Developer: Milestone
Plataforma: PS4, PS5, Xbox One, PC, Xbox Series X|S
Data de Lançamento: 14 de Janeiro de 2021

Devo confessar que já estava com saudades de um joguinho de motas, mas ainda mais de motocross. Por uma ou outra razão os últimos títulos ou não tinham uma grande qualidade ou eram pouco apelativos, e verdade seja dita que depois da minha mítica experiência nas velhinhas arcadas do Centro Comercial de Queluz, o apelidado de “Espelhado”, nada foi como dantes. Lembro-me bem como dava para sacar cavalinhos para executarmos os saltos e o quanto divertido aqueles 3 minutos e menos 100 escudos no bolso eram.

É claro que muito mudou e agora par encontrar uma máquina arcade do género é quase uma agulha num palheiro, mas chegou-me às mãos este MXGP 2020 e senti que este jogo poderia devolver alguma dessa pica. E não me senti defraudado. Senti que a experiência agora dos videojogos se foca demasiado na questão da reprodução da realidade, por vezes, com botões a mais e divertimento a menos, mas na sua execução e reprodução da realidade é o melhor que vão encontrar. Entremos então nesta análise ao jogo.

MXGP 2020 – The Official Motocross Videogame, foi desenvolvido pelos veteranos da Milestone, os mesmos de vários jogos que envolvem as duas rodas e por isso é logo um selo de qualidade, basta olhar para a série RIDE. Aqui, no entanto, o ambiente é diferente, estamos a falar de pistas cheias de lama e motas cuja potência está nas primeiras 3 mudanças, e o poder binário é muito mais importante do que a velocidade de ponta.

Desde cedo que percebemos que sendo este o videojogo Oficial de Motocross, não ficaremos desapontados ao descobrir que todos os pilotos, máquinas e uniformes deste desporto motorizado estão fielmente recriados no jogo. E as opções não são nada poucas, entre os pilotos em si, passando pelas várias motas dos vários fabricantes e patrocinadores, das várias categorias, a escolha é mesmo muito e por vezes até díficil de saber o que escolher, mas o jogo dá-nos, nomeadamente perante os fabricantes, as particulariedades de cada uma, seja uma maior aceleração ou velocidade de ponta, maior facilidade de manobralidade, de travar ou de manter o equilíbrio. Para além disso, depois da escolha da nossa mota ainda podemos afiná-la para ficar mais perto da nossa forma de jogar, tendo em conta um factor essencial, que é, o rácio de velocidade e binário para cada mudança da nossa mota. Sentimos efectivamente que estes pormenores fazem a diferença entre ganhar ou perder, e que é uma parte muito importante do jogo, mas também o é na vida real.

Em relação aos modos de jogo, comecemos por aquele que nos é obrigado logo ao início, sim temos que começar uma Carreira primeiro antes de acedermos a outros modos de jogo. Neste Modo Carreira, somos um piloto novato, começando de baixo, e tentando chegar ao topo, juntando-nos a uma equipa real ou fazendo a nossa própria – a escolha é vossa. Vamos assim entrar numa versão simulada da edição 2020 do Pro Motocross Championship, que contem 19 pistas, cada uma delas dividida entre corridas de qualificação e corridas oficiais.

O Modo Rápido permite que saltem para uma atividade da vossa escolha, seja um GP ou um modo Time Attack, sem nenhum dos complicados modos de Carreira. O Modo Multijogador faz o mesmo, permitindo a entrada num lobby de pessoas com ideias semelhantes e correr para o conteúdo que desejamos. No entanto aqui tenho de referir que o modo multijogador não é muito afável, porque temos que votar; votar na duração da corrida, então votar na pista, então votar no clima, e aí sim podemos finalmente ir para a corrida… eu sei que é democrático, mas não será também escusado?!

Para além disso, temos ainda o modo Playground que nos permite selecionar um dos ambientes do jogo (dos quais existem muitos, e todos parecem ótimos, então um bom ponto para Milestone aqui), e explorar até ficarmos entediados. Aqui podemos ainda lançar um GP, sendo que este modo é indicado para nos fazermos à pista sem qualquer tipo de pressão.

Também temos um construtor de pistas que, é claro, nos permite criar as nossas próprias pistas, com várias curvas, bermas, saltos e retas para escolher; também podemos criar uma pista oval e isso demora apenas 15 minutos, mas se quiserem fazer a pista dos vossos sonhos, bem é só imaginar, e perder tempo nisso.

Paga-nos o café hoje!

E, por fim, a Personalização é basicamente a loja, onde vamos poder comprar de tudo um pouco para a mota ou o piloto. Relembro que temos à disposição 68 pilotos das categorias MXGP e MX2 assim como as suas motas, portanto há muito por explorar neste capítulo.

Passemos então à jogabilidade, sendo que jogámos em formato PS5, e isso dá-nos logo uma nova sensação com o haptic feedback e os adaptive triggers. Sentimos de facto a tracção da mota a tentar suplantar a lama, as mudanças a entrarem e os travões a actuarem. O jogo tenta simular aquilo que é o efeito da mota em nós, isto é, temos o travão de frente e o travão de trás, as mudanças, o acelarador, e ainda temos de lutar com os analógicos pelo equilíbrio do nosso piloto e o tentar colocar a mota no a^ngulo certo para abordar as curvas, portanto, no início não desesperem, custa um pouco a habituar e frustra um pouco, mas a coisa faz-se. Por isso vai exigir persistência e paciência, não é um jogo arcade em que temos que aprender a acelerar e travar no sítio certo e encadear as curvas nos pontos de intercepção perfeitos, é a física da mota que nos vai julgar e nos vai, de certa forma, nos dirigir.

Quant ao grafismo, na PS5, o jogo roda a 60FPS em 4K, por vezes variáveis, mas que dá um realismo brutal ao jogo. O público está muito bem caracterizado e dinâmico, povoando muito bem as beiras das pistas, com todos os elementos de segurança e de broadcast também representados. Os pilotos e as suas motos são o highlight do jogo, com o jogo de iluminação super bem recriado, apenas com a física das quedas um pouco “estranhas”, com os pilotos a cair como se fossem de borracha, o que é uma pena. Os efeitos da pista, seja a lama a saltar por todo o lado, seja o reflexo das poças na pista, ou o salpicar da lama para o nosso ecrã, são todos pormenores que adicionam qualidade gráfica ao jogo, e nesse capítulo, MXGP 2020 começa a dar os sinais do que podemos esperar para esta nova geração de consolas.

MXGP 2020 – The Official Motocross Videogame é um jogo extremamente consistente, tem os predicados todos certos. Situa-se no mesmo paradigma que outros jogos de corrida, que é o facto de poder ser considerado demasiado simulador para o jogador mais arcade, mas é gratificante. Não sentimos que o facto de ser desafiante nos rouba por completo o divertimento, mas tem uma larga curva de aprendizagem. Se não gostam de motas ou motocross é óbvio que não vai ser este jogo que vos vai fazer gostar, mas se gostam deste desporto e das duas rodas em geral, vão efectivamente sentir que estão em cima de um motor com duas rodas numa enorme poça de lama.