Developer: Square Enix
Plataforma: PlayStation 4, Xbox One
Data de Lançamento: 29 de Janeiro de 2019

Foi em 2002 que chegou à PlayStation 2 um dos RPG mais emblemáticos de sempre: Kingdom Hearts; chegava ao mercado pelas mãos da SquareSoft (a actual Square Enix). Era inimaginável um jogo que conseguisse oferecer aos jogadores o mundo dos personagens Disney, para não falar de toda a história envolvente. Ao longo destes anos tivemos direito a várias sequelas, até que chegámos a 2019 e a Square Enix decide lançar Kingdom Hearts III, o último título desta franquia. São 17 anos de várias aventuras e de muita espera por parte dos fãs, principalmente depois do anúncio do jogo. Será que valeu a pena?

Eu diria que valeu muito a pena, além de conseguir concluir toda a jornada de Sora, consegue concluí-la de uma maneira extremamente competente. A luta entre o bem e o mal (ou sem preferirem entre a luz e as trevas) está bem patente no jogo, mostrando a verdadeira força da amizade e do sentimento. Claro que por tudo se passar no universo Disney fica ainda mais fácil demonstrar toda esta componente sentimental.

Acredito que para os que não estão a par da história de Kingdom Hearts tudo seja um pouco confuso; sobre quem é Sora, e até do que o jogo se trata. E se querem jogar esta verdadeira obra de arte, e não estão a par da história do jogo, nada melhor que começarem por jogar Kingdom Hearts HD 1.5 + 2.5 ReMIX. No entanto, caso o vosso interesse seja mesmo só jogar Kingdom Hearts III, então existem uns vídeos no menu inicial que vos darão uma ideia do que se sucedeu anteriormente.

Tratando-se de uma trilogia, e este sendo o último jogo era necessário não deixar pontas soltas, e a Square Enix fez isso na perfeição. Se nos outros jogos existiram sempre algumas peças por encaixar, ficando no ar algumas dúvidas, será neste jogo que todas elas se dissipam. Esta aventura começa logo após os episódios de Kingdom Hearts Dream Drop Distance, onde Sora perdeu parte dos seus poderes e terá de os recuperar enquanto tenta solucionar os problemas causados pela Organização XIII, nos diversos mundos da Disney que encontrarão no jogo.

E já que falamos em mundos da Disney, Kingdom Hearts III é o jogo da franquia que melhor representa esses mundos. Ao todo serão oito os mundos que vamos visitar nesta aventura, passar por locais como Monstropolis, Arendelle ou Olympus deixa-nos completamente fascinado com toda a sua qualidade. Vamos percorrer estes mundos de forma completamente separada, tendo a possibilidade de os explorar, e verificar os seus incríveis detalhes, que encontramos nos filmes relacionados com aqueles mundos. E é extraordinário verificar que a equipa de desenvolvimento teve esse cuidado, assim como também conseguiu expandir esses mesmos mundos, oferecendo aos jogadores algo inédito e extremamente bonito.

Algo de extrema importância nesta franquia tem a ver com os sentimentos e as relações entre as várias personagens, e nisso o jogo está incrível e ainda melhor do que nos jogos anteriores. Um exemplo disso é a relação entre Sora e todos os personagens do jogo, principalmente entre Pateta e o Pato Donald, que são os seus eternos companheiros. Nota-se claramente que existe uma química forte entre todos. As conversas estão excelentes e demonstram o cuidado e toda a amizade entre eles. Mas não só, em todos os outros personagens que vão surgindo e falando com Sora percebe-se o cuidado que existiu para tudo estar perfeito, e com todos os diálogos aos quais vamos tendo acesso percebe-se claramente a ingenuidade e sinceridade de Sora, sendo essa pureza que torna este personagem tão especial.

Sora, além de ser o personagem principal, é também aquele que faz a conexão entre todos os outros, e mesmo quando as coisas estão difíceis ele tem sempre uma palavra, um sorriso ou uma piada para dizer. Algo que é bastante complicado de demonstrar ou de recriar são sentimentos, e Kingdom Hearts III consegue isso como nenhum outro jogo.

