Developer: Camouflaj, LLC, Sony Interactive Entertainment
Plataforma: PlayStation 4 (PSVR)
Data de Lançamento: 3 de Julho 2020

Não é todos os dias que podemos vestir o fato do Iron Man e estar na pele de Tony Stark, mas Marvel’s Iron Man VR dá-nos, pelo menos, essa sensação, embora seja apenas numa realidade virtual. Ter um fato daqueles e voar no papel de um dos Super Heróis mais carismáticos da Marvel é um gosto e um desafio enorme porque a defesa de todo um passado de glória de Tony Stark está ameaçado, bem como as suas empresas e até o próprio Mundo. Está nas nossas mãos salvar tudo e todos.

Para jogar Marvel’s Iron Man VR precisam do PSVR, do capacete e da câmera e ainda de dois comandos move que serão as nossas mãos. O jogo avisa-nos logo desses pormenores, mas é importante salientar que se não tiverem estes apetrechos, não conseguirão jogar. Os moves vão funcionar como se fossem as nossas mãos. Precisamos deles para poder atacar, voar, esmurrar e interagir com os diversos objetos que vamos encontrar, desde livros, aparelhos eletrónicos ou até mesmo para arrancar fios de eletricidade.

O início do jogo explica-nos as funcionalidades que o fato do Iron Man tem ao nosso dispor para usar ao longo da aventura. Voar não é tão fácil como possa parecer no início, mas apanhando o jeito lá vamos nós sem querer saber de mais nada. Este seria, no entanto um último treino antes de Tony Stark arrumar as coisas e deixar no passado todas as suas criações. Alguns anos depois durante uma viagem no seu jato privado, Tony Stark apanhou de surpresa a sua assistente Pepper Pots com a sua nomeação para liderar as empresas Stark e é durante essa viagem que o avião é atacado e Iron Man tem de voltar a entrar em ação. A partir daí, a aventura segue para descobrirmos quem foram os autores dos ataques e o que andam eles a atacar pelo Mundo fora. Tony, Pepper e os seus ajudantes em holograma Friday e o “velho” Gunsmith, que se caracteriza como um segundo Tony e que conhece melhor que ninguém as suas criações são a equipa de serviço. Sem estragar muito a história do jogo vão perceber que os autores destes ataques são pessoas que no passado foram prejudicadas pela Stark Industries de uma maneira ou de outra e aparecem aqui em forma de fantasmas para assombrar a vida ao Iron Man.

Marvel’s Iron Man VR divide depois por capítulos, uma história que não sendo de mundo aberto, dá-nos liberdade para ir fazendo missões secundárias pelos vários locais que vamos passando como por exemplo Malibu, nos EUA ou Xangai, na China. Existem sobretudo desafios de voo que nos ajudam a melhorar os nossos movimentos enquanto voamos e testamos os nossos ataques. Estes desafios são cronometrados e dão direito a recompensas ou pontos de habilidade que depois podemos aplicar em mudanças no nosso fato. Entre cada missão o jogo obriga-nos sempre a fazer um ou outro desafio de voo para aprender a usar uma nova arma ou um novo ataque, mas é nas missões que a verdadeira ação acontece e tudo é mais divertido. Disparar mísseis, esmurrar adversários, usar os poderes do fato para atingir os inimigos enquanto voamos sobre as cidades não é tarefa fácil. Há vários desafios diferentes que nos obrigam a movimentos precisos e alguns até bastante complicados de dominar. Desbloquear o trem de aterragem de aviões, apagar fogos nos motores e seguir rastos de circuitos elétricos para destruir as suas ligações são só alguns exemplos do que encontramos em cada missão. O caos às vezes é tanto que aumenta ainda mais a pressão quando nos metem um determinado tempo para concluir os objetivos. Nem sempre é fácil cumprir o que nos pedem principalmente enquanto não dominamos a técnica de voar e atacar ao mesmo tempo. Este controlo é feito com as nossas mãos que ora têm de estar ao lado do corpo ora mais para trás para nos dar um balanço diferente.

Paga-nos o café hoje!

No final de cada missão somos ainda presenteados com uma classificação até 5 estrelas que nos dá também pontos de habilidade que obedecem a critérios como o tempo que demoramos, os inimigos que atingimos e a nossa qualidade de voo. Depois podemos usar esses pontos nas modificações do fato. Podemos repetir as missões para ter uma melhor pontuação. É também entre missões e na garagem da mansão de Tony Stark que podemos fazer as melhorias ao fato e até podemos mudar as cores do mesmo. Há uns fatos mais patriotas que nos fazem sentir um Capitão América, que até têm as cores da bandeira dos EUA, mas sinceramente prefiro o tradicional vermelho. Podemos equipar os braços, o nosso peito e outros dois pontos com novas armas ou escudos protetores para quando estivermos em combate. Personalização não falta para que possamos ter um Iron Man à nossa maneira.

A nível de VR e do que isso implica para nós, Marvel’s Iron Man VR apresenta-se numa aventura de 360 graus o que faz com que tudo à nossa volta tenha imagem. O jogo dá-nos a possibilidade de mudar a perspetiva com toques nos comandos move, sem termos de nos virar na realidade para ver o que está atrás de nós, até porque os fios que ligam o PSVR podiam acabar desligados. Estas opções de mudança de àngulo podem ser feitas de imediato ou de forma suave ajustando-se à capacidade que cada um tem enquanto joga no VR. Os gráficos são os que os jogos de Realidade Virtual nos têm habituado, não são pessoas reais, mas tem uma boa física e estatura que nos leva a crer que se tratam mesmo de seres humanos que ali estão no meio de nós.

O jogo está totalmente traduzido para português. Desde os menus aos personagens da história e mais uma vez a PlayStation a preocupar-se com a localização dos seus jogos exclusivos. E claro, estão muito bem interpretados os diálogos e os monólogos dos personagens. Entre missões há pensamentos filosóficos de Tony e há muito humor na narrativa ao longo de toda a jornada.

Um aspeto que achei menos bom é o tempo de espera cada vez que saímos de um local para outro, mas para ajudar a passar o tempo o jogo dá-nos muitas informações sobre Tony, Pepper e os seus ajudantes ou até mesmo uma recomendação de um bom restaurante na cidade que estamos a visitar. Isto distrai-nos pelo menos nas primeiras vezes. Outra das coisas que condicionam por vezes a aventura são os bugs que qualquer jogo VR tem limitado ao espaço e à nossa posição. É certo que podemos colocar-nos no “centro” da ação ao carregar no “Start”, mas houve um ou outro momento que tive de voltar a um ponto de carregamento previamente gravado porque não conseguia apanhar do chão um dispositivo que era necessário para progredir. Mas isto nem tem tanto a ver com o jogo, são as dificuldades técnicas normais de um aparelho de Realidade Virtual com fios.

Há muito para fazer e refazer em Marvel’s Iron Man VR, até mesmo quando terminarem a historia principal. É uma das mais longas, se não a mais longa aventura de um jogo para o PSVR. Há pouco mais de um ano quando joguei Blood & Truth tinha seis horas de história e este terá pelo menos mais umas boas três ou quatro horas em cima. 

Marvel’s Iron Man VR é obrigatório para quem tem PSVR e uma das melhores experiências que um jogo de Realidade Virtual me proporcionou. É uma aventura divertida e que nos faz voar na pele de Iron Man. A história é boa e as interpretações para português estão bem excelentes. Voar e atacar ao mesmo tempo tem a sua dificuldade, mas também ninguém nos disse que a vida de Super Herói era fácil.