Developer: CyberConnect 2
Plataforma: PlayStation 4, PC, Xbox One, Nintendo Switch
Data de Lançamento: 28 de Fevereiro de 2020

One Punch Man: A Hero Nobody Knows é a recriação em videojogo de uma das séries mais cómicas do mundo do anime. Para quem não conhece a série, basicamente centra-se na personagem de Saitama, um herói que ninguém conhece ou reconhece, mas que é o homem mais forte do mundo e arredores que consegue derrotar todos os seus inimigos apenas com um soco. Talvez por isso mesmo ninguém o conheça, e o seu ar aluado e despreocupado ainda o tornam mais irrealista para o comum dos mortais que não vê nele alguém ameaçador. Mas Saitama vive com um dilema que é o facto de nenhum herói ou vilão ter a capacidade de o derrotar, quanto mais lhe tocar e ele vence sempre com um soco e sem qualquer tipo de obstrução.

O anime tem duas temporadas, e nessas duas temporadas One Punch Man vive este dilema enquanto que várias personagens que fazem parte da Associação de Super Heróis tentam chegar ao seu nível, enquanto que os maiores vilões tentam perceber de onde vem tamanha força e o tentam derrotar. A história é basicamente esta com mais alguns twists and turns, mas com muitas personagens icónicas e muitas referências subliminares ou nem tanto a outros tantos heróis do mundo da banda desenhada e até dos videojogos.

Tal como a série de anime, vamos andar por vários dos locais mais icónicos, desde a sede da Associação de Super Heróis, como algumas das ruas da cidade do nosso querido Saitama que nos vai apresentado como o alvo a abater a nível de ranking. Aqui queremos ser tão fortes quanto ele e medir forças com todos os outros heróis para conseguirmos subir no ranking ou escalão, se preferirem. O objectivo é chegar ao ranking S, onde mesmo que ninguém saiba é onde One Punch Man se encaixa. Para o conseguirmos temos várias formas, e todas elas se complementam de uma forma ou outra. Podemos lutar contra algumas das ameaças da cidade, grupos mais ou menos organizados de criminosos, alguns vilões ou até mesmo medir forças contra outros heróis que vamos conhecendo com o desenrolar do jogo. Podemos ainda fazer alguns serviços à comunidade da cidade, serviços que podem passar por derrotar criminosos, encontrar o par ideal para alguém, encontrar coelhos ou cartas ou até levar itens de um lado para o outro. Para além de ajudarmos os cidadãos, vamos encontrar os tais heróis que falava, onde vamos medir forças em batalhas épicas, ou então aliarmos-nos a eles para derrotar algumas ameaças mais astronómicas que vão surgindo. Ao fazê-lo vamos aumentando o nível social com determinada personagem que vai desbloqueando não só esse mesmo herói para jogarmos no modo Versus, como também vamos desbloqueando os seus ataques mortais ou estilo de combate para usarmos na nossa personagem.

Já que falei disso, explicar que aqui, vamos criar a nossa personagem e conforme vamos avançando na história, e como dizia antes, desbloqueando o seu estilo de jogo e ataques mortais, vamos escolhendo a abordagem que queremos dar ao nosso jogador. Podemos usar ataques físicos, ou podemos usar uma bastão ou uma espada ou até ataques psíquicos. Para além disso conforme vamos ganhando combates vamos também ganhando pontos de experiência para usarmos para aumentarmos traços da nossa personagem, seja ela a força, o ataque mortal, a vitalidade, a destreza ou a técnica.

Como já devem ter percebido este jogo vai-nos empurrando sempre a fazer mais e mais coisas para desbloquearmos ataques, para aumentarmos o nível da nossa personagem e para ganhar dinheiro para comprar outros elementos de cosmética ou de aumento de status. Conforme vamos avançando na história vamos desbloqueando também ruas e com elas, lojas, para comprar novos itens de cosmética, baseados nas personagens do jogo, objectos raros com fichas da cidade, isto é, com fichas que adquirimos aos fazer tarefas na cidade, as chamadas side quests, e “comida” que dão boosts nas stats da nossa personagem, seja a nível da jogabilidade, seja nas condições do jogo, isto é, em aparecerem mais heróis e mais vezes, de adquirirmos mais experiência ou de ganhar mais itens.

