa cor, o que causa um enorme contraste com o seu cenário extremamente escuro.

Já as sombras e os efeitos visuais também chamam bastante a atenção do jogador, e nota-se que houve uma atenção especial nestes pontos, até porque para um jogo minimalista seria importante ter estas características.

Infelizmente existem alguns níveis que são bastante compridos, e caso morram terão de começar do início. Acreditem que por vezes é um pouco frustrante não termos alguns checkpoints a meio, já que faria bastante mais sentido.

Além do modo campanha, os jogadores também podem desfrutar de um modo de sobrevivência, em que basicamente são colocados num cenário onde vão aparecendo aliens em grandes quantidades e o objectivo é conseguirem o máximo de pontos possíveis.

Mas o principal deste jogo está no divertimento, e principalmente jogando com amigos. Podemos jogar num co-op de 2 a 4 amigos, tornando o jogo ainda mais divertido, e por um lado também mais fácil. Eu diria mesmo que este jogo só consegue mostrar o seu potencial jogado por vários jogadores, já que sozinho torna-se mais difícil e também começa a tornar-se extremamente repetitivo.

A jogabilidade é bastante simples e o jogo responde sempre muito bem. Podemos andar com o analógico esquerdo, mirar com o analógico direito, correr durante alguns instantes e disparar. É um jogo bastante acessível a qualquer jogador e com conceitos básicos. A dificuldade está em sobreviver, e não na maneira como se joga. E se tiverem com muitas dificuldade no campo da sobrevivência, podem escolher entre três níveis de dificuldade e encontrarem aquele que melhor se ajusta às vossas capacidades.

It Came From Space And Ate Our Brains é um jogo que se foca no divertimento, principalmente em modo cooperativo, sendo que jogado a solo torna-se um pouco repetitivo e por vezes frustrante. Se costumam ter amigos prontos para jogar convosco e são fãs de shooters com vista isométrica, então é certamente uma boa opção.