A Nintendo Switch tem sido um enorme sucesso entre os jogadores, e além disso, os jogos desenvolvidos pela Nintendo e por algumas companhias de renome têm mostrado toda a sua potencialidade. Mas não são só os jogos de renome que encontraram a sua consola ideal, diria mesmo que os jogos indies encontraram aqui, tal como no PC, o melhor local para se mostrarem ao mundo que por vezes as pequenas companhias conseguem trazer jogos verdadeiramente incríveis.

Um desses casos é o último jogo lançado pela tinyBuild Games, e desenvolvido pela Torched Hill: Road to Ballhalla. O objectivo do jogo é bastante simples: conseguir direccionar uma bola por diversos labirintos cheios de perigos e armadilhas. Mas ao ler-se o nome percebe-se facilmente que a tarefa não será fácil, já que a palavra Ballhalla é uma junção de Ball (bola) que é o que nós conduzimos e Valhalla, que segundo a mitologia nórdica era um local em Asgard (reino dos deuses) onde se encontravam os guerreiros que morriam em batalha. Quero já com isto dizer que é melhor preparem-se para morrer diversas vezes neste jogo, isto porque a dificuldade do jogo está entre o difícil e o insano, e será preciso ter bastante calma, concentração e perícia para conseguirem superar os diversos desafios. Mas lembrem-se: o objectivo é chegar a Ballhalla.

Como disse anteriormente somos uma simples bola, comandada pelo analógico esquerdo, e com o botão ZR para acelerar. Basicamente estes são os nossos comandos. Os primeiros níveis embora tenham alguma dificuldade, servem essencialmente como tutorial e para nos mostrar aquilo que podemos encontrar. Ao longo desses níveis, sempre que encontramos algo novo, somos alertados com algumas mensagens que nos avisam de alguns perigos, assim como algumas dicas bastante úteis. No entanto, outras mensagens são autenticas ratoeiras que os developers decidiram colocar no jogo, para se divertirem com a nossa desorientação. E preparem-se, porque vão encontrar muitas dessas surpresas, e quando caiem nessas ratoeiras ainda são brindados com uma mensagem do género “Ups, afinal não era bem isso!”. O jogo está cheio de sadismo, com níveis totalmente loucos, e que nos fazem deitar as mãos à cabeça.

Road to Ballhalla: out on Xbox One, PS4 and Switch!

Muitos dos labirintos de Road to Ballhalla são formados por diversas paredes, e ao longo desses caminhos vamos apanhando raios laser que nos destroem, ou pedaços de chão que nos tiram energia até sermos destruídos. Noutros casos, nem paredes existem e a nossa bola ao simples descuido cai, e outras vezes temos também de passar em determinados sensores que activam ou desactivam diversas partes do cenário para nos permitirem avançar. Mas se acham que isso pode ser difícil, agora imaginem uma tela vazia cujo caminho é invisível e vocês têm de tentar adivinhar, ou pelo menos perceber a lógica para conseguirem progredir. Pois é, neste jogo tudo é possível, e quando vocês pensam que a dificuldade não pode aumentar, preparem-se, porque pode sempre ficar pior.

Mas nem tudo está feito para nos desgraçar a vida, porque ao longo dos labirintos temos vários checkpoints, o que faz com que a dificuldade não cause uma frustração demasiado grande. Devido à existência desses checkpoints, a dificuldade não se torna uma frustração, mas sim um desafio. Um desafio que por mais difícil que seja, quando o superamos, deixa-nos imensamente satisfeitos e com uma enorme sensação de superação.

Road to Ballhalla está dividido em diversos salas, e cada sala tem diversos níveis. Em geral, costumam ser 5 níveis por sala, e ainda 2 ou 3 níveis especiais. Provavelmente os jogadores que gostam de superação total, tentarão repetir os níveis para conseguir terminá-los com o total de 100%. Por último existe o Rush, e aqui o objectivo é superarem-se como nunca antes conseguiram. Terão de repetir os níveis mas desta vez tentando acabá-los no menor tempo possível, e consoante o tempo que conseguirem podem conseguir 3 estrelas, 2 estrelas ou 1 estrela, tudo depende da vossa competência.

Para mim, este jogo foi uma surpresa incrível. Quando saiu para PC em 2016 passou-me totalmente ao lado, mas a verdade é que depois de jogá-lo na Nintendo Switch fiquei totalmente viciado nele. Obviamente que Road to Ballhalla deve ser tratado como um jogo de superação e provavelmente não deve ser jogado intensamente para não vos levar à loucura. Consegue ser divertido, difícil, sádico, e frustrante por vezes, mas é contudo um jogo incrível para quem gosta de se superar e usar a massa cinzenta para ultrapassar determinados labirintos. Quanto aos mais stressados, o melhor é ficarem longe dele, senão a vossa Nintendo Switch pode não sobreviver muito tempo.

4.0

Sim

  • Labirintos Incríveis que nos oferecem uma excelente sensação de superação
  • Consegue ser cómico, insano e sádico
  • Uma jogabilidade bastante simples

Não

  • Se não tiverem paciência podem ficar bastante frustrados
Published
Views 237