Developer: KOEI TECMO GAMES / Team NINJA
Plataformas: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 19 de Julho de 2019

Os fãs da Franquia Marvel Ultimate Alliance já desesperavam há alguns anos por uma sequela do segundo jogo. Este que sempre foi um jogo extremamente arcade e maioritariamente virado para a acção e cooperação entre jogadores. Chega finalmente hoje Marvel Ultimate Alliance 3: The Black Order em exclusivo para a Nintendo Switch – um jogo que oferece aos jogadores a possibilidade de jogar com os super-heróis mais conhecidos do universo Marvel, assim como jogar e/ou derrotar alguns dos piores vilões de sempre.

Como muitos de vocês, eu também estava desejoso de iniciar a minha aventura neste jogo, e quando tive a oportunidade de testá-lo na Nintendo Portugal – ainda que uma versão demonstração – fiquei bastante contente com o que vi e senti durante a experiência. Agora com a versão completa do jogo tudo se tornou mais claro, e é mesmo um dos jogos mais divertidos de super-heróis que podem encontrar no mercado.

A história do jogo anda à volta das Infinity Stones, e depois do sucesso de Avengers: Infinite War e de Avengers: End Game, estranho seria se a história não estivesse relacionada com estas preciosas pedras. Mas não pensem que se trata de uma cópia dos filmes ou algo do género, não, aqui a história é totalmente diferente, até porque muitos dos heróis e vilões que vão entrar nesta aventura nunca apareceram em nenhum filme dos Avengers.

Sem contar demasiado, até porque isso estragaria qualquer surpresa que tivessem no modo história, posso dizer que começamos o jogo no espaço com os Guardians of the Galaxy, e é enquanto eles estão na sua nave que começam a receber um sinal nos seus sensores, sendo nessa altura que começam a explorar aquela zona em busca do sinal e encontram uma nave que não era mais do que uma emboscada. Será aí que vão encontrar Nebula e os seus ajudantes em busca das Infinity Stones, iniciando-se verdadeiramente o jogo. E à medida que a história vai desenvolvendo, percebemos que Thanos e os  The Black Order (um grupo de vilões extremamente poderosos) andam atrás das Infinity Stones.

Não esperem que todos os personagens jogáveis estejam disponíveis logo no início do jogo, até porque o jogo desenrola-se por capítulos, e será ao longo destes que os personagens vão aparecendo. Tal como vos disse no início, apenas terão os Guardians of the Galaxy no segundo capítulo e encontrarão o Spider-Man e grande parte dos Agents of S.H.I.E.L.D, como Nick Fury e os próprios Avengers (onde o leque de personagens que podem jogar aumenta exponencialmente), e assim sucessivamente. Além de heróis também encontrarão alguns vilões ou anti-heróis para jogarem, um desses casos é Venom que nos acompanhará nesta missão (não antes de termos de derrotá-lo).

Tal como vos falei, todo o jogo tem uma enorme carga de componente arcade, provavelmente muitos do vocês, ao começarem a jogá-lo, até vão lembrar-se de grandes títulos que jogaram em salões de jogos quando eram mais novos (obviamente os tempos eram outros, as jogabilidades e grafismos também eram diferentes), além disso Marvel Ultimate Alliance 3: The Black Order também apresenta uma boa componente RPG, e acreditem que este será um dos grandes truques que a equipa de desenvolvimento do jogo conseguiu colocar no jogo, e já percebem porque digo isto. O jogo apresenta sempre uma equipa composta por quatro jogadores; se jogarmos sozinhos então comandamos apenas um lutador e os outros serão comandados pela IA, caso estejam a jogar com um amigo serão dois jogadores humanos e dois comandados pela IA e assim sucessivamente. Como é de esperar, só quem luta é que sobe de nível, logo apenas os quatro lutadores que estão na equipa vão obtendo XP para irem subindo de nível, logo, como podem imaginar, para irem subindo outros dos vossos “heróis”, terão de jogar com eles, ou pelo menos gastarem algum tempo com eles.

Além de colocarem “hérois” que tenham um nível mais baixo na equipa para estes evoluírem e aumentarem o seu nível, também é possível dar-lhes XP a partir de XP Cubes, que são uma pedras que vamos apanhando (tanto no modo história, mas também num outro modo de jogo chamado Infinity, que falaremos mais à frente). Como já referi, os personagens jogáveis têm todos eles quatro habilidades, porém, não estão todas desbloqueadas, e se a primeira habilidade começa desbloqueada, já a segunda só ficará disponível a nível 10, e posteriormente, a terceira a nível 15 e a quarta a nível 20. Mas além de as desbloquearem ainda será preciso as melhorarem, e para isso vão precisar de Ability Points e Ability Orbs.

Todos os personagens têm um ataque especial, e quando esse ataque quando é efectuado, pode ser combinado com os ataques especiais de todos os membros da equipa, e aí teremos um combo gigante que dará um dano enorme nos inimigos. Resumindo: um ataque bastante útil principalmente quando estamos a lutar contra os principais vilões do jogo.