Por fim existe ainda lojas com mobília para comprarmos, e porquê? porque também temos um apartamento que no início está praticamente despedido e que podemos ir recheando com esses elementos de mobília e decoração que encontramos nas lojas. A nossa casa será depois de atingirmos o ponto máximo da relação social com os heróis, o local onde esses mesmos heróis vão surgindo para nos dar alguns miminhos.

Passemos então à jogabilidade, curiosamente o jogo não encaixa particularmente nos jogos tradicionais, porque nem tem comandos mais ou menos complexos tipo Street Fighter, com as suas meias luas e etc, é mais uma Button Smasher, onde temos combos básicos com apenas dois botões para os ataques físicos normais, um mais fraco e um mais forte, e depois carregando no Left Trigger (no caso da Xbox), e mais uma dos quatro botões (A,X, B, Y) realizamos um Ataque Mortal.

Estes Ataques Mortais dividem-se por estilos e pela quantidade de energia ou stamina, se preferirem, que exigem, e quanto mais forte, mais barras consome até ao máximo de 5. A Stamina é recuperada sem carregarmos em qualquer botão para o fazer, apenas ao atacarmos e a executarmos combos é que a vamos recuperar. No entanto para além dos Ataques Mortais também gastamos esse barra de Stamina ao usarmos o Dash para corrermos atrás dos adversários ou nos afastarmos deles ou se usarmos para desaparecer da frente do adversário e surgir nas suas costas, numa espécie de counter “à lá Dragon Ball”. Portanto temos dois botões de ataque, combinação de botões para Ataques Mortais e dois botões para nos esquivarmos e defendermos, sendo que ainda temos a hipótese de trocar de personagem com o Right Button, isto quando e se estiver disponível. Isto porque neste jogo os heróis que podem nos ajudar nos combates no fundo são heróis do jogo ou outras personagens do mundo online, isto é, outros jogadores que vêm em nosso auxílio. No entanto eles demoram um determinado tempo até chegarem, que podemos diminuir caso fizermos alguns combos no adversário, mas o inverso pode também acontecer, e para que tal não aconteça o melhor é despachar o combate antes que cheguem, especialmente se for o Saitama, porque como toda a gente sabe… One Punch Man!

A jogabilidade é muito simples, mas nem por isso, fácil, aqui o jogo está bem assente no termo “timing“, para darmos o golpe ou mesmo um combo ou até um Ataque Mortal, o timing é essencial. Os combates são muito rápidos e a velocidade dos nossos socos ou dos nossos ataques com armas ou psiquícos têm tempos diferentes. Se quiserem ser mais desenfreados ir para um estilo de combate físico é o melhor, mas se querem desferir ataques mais fortes e devastadores, o uso das armas ou dos poderes psíquicos pode ser o vosso melhor amigo, mas tem um senão, são mais lentos de executar, geralmente consomem mais energia e deixam-vos mais vulneráveis. É uma questão de escolher e até com o nível de progressão da vossa personagem vão facilmente sentir qual é o vosso preferido e por isso o jogo tem também uma óptima margem de progressão. O jogo mais lá para frente deixa-vos ainda poderem mudar de um estilo para o outro, e com isso até mudarem de aparência, clicando no analógico direito como que activando uma força interior para usar outro estilo. É simples a jogabilidade mas a oferta é muito e variada, o que vai colmatando alguns momentos de maior repetição.

A nível de grafismo, vamos encontrar mais uma vez um jogo baseado em Cell Shading em 3D com os cenários modelados também eles em 3D, dando sempre um sentimento de profundidade e de liberdade ao jogador que se pode movimentar durante o ataque em 360 graus, aliás, os cenários são mutáveis, visto que tal como no anime, pode chover meteoritos como podem surgir toupeiras, e até drones que nos podem aumentar os nossos stats. Tudo é algo ridículo como no anime, sempre cheio de humor e muita diversão e com as vozes originais ou as americanas para escolherem para melhor recriar o anime.

One Punch Man – A Hero Nobody Knows é um jogo essencial para os fãs do Anime, é muito divertido, descomplexado, por vezes um pouco repetitivo, é verdade, mas o humor que nos é apresentado, assim como os vários momentos que fizeram parte das duas temporadas do anime, vão fazer delirar os fãs e é super divertido de jogar com amigos, a menos que sejam é claro o One Punch Man…