Developer: Rebellion
Plataforma: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 17 de Novembro de 2020

Foi há pouco menos de 4 anos que foi lançado Sniper Elite 4 para PlayStation 4, Xbox One e PC. Lembro-me bem do quanto o jogo evoluiu, conseguindo ter a verdadeira essência da saga Sniper Elite, e ao mesmo tempo adicionar frescura e novidades que melhoram substancialmente uma franquia que por si só já era muito boa.

Depois da Rebellion ter trazido os anteriores jogos de Sniper Elite para a híbrida da Nintendo, faltava este último jogo, e foi uma tarefa que não deve ter sido fácil. No entanto, a verdade é que a chegada de Sniper Elite 3 já tinha mostrado que o estúdio conseguia fazer proezas deste género, e mais uma vez surpreendeu e muito pela positiva, Sniper Elite 4 está incrivelmente portado para a Nintendo Switch.

Para quem nunca teve oportunidade de jogar, vamos então fazer uma breve introdução da história, sem spoilers e sem estragar surpresas. Mais uma vez, o protagonista é o tenente Karl Fairburne, um agente secreto Norte Americano que opera como atirador de elite, e desta vez a nossa paragem será Itália, onde mais uma vez teremos de impedir os planos nazis. Estamos no ano de 1943 em plena Segunda Guerra Mundial, e como é fácil perceber, por estarmos em Itália, não serão apenas as tropas nazis que serão os nossos inimigos, já que o exército ditatorial fascista de Mussolini também entra nesta aventura, onde ajudaremos um grupo de resistência ao fascismo daquele país.

Como nos outros jogos da franquia, Karl Fairburne actua sozinho, onde os seus melhores companheiros serão os seus binóculos e a sua sniper. Aqueles que gostem de actuar como um fantasma vão conseguir; achar um local com bom campo de visão, ter aquela paciência de marcar os alvos com os binóculos e depois ir abatendo 1 por 1, com calma e de maneira a que não alerte outros soldados.

O jogo também permite ter uma abordagem mais explosiva, já que andamos também equipados com uma metralhadora e uma pistola, o que proporciona àqueles jogadores mais intempestivos poderem avançar de uma maneira menos cautelosa.

A terceira abordagem que o jogo permite é o stealth, e em locais mais fechados esta é perfeita, já que podemos assassinar os inimigos com uma faca, ou simplesmente com uns golpes bem dados, ao ponto de partir queixos, ou partir pescoços.

É por todas estas opções que Sniper Elite 4 consegue facilmente conquistar qualquer tipo de jogador, ao mesmo tempo que os fãs da franquia nunca ficam desiludidos com ele. Por algum motivo este foi o jogo mais vendido de sempre da franquia, e com esta versão da Nintendo Switch os números ainda vão aumentar.

O jogo está dividido por 8 capítulos, não é por isso um jogo muito longo, mas os mapas são bastante grandes, e se tentarmos concluir todos os objetivos (principais e secundários) conseguimos passar bastante tempo em cada um deles. Existem missões que são maioritariamente passadas ao ar livre, onde temos a possibilidade de contemplar os prados verdes Italianos, assim como o mar e algumas aldeias. Em outras missões estaremos em pleno quartel general das tropas nazis, e tudo se passa em ambiente mais fechado, sendo que aí, usar uma abordagem mais steath é o indicado.

Na verdade, existem mesmo missões que misturam tudo, e para terem uma ideia de como os mapas são bastante grandes, se tiveram a oportunidade de jogar Sniper Elite 3, os mapas são 4 a 5 vezes maiores em dimensão e tudo em modo open world. Se o jogo anterior já começava a mostrar-se competente nesse aspecto, este mostra tudo isso na sua plenitude, já que o jogador pode andar pelo mapa da forma que entender, assim como subir edifícios, subir muros, passar por janelas e pendurar-se em diversos locais, isto é, o jogador sente mesmo que é ele quem controla tudo.

Paga-nos o café hoje!

Cada capítulo ultrapassa facilmente 1h30m de jogo, isto caso tentem ter uma abordagem cautelosa, se tentarem concluir todos os objectivos, então podem aumentar esse tempo por mais uns 40 a 50m. Podem por isso esperar mais de 15h de jogo, só no modo campanha. Quanto à variação dos objectivos, estes vão desde encontrar documentos importantes, destruir armas inimigas, abater determinados alvos, capturar certos inimigos, entre outros. Além de tudo isso, ainda existem os colecionáveis, e se vocês são daqueles jogadores que gostam de ter tudo coleccionado e obter os tais 100%, então aumenta esse número de horas, pois vão ter de andar a varrer o mapa de fio a pavio.

