Developer: Sega
Plataforma: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 8 de Novembro de 2019

Foi em 2007 que Mario & Sonic se juntaram pela primeira vez num videojogo, algo que há muitos anos atrás poderia parecer impossível, já que a Sega e a Nintendo eram duas gigantes e concorrentes. A Nintendo com a NES e a Super Nintendo, e a Sega com Master System e a Mega Drive. Sonic & Mario eram uma espécie de rivais, os fãs da Sega adoravam os jogos de Sonic, os fãs da Nintendo tinham e continuam a ter Mario como o seu personagem de culto.

Foi com o fim da produção de consolas por parte da Sega que tudo isto se tornou possível, em 2001 a Sega anunciava o fim da produção da Dreamcast (a última consola produzida pela companhia) e passava a dedicar-se exclusivamente à criação de jogos para as várias plataformas.

Os jogos de Mario & Sonic juntos têm tido sempre um ponto em comum: os jogos olímpicos. Sejam eles os clássicos ou os de Inverno, depois dos dois primeiros jogos da franquia (que não se referiam às localizações dos eventos), os jogos posteriores passaram sempre a ter a localização dos jogos, como foi o caso de Londres, de Sochi, do Rio de Janeiro e agora de Tóquio. Como é fácil perceber, estes jogos passaram por todas as consolas da Nintendo desde a data do seu lançamento, como a Wii, Nintendo DS, Nintendo 3DS, Wii U e agora com Mario & Sonic at the Olympic Games Tokyo 2020 a estrear-se em exclusivo na Nintendo Switch.

É o jogo oficial dos jogos olímpicos de Tóquio 2020, e longe de ser um jogo de simulação, tudo o seu conteúdo é totalmente arcade e focado para a diversão. Além dos mini-jogos que sempre foram habituais nesta franquia, outro dos pontos de destaque é o modo história, assim como o conteúdo que terão de desbloquear.

O modo história apresenta uma narrativa um bocado rebuscada, onde Mario e Sonic recebem uma consola juntamente com uma carta que lhes diz para testarem o jogo daquela consola para comemorar as olimpíadas de Tóquio. Os nossos heróis, bastante relutantes com o presente misterioso que receberam, decidem não fazer nada. Obviamente que aquilo era uma marosca de Dr. Robotnik (ou Eggman), que queria juntamente com Bowser fazer a vida negra a Mario e Sonic. Acontece que como sempre, Bowser não tinha percebido o plano e ao ver que os nossos heróis não tinham tocado na consola, chega-se perto deles e decide interagir com a consola. É nesse momento que a “magia” se dá e Mario, Sonic, Bowser e Eggman são engolidos para dentro da consola, mais propriamente para o jogo Toquio 64.

Sem querer revelar muito mais, para não perderem a piada de quando iniciarem esta aventura, a história irá passar-se em dois locais diferentes, uma será dentro da consola e no jogo Tóquio 64 onde vão encontrar gráficos totalmente retros (o que mostra claramente que Eggman é um developer indie); e o outro local será passado em 2020, nas olimpíadas de Tóquio. O objectivo principal será – tanto de um lado como do outro –, recolherem o máximo de medalhas de ouro possíveis, e para isso terão de entrar nas provas com os Sonic, Mario e companhia. Será ao longo da história que os personagens vão entrando, e que os diversos mini-jogos vão sendo mostrados.

Quando estão a jogar “dentro” da consola em Toquio 64, ou com os personagens que estão fora da consola o jogo decorre da mesma maneira, isto é, existe um mapa de Tóquio, onde temos de andar pela cidade de um lado para o outro para ir até aos diversos eventos por lá espalhados, sendo nesses locais que vamos encontrar outros personagens e competições, ou seja, conforme vão progredindo, sendo que posteriormente novos locais serão abertos para podermos visitar e entrar nos eventos que lá decorrem. Esses locais, além do objectivo principal, apresentam sempre algo interessante, como uma espécie de bilhetes que podemos coleccionar e que nos ensinam diversas curiosidades – algumas sobre os jogos olímpicos, outras sobre a cidade de Tóquio e ainda outras sobre algumas personagens.

Este enredo até poderia ter algum sucesso, o problema está na qualidade e quantidade de diálogos sem sumo e na maneira como os personagens vão aparecendo. Acreditem ou não, quanto mais vão jogado o modo história, maior é a sensação de aborrecimento que se vai entranhado em nós. Até poderiam desistir deste modo se este não fosse necessário para conseguirem ter acesso a todo o conteúdo do jogo, logo, vão mesmo ter de o finalizar para desbloquearem personagens jogáveis assim como alguns mini-jogos, conquistas e outros conteúdos desbloqueáveis.

