Developer: Hit Point Co. Ltd.
Plataforma: Xbox One, PlayStation 4, PC e Switch
Data de Lançamento: 10 de Outubro de 2019

Se formos a ver o historial de jogos RPG que já foram publicados até ao dia de hoje perdemos o horizonte, porque é um dos tipos de jogos mais jogados no mundo e para satisfazer essa vontade dos jogadores deste tipo, os desenvolvedores têm cada vez mais o trabalho mais difícil para trazer novidades aos jogos. Neste aspecto a equipa da Hit Point Co. Ltd. fizeram um óptimo trabalho no que toca a inovação em Monochrome Order.

Desenvolvido, nos estúdios da Kemco, este RPG traz muitas surpresas a quem o jogar, é um excelente caso que não se deve julgar um jogo só pelo visual. Monochrome Order Tem um visual retro apresentando o mesmo visual de um RPG dos anos 80/90 apenas com algumas nuances gráficas quando existe diálogos. Tal como referi o visual é exactamente igual aos primeiros deste tipo, que por um lado irá agradar bastante os entusiastas dos retro games o deixar tristes os jogadores que preferem os gráficos mais trabalhados tornando o jogo mais apelativo visualmente.

O ponto forte deste título é sem sombra de dúvidas a narrativa que o acompanha e o que podes fazer com ela. Digo isto porque a maneira que a história vai avançando depende das escolhas que fazes durante o jogo. Resumindo, és tu que escolhes, até certo ponto, o caminho que queres seguir. Cada decisão que faças tem consequências que poderão ser logo visíveis ou poderão ter consequências mais para a frente, quer seja no desenrolar da narrativa directamente quer indirectamente.

Neste jogo serás um árbitro que após seguir as pistas dos casos que te contratam irás fazer o julgamento destes e dependendo o que julgares poderás ser beneficiado ou não. Tens três parâmetros que tens que ter em atenção nos teus julgamentos que são a tua fama, a paz que trazes para o teu reino e o último ponto é a economia. O teu personagem pertence ao reino de Aidycil e terás que explorar muitos mistérios que se sucedem e no início terás uma ajuda preciosa de Passe o valente companheiro nesta aventura com muito mistério em volta.

Monochrome Order tem cerca de nove personagens principais na história, mas fora estas personagens, existem dezoito que, dependendo dos teus julgamentos, poderão fazer parte da tua equipa. E com isto vem a jogabilidade em combate, que por sua vez é algo que não traz nada de novo e este tipo de jogo.

Os combates têm uma vista lateral e tal como um bom RPG dos anos 80/90 estes são feitos por turnos. E a tua equipa é formada por três personagens no máximo e que por sua vez cada um tem até três habilidades fora o ataque físico. Algo que me deixou deveras surpreendido e confuso, confesso, é quando algum elemento da tua equipa morre em combate, este recebe experiência, podendo assim subir de nível, e “ressuscita” com um ponto de vida sem termos que utilizar qualquer item ou alguma habilidade, o que é algo que não se via e que não é normal nos RPGs deste tipo.

Algo que também não é normal é o facto de poderes repetir a história, podendo assim experimentar outras decisões e conseguires presenciar outros caminhos nesta história de fantasia e mistério.

Um ponto que me desagradou bastante e que a meu ver é o ponto mais negativo na concepção deste jogo é a banda sonora. Algo que no inicio me levou à minha infância mas que depois tornou se um pesadelo porque é super repetitiva. A banda sonora deste jogo é mesmo muito limitada fazendo com que o jogador se irrite, “obrigando” a tirar o som da consola.

Resumindo, Monochrome Order é um RPG banal e simples de jogar, sem grandes novidades na sua jogabilidade. A maneira como foi construída a história agradou-me muito porque é sempre bom podermos fazer as nossas escolhas mesmo que sejam decisões que não faríamos na vida real e para mim esse é o lado bom dos jogos, darem liberdade de escolha. Graficamente é sem dúvida um jogo dedicado para os jogadores nostálgicos e não para os jogadores que gostam de grafismos mais realistas. Mesmo assim aconselho a jogarem porque vale a pena jogá-lo.