Como tão bem conhecemos os diversos personagens da Marvel, cada um tem a sua maneira de atacar: uns com armas e ao longe, outros de perto e com força, outros com magia e outros bastante resistentes e com uma enorme capacidade de levar dano. Pois bem, isso também acontece no jogo, por isso existem seis características bastante importantes, são elas a Vitality (Vit), Strength (Str), a Energy (Ene), a Durability (Dur), a Resilience (Res) e a Mastery (Mas). Será a partir daí e também da maneira como os personagens atacam ou se deslocam (já que alguns conseguem voar), que vocês devem escolher a vossa equipa para determinada situação.

É igualmente importante ter em atenção a equipa Marvel a que a personagem pertence, isto é, se por exemplo jogarem com mais personagens dos Avengers ou do X-Men a equipa ganhará bónus, seja em força, em vida ou em defesa. Como é fácil perceber, existem diversas maneiras de escolher a nossa equipa e os personagens que nela queremos. Mas há mais, porque ainda existem os ISO-8, e isto são uns cristais que podem adicionar aos personagens e que lhes dão um boost enorme. Cada personagem pode usar até quatro ISO-8, mas mais uma vez, estes estão bloqueados e vão sendo desbloqueados conforme forem aumentando de nível. Existem diversos cristais e isso fará uma grande diferença no personagem. Além disso, esses cristais podem ser modificados e melhorados.

Por último, ainda existe o Alliance Enhancement, que é uma espécie de árvore que nos permite melhorar ainda mais os vários stats que vos falei anteriormente, além do critical damage ou o HP Recovery, entre outras coisas. Para esses melhoramentos serão necessários Enhancement Points e Credits. Acreditem que terem esta árvore totalmente preenchida requer inúmeras horas de jogo, mas também vos dará um boost enorme nos personagens.

Saltando agora no Infinity, o modo que vos falei e que existe além do modo história, aqui será um excelente local para terem diversas batalhas que aconteceram no modo história, mas com diversos bónus. Terão possibilidade de ganhar cristais ISO-8, XP Cubes e até Ability Orbs. As diversas batalhas vão sendo desbloqueadas conforme vocês avançam no modo história, e obviamente o nível de dificuldade de cada batalha altera-se conforme o local da história onde essa batalha aconteceu. Além disso algumas destas batalhas ainda oferecem novos fatos aos personagens do jogo.

Antes de saltarmos para a jogabilidade, não quero deixar de falar das opções co-op que o jogo oferece, primeiro com a opção de jogarem os quatro jogadores localmente na mesma consola ou TV, depois a opção de podermos jogar localmente com diversas consolas no mesmo local, e por último a opção de jogar online onde podemos jogar com amigos, criar uma sala, ou procurar uma sala de jogo.

A jogabilidade, é totalmente arcade e bastante simples: existem dois golpes, um mais fraco e rápido e outro mais lento e mais forte; existe a possibilidade de saltar, e alguns personagens podem também voar; há também um botão dodge e os botões de habilidades. Algo que por vezes estraga a experiência é a câmara de jogo, principalmente se jogarem com amigos localmente, levando muitas vezes os nossos personagens a desaparecerem do ecrã, ou tendo paredes à frente e só conseguimos ver os seus contornos. É deveras frustrante quando isso acontece, principalmente se estiverem a lutar com um adversário forte que com meia dúzia de golpes é capaz de vos meter KO. Caso fiquem KO, existe a possibilidade de ajudarem os vossos companheiros por três ocasiões por cada “checkpoint” do jogo, isto também acontece nas lutas contra vilões.

Graficamente o jogo está bastante bonito. Tudo está desenhado num estilo bastante cartoon e encaixa perfeitamente no estilo de jogo. Todos os personagens estão incrivelmente bem representados, e cheios de detalhes. Os golpes estão bem feitos e as habilidades estão com efeitos fantásticos. Já os cenários estão muito bons e passam por diversos locais bem conhecidos de todos nós que conhecemos o universo Marvel, o jogo é todo bastante linear, sem grande oportunidade de exploração, e é quase 90% do tempo a avançar, a lutar contra inimigos, a voltar a avançar, voltar a lutar, e por aí em diante.

A parte sonora do jogo também apresenta uma boa qualidade, principalmente nos diálogos, onde os personagens têm vozes bem conhecidas, como por exemplo Scott Porter, como Star Lord; Nolan North como Deadpool; ou Brain Bloom como Daredevil e Captain America.

Marvel Ultimate Alliance 3: The Black Order é um jogo extremamente viciante, muito divertido como se quer num jogo arcade e que nos oferece inúmeras opções de melhoramento de personagens assim como equipas bastante diversificadas. Os fãs da Marvel seguramente não ficarão desiludidos, muito pelo contrário. É uma entrada gigante na Nintendo Switch e seguramente será um dos jogos que mais venderá neste ano que ainda vai a meio. Para mim já se encontra no meu Top 10 de 2019, vamos ver se por lá se mantém.