Felizmente, há jogo além do modo história, e um dos modos que mais vão usar será a Partida rápida que pode ser jogada a solo ou até 4 jogadores. Aqui será o local onde vocês vão encontrar todos os mini-jogos, existindo 24 mini-jogos no modo normal, mais 10 no modo Tóquio 64. Obviamente que todos estão relacionados com desportos praticados nos jogos olímpicos, e vão encontrar desde corrida dos 100 metros, boxe, escalada, surf, natação, futebol e muito mais. Já no modo Toquio 64, tirando os 100 metros que se repete, os mini-jogos são outros, como salto em distância, maratona, tiro, vôlei, judo, caiaque e mais três.

Depois os outros modos que temos ao dispor são o jogo em modo local com outras consolas, e que pode ser jogado desde 2 a 4 jogadores, bastando que cada um tenha a sua consola.

Um dos locais onde provavelmente passarão mais tempo em Mario & Sonic at the Olympic Games Tokyo 2020 será no modo online, e aqui terão dois modos de jogar, um será para partidas a contar para o ranking e escolhem o desporto que pretendem jogar assim como os comandos pretendidos. Outro será as partidas livres, onde estas não contarão para o ranking mas o método é o mesmo – escolhem o desporto e a maneira de jogar, depois entram numa sala onde esperam encontrar adversários. Porém, outra das maneiras em que podem usar este modo de partidas livres é irem até à lista de salas, verificarem as que existem disponíveis e entrarem nessas partidas.

Devo confessar que não consigo dizer se estes modos online funcionam bem ou mal, já que sempre que tentei jogar, nunca encontrei ninguém para jogar neste modo.

Por último não posso deixar de referir os Meus dados, e neste local do jogo vocês vão encontrar os vossos Registos, as curiosidades que foram apanhando no modo história, alterar as opções do jogo como a língua, o vosso ícone, o país que querem representar, e por fim temos a sala de jogo, aqui será o local onde encontram os mini-jogos que desbloquearam no modo história.

Falando agora de um aspecto extremamente relevante neste jogo, a sua jogabilidade, como disse anteriormente, todos os jogos são arcade, logo seria quase obrigatório ter uma jogabilidade simples na maioria deles; felizmente é isso que acontece. Outro aspecto relevante é termos a opção de escolher como queremos jogar, cuja maioria dos jogos oferece-nos três possibilidades de jogar, isto é, uma com dois joy-cons e os seus sensores de movimentos; outra apenas com um joy-com; e por fim a possibilidade de jogarmos com os analógicos e botões. Jogar com a opção de sensor de movimento não invalida terem de carregar em alguns botões, mas será num número bastante reduzido.

Vamos então desenvolver um pouco mais este tema, tratando-se de mini-jogos de apenas alguns segundos, já que são poucos os que ultrapassam 1 minuto, é muito mais giro jogar com os sensores de movimento, e temos o caso do arco em flecha que é bastante divertido jogar de joy-cons, tal como o boxe ou até a corrida dos 100 metros. Existem outros jogos que devo admitir que jogar com sensores de movimento é de uma frustração inacreditável, já que os comandos não obedecem e chegamos a pensar que temos os joy-cons avariados. Neste caso o melhor é testarem todos os mini-jogos com os mais variados tipos de jogabilidade e perceberem qual é aquela da qual vão tirar melhor proveito.

Quanto ao grafismo, devo dizer que embora esteja bastante interessante, poderia estar um pouco melhor. É claro que nestes jogos o mais importante é a diversão e até a jogabilidade, mas se quisermos comparar com um jogo que se enquadre no mesmo estilo, como é o caso de Super Mario Party, verificamos que podia estar um pouco melhor. Seja como for, apresenta-se com muita cor, muita luz, alguns detalhes interessantes; principalmente nos personagens, ficando por vezes os detalhes do que nos rodeiam um pouco para trás. Quanto ao Toquio 64, o que podemos dizer é que é aquele retro típico, tudo pixelixado, e até com a possibilidade de meterem aquelas riscas pretas horizontais como se de uma televisão CRT se tratasse.

No geral, Mario & Sonic at the Olympic Games Tokyo 2020 é um jogo bastante giro e interessante, oferecendo imensos mini-jogos com muita diversão, cooperação e competição. É daqueles jogos muito giros para jogar com amigos ou com a família, e tem ainda a opção de podermos jogar online para competirem com outros jogadores. Peca pelo modo história e por nalguns jogos a sua jogabilidade com os sensores de movimento ser péssima. Seja como for, se são fãs de jogos deste género, não se vão arrepender, porque a diversão está garantida.

Deixa um comentário