Um dos pontos altos do jogo tem a ver com os combates em tempo real. As batalhas são todas cheias de acção e com bastante velocidade; as Keyblades estão melhores que nunca, já que cada uma contém duas transformações, que são activadas conforme a quantidade de acertos nos inimigos. É possível criar diversos combos, com uma enorme diversidade de golpes e com transformações que fazem toda a diferença nos combates. Podemos ter três Keyblades equipadas, e isso permite que possamos alterar entre elas apenas em poucos segundos, sem nunca temos de parar as batalhas. Continua também a ser possível fazer summon de diversos amigos como Simba, Ariel ou até Stitch.

Existem também várias novidades, e essas são apresentadas de maneira bastante simples, sendo também bastante fácil entrarmos no seu tutorial para percebermos exactamente como usar determinada habilidade. Há diversos combos que podemos fazer com todos os nossos companheiros, assim como magias que Sora tem a possibilidade de fazer, e também as novíssimas atracções de parques temáticos da Disney que tornam as batalhas ainda mais brilhantes. Kingdom Hearts III oferece uma panóplia de opções no que toca a combates como poucos ou nenhuns jogos oferecem. É tudo incrível e a cada combate ficamos ainda mais surpreendidos.

Além disso, o crescimento da dificuldade nos combates está muito bem conseguido, nota-se claramente que com o avançar da aventura os combates vão ficando ligeiramente mais complicados, mas por outro lado o nosso domínio de todas as habilidades e de Sora também vai melhorando, criando assim uma excelente equilíbrio.

Mas existe ainda mais conteúdo, diversos minijogos que vamos encontrando e desbloqueando assim como outro tipo de conteúdo. Um deles por exemplo é a possibilidade de cozinhar, onde Ratatouille toma conta de Sora, e teremos de fazer diversos pratos, obviamente que não tem de fazer tudo, mas por exemplo abrir um ovo, cortar alguns ingredientes, tudo isto de uma certa maneira ou num determinado tempo. Mas existem mais, outro dos exemplos é a maneira como podemos viajar entre mundos, e ai, teremos de ser o comandante de uma nave, e nessa viagem podemos apanhar diversos itens que depois podemos usar durante a aventura principal, assim como combater naves inimigas. Esses combates são bastante engraçados pois fazem-nos lembrar alguns jogos antigos como Space Invaders. Como podem ver conteúdo é o que não falta no jogo, e acredito que seja na aventura principal, como nestes momentos que podemos relaxar mais, tudo entusiasmará os fãs da franquia.

Graficamente Kingdom Hearts III está imaculado, e como já tinha referido, os mundos estão representados de uma maneira fantástica; e sem querer estragar a experiência, até o grafismo entre cada um dos mundos consegue ser diferente, sendo que o ponto alto é quando entramos nos cenários dos Piratas das Caraíbas, cujo grafismo muda e ficamos completamente “abismados” com a qualidade gráfica que nos é apresentada.

Mas não são só os cenários que impressionam, os detalhes dos personagens também estão incríveis, e isso vê-se bem a cada novo personagem que vai entrando, desde Mickey a Hercules ou a Jack Sparrow. O próprio Sora apresenta-se com uma qualidade acima da média, quando comparado com todos os outros jogos da franquia. Na verdade, toda esta qualidade é impressionante e ainda mais quando o jogo se apresenta tão fluído.

Outra das componentes que não podemos esquecer está relacionada com a banda sonora, e esta, tal como nos jogos anteriores, é fascinante. A maioria é bem conhecida e encaixa-se na perfeição nos diversos locais onde estamos. Além disso, existem novas músicas, como é o caso do “Don’t Think Twice” ou “Face My Fears”, interpretada pela cantora Hikaru Utada. E acreditem, tudo está com uma qualidade excepcional.

Kingdom Hearts III, além de uma obra de arte, é um trabalho feito com muito amor. Por um lado, é perfeito vermos um fim nesta incrível história, mas por outro, será uma pena vermos esta incrível aventura chegar ao fim. A Square Enix já nos habituou a trabalhos incríveis, mas Kingdom Hearts III ficará para sempre como um dos melhores trabalhos da companhia. É um jogo maravilhoso, para os fãs da franquia é um jogo absolutamente imprescindível e é um dos jogos do ano seguramente. É a conclusão perfeita e fundamental, e ficará para sempre nos nossos corações.