Developer: SEGA / Blind Squirrel Entertainment
Plataforma: PS4, PS5, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series X/S e PC
Data de Lançamento: 10 de setembro de 2021

Sonic Colors foi lançado em 2010 para a Nintendo Wii e para a Nintendo DS, e que talvez tenha passado despercebido para alguns, mas a sua qualidade e inovação acabaram por dar origem a esta nova versão para todas as plataformas de consolas e PC, numa versão Ultimate que traz algumas novidades ao jogo.

Para quem não se recorda ou nunca jogou o original, a história coloca os nossos amigos Sonic e Tails numa aventura contra o vilão do costume, o Doutor Robtnik (desculpem lá mas a cena de o chamar Dr. Eggman não funciona comigo). Sonic e Tails vão para um parque de diversão espacial que o Dr. Robotnik criou, alegadamente para compensar todo o mal que tem feito. Na realidade, este parque de diversão foi criado para prender cinco planetas onde o Dr. Robotnik está a tentar absorver o poder de uns aliens simpáticos chamados de Wisps.

Ao rapidamente perceberem a situação, a dupla trabalha em conjunto para salvar este aliens simpáticos. Enquanto Tails fica a trabalhar num tradutor para compreender estes aliens e saber melhor como os ajudar, Sonic, sempre com a sua ansiedade inerente, corre para destruir todos os mecanismos do Dr. Robotnik.

Nunca podemos esperar uma história completamente original e brilhante num jogo do Sonic, mas ao menos a aventura é contada em cenas de animação relativamente bem feitas e especialmente regadas de algum humor que envolvem Sonic, Tails e os dois robôs Cubot e Orbot, os capangas taralhoucos do Dr. Robotnik. O que me espantou foi que estas cinemáticas não foram remasterizadas, uma falha significativa visto que nos faz recordar que o jogo foi lançado originalmente em 2010, quando tudo o resto levou um enorme “facelift” para 4K na secções jogáveis.

Já que falamos disso, dizer que nas plataformas da nova geração, Sonic Colors Ultimate oferece um sistema de iluminação aprimorada, com suporte para a resolução Ultra HD 4K e frame rate 60 FPS. Para além disso a banda sonora também foi remisturada para acompanhar estes tempos modernos, e alguns ajustes nas mecânicas e nos níveis em si.

Apesar dos Wisps não serem uma novidade no jogo, foram a novidade nas mecânicas do jogo original. Ao encontrarmos estes pequenos seres alienígenas, Sonic ganha poderes de transformação e que podem ser ativados ao premir uma tecla, em qualquer altura que desejem. Na versão original haviam oito Wisps, nesta versão Ultimate há nove, com a inclusão do Wisp Fantasma, que serve para aceder a algumas áreas completamente inacessíveis a não ser com este poder de atravessar paredes e qualquer tipo de objeto.

Este Wisp Fantasma (verde), junta-se a outros, como por exemplo, Wisp amarelo, que transforma Sonic numa broca para escavar túneis pelas fases, o Wisp azul transforma o herói num feixe de laser que pode ricochetear pela fase em altíssima velocidade e assim por diante.

Abordemos o jogo em si, que é como quem diz, as correrias do Sonic pelos níveis deste jogo. Sonic, tal como aconteceu com Mario, ganhou uma vida 3D, quer seja pelos desenhos animados que foram surgindo dando essa tridimensionalidade, quer seja pelos jogos que foram acompanhando a evolução da tecnologia e dando uma versão mais palpável do nosso ouriço favorito. Graças a Deus não lhe deram um ar de um guaxinim como esteve para acontecer no filme, mas sim umas perninhas mais compridas, e umas mãos também, já agora.

É mais do que natural que seja um pouco estranho, ao início, adaptarem-se à ideia de que Sonic não é um jogo tipicamente side scroller em 2D, mas que não deixa de recordar esses momentos, quase de uma forma de tributo ao jogo da SEGA. Aqui Sonic movimenta-se em diversos planos, por exemplo, no início de cada um dos planetas que vamos visitar, a primeira fase, geralmente, é uma corrida pura e dura. Aqui Sonic corre pela pista a recolher moedas numa visão em terceira pessoa, com a câmara atrás do nosso ouriço, em que temos que basicamente o direcionar, saltar, saltar por cima dos adversários e ser o mais rápido possível. Basicamente parece um runner, com algumas mudanças de perspetiva, dando essa ideia de 3D em loops gigantes e secções em que a câmara muda automaticamente acompanhando a corrida de Sonic.

Em outros níveis temos uma vertente mais de plataforma, misturando a corrida, com fases mais pausadas onde temos de saltar de plataforma em plataforma, por vezes, utilizando pequenos artifícios do nível em si, outras vezes utilizando os poderes dos Wisps. Nestes momentos o jogo assemelha-se mais ao Sonic tradicional, com essa visão de side scroller. O que acontece em alguns dos níveis é que estas secções de plataformas quebram o ritmo do jogo, ainda para mais, se andarem atrás dos anéis vermelhos de bónus, ou de qualquer outro bónus.

Ainda não tinha referido isto, mas Sonic Colors Ultimate, tem sempre um cronómetro associado a cada fase, e quanto menos tempo fizermos, melhor pontuação fazemos, e se chegarmos à melhor recebemos mais uma moeda especial do jogo. E por isso é que por vezes é ligeiramente frustrante estar a tentar fazer uma boa pontuação, ao mesmo tempo que andamos à procura de bónus pelos níveis. Diria que a melhor forma será depois repetir a fase mais do que uma vez, e até testar novos caminhos, mas chega a certo ponto e é apenas repetitivo.

Também o aliciante para apanhar estas moedas bónus não é nada de extraordinário, com alguns elementos de cosmética para Sonic, mas pouco mais do que isso. Diria que o mais interessantes é mesmo desbloquear o Rival Rush, um modo que nos leva a um modo tipo Time Trial contra o Metal Sonic, por partes de cada um dos níveis, tentando fazer um melhor tempo do que ele. Para isso vamos ter de recolher 15 anéis vermelhos em áreas específicas do jogo. Por fim existe ainda a possibilidade de desbloquear o Super Sonic, mas para isso vão ter que penar um pouco mais, recolhendo 180 anéis vermelhos e completar todos os níveis do Sonic Simulator.

Um dos pontos altos do jogo são os cenários. Ser um parque de diversões ajuda, e muito, para que a criatividade seja exacerbada, mas a verdade é que nesta versão ganham uma nova vida com a qualidade nos reflexos, na luz, no efeito da água, entre outros; aliados à fluidez que agora é possível nesta versão. Cada nível tem um mundo vivo em si, com destaque para o Starlight Carnival ao estilo Rainbow Road, com o Sonic a acelerar pelo espaço enquanto se desenrola uma guerra intergaláctica no fundo, até a