Developer: Sobáka Studio
Plataformas: Xbox One, PlayStation 4, Nintendo Switch e PC
Data de Lançamento: 19 de Julho de 2019

E eis que dois anos depois, Redeemer faz o seu regresso com uma Enhanced Edition, chegando finalmente às consolas. Desenvolvido pelo Sobáka Studio, é um top-down shooter, que poderá parecer familiar a quem já teve a oportunidade de jogar o clássico Hotline Miami, porém, com uma temática e uma mecânica completamente diferentes. Também faz da violência e do gore uns dos seus principais cartões de visita, que combinam sempre bem com uma história de vingança.

É o caso de Redeemer, cujo protagonista, Vasily – membro de uma importante organização que fabrica armas –, é forçado a tomar uma decisão: ou se torna um soldado cibernético, ou passará a vida em fuga. Achando que não tem grande escolha, Vasily opta pela segunda opção, e consegue refúgio num mosteiro budista, que será a sua casa nos vinte anos seguintes.

Tragicamente, acabam por descobrir o paradeiro de Vasily, que termina no massacre de quem o acolheu durante todo este tempo. Como é de prever, um desejo insaciável de vingança e justiça tomam conta do protagonista, transformando-o numa verdadeira máquina destruidora e no maior pesadelo dos seus perseguidores.

Não será a história mais original e elaborada, mas olhando para o contexto do jogo, digamos que a preocupação mais evidente é que não haja lugar para grandes perguntas, já que o seu aspecto mais cativante é a jogabilidade.

E nesse sentido resulta, já que o combate está incrível. Em Redeemer não há espaço para equilíbrios, e é-nos mostrado logo desde o início a enorme diferença do poder e da habilidade de Vasily em relação aos seus inimigos. O objectivo é sentirmo-nos poderosos e imparáveis, o que é conseguido de forma fantástica.

Existe uma grande variedade de escolhas e através de certos itens que podemos encontrar ao logo do caminho (os tablets e os manuscripts) podemos especializar-nos tanto no combate corpo-a-corpo, como nos diferentes tipos de armas que podemos apanhar. Além disso, é ainda possível interagir com o cenário e usá-lo em nosso favor, para que nunca nos faltem opções.

Temos um tipo de ataque que podemos considerar como leve, outro mais pesado, e os especiais; além de um botão para nos desviarmos e outro para nos defendermos, que são de uma importância fundamental contra certos inimigos, onde a dificuldade não depende necessariamente de quem estamos a enfrentar, mas da quantidade, que será cada vez em maior número.

Tudo funciona de maneira muito prática e facilmente nos sentimos adaptados à jogabilidade. A acção é constante e brutal, cuja perspectiva isométrica ajuda na fluidez dos movimentos; e tem ainda uma mecânica de execuções interessante que provoca um close-up para vermos tudo com o máximo pormenor.

Infelizmente, devido ao progresso ser sempre tão linear, acaba por ficar ligeiramente repetitivo, que poderá ser atenuado com o modo de co-op local, caso tenham alguém para jogar convosco. O problema é o jogo ser curto, e tal como devem calcular, com dois jogadores rapidamente chegamos ao fim. É, no entanto, provavelmente a melhor e mais divertida opção para desfrutar de Redeemer e com muitas gargalhadas garantidas.

Graficamente está muito aceitável para um estúdio indie. O cenário tem um design agradável e está muito bem detalhado. Também os efeitos visuais correspondentes aos golpes são suficientemente agradáveis para sentirmos o impulso de repetir. E o mesmo se verifica no que diz respeito à parte sonora.

Claro, tem os seus problemas, especialmente a nível da optimização, que causa a queda de frames em determinadas situações, porém, nada de exagerado e que prejudique a jogabilidade, sendo perfeitamente tolerável.

Redeemer é um oásis num género onde existem poucas alternativas. O combate vale praticamente pelo jogo e é o ideal para quem procura por um sólido título de acção. O co-op local é outro ponto a favor, sendo que são cada vez mais raros os jogos dentro deste estilo que nos permitem jogar com outra pessoa na mesma consola.

Um excelente trabalho do Sobáka Studio.