Uma das formas mais interessantes de abordar este Sniper Elite 4 é mesmo em modo cooperação, sendo possível fazer toda a campanha acompanhado, tive a oportunidade de finalizar o jogo desse modo, e acreditem que poder coordenar disparos de sniper em soldados que estão mais juntos é incrível. Diria mesmo que é um dos jogos mais interessantes do mercado para jogar em modo cooperativo.

Quanto às armas, existem para todos os gostos, e como já referi, estamos sempre equipados com uma sniper, metralhadora ou caçadeira e pistola. Essas armas podem ser trocadas com as dos inimigos, por exemplo, se matarem um inimigo podem trocar a vossa arma com a dele, no caso de ser melhor, ou por vezes em caso de necessidade, já que as balas são finitas e por vezes será mesmo necessário usar a arma de um inimigo abatido. Vamos também encontrando balas espalhadas ao longo do mapa, seja a vasculhar os bolsos dos inimigos caídos, ou também porque podemos encontrar armas ou balas espalhadas por várias zonas no mapa, como em casas, acampamentos inimigos, etc. Mas não só de armas vive este jogo, já que também temos à nossa disposição granadas, minas, TNT, entre outras coisas.

Conforme vamos subindo de nível do personagem, também podemos ir melhorando as nossas armas, algo que ajuda também o jogador a tentar completar o máximo de objectivos e aniquilar os inimigos a vários metros de distância, tudo para obter o maior número de XP possível.

Algo que não podemos deixar de referir – até porque é uma das imagens de marca da franquia – tem a ver com a câmera Raio-X. Sabem quando acertam aquele tiro que mata o inimigo instantaneamente? Pois bem, aqui vão ver isso e muito mais, e sempre que um tiro sai certeiro, vamos seguindo a bala metro-a-metro até esta entrar no corpo de inimigo; aí entra em acção a câmera Raio-X e vemos a bala perfurar os órgãos do inimigo, desde dilacerar o seu cérebro, ao entrar no coração, a entrar no estômago e a partir ossos. E caso estejam a jogar em modo cooperativo, o vosso companheiro também verá o nosso tiro, o que leva por vezes aquela pequena competição saudável de quem consegue dar aquele tiro mais incrível, como matar um inimigo a uma maior distância, ou um tiro que rebente mais ossos, ou apenas um headshot muito bem dado.

Passando agora para os modos competitivos, temos então o famoso Team DeathMatch, o DeathMatch, Team Distance King, Distance King, No Cross, Capture the Flag, Control e Elimination. Qualquer um destes modos funciona na perfeição, mas convém estarem ligados por cabo de rede, isto é, jogar em modo Dock com cabo de rede para não terem problemas com lag.

Todos os modos referidos acima, assim como o modo cooperativo, podem ainda ser jogados em modo local, ou seja, podem juntar-se com amigos e cada um com a sua Nintendo Switch fazerem uma ligação local e jogarem entre vós (provavelmente não é boa ideia nesta altura de pandemia).

Falando agora desta versão para a Nintendo Switch, podemos dizer que mais uma vez o trabalho da Rebellion foi magnífico. O jogo apresenta-se sempre bastante estável, quer em modo Dock, quer em modo portátil. Os gráficos estão bons, assim como as animações. Em termos de áudio está incrível a conversa entre militares, assim como as pessoas a falar na rua, os tiros, o personagem a correr, e o ambiente à nossa volta. Quanto aos controlos, estes estão excelentes, como já estavam nas outras versões do jogo; e agora com a possibilidade de ligarem os controlos de movimento, e conseguirem controlar a vossa mira apenas movimentando a consola.

O único ponto que fiquei surpreso com o jogo foi esta não ser uma versão definitiva – como aconteceu com Sniper Elite 3 Ultimate Edition –, já que terão de comprar os DLC’s ou o Season Pass à parte. Tendo já o jogo atingido quase 4 anos do seu lançamento inicial, teria sido bem pensado uma versão com todo o conteúdo, mesmo que por um preço um pouco maior.

Sniper Elite 4 chega à Nintendo Switch pela porta grande, é um tiro certeiro, um port de extrema qualidade que deixa qualquer um pasmado com a sua qualidade, a mim convenceu-me e acredito que também vos convença facilmente, se são fãs da franquia ou de jogos deste género, não pensem duas vezes – este é o vosso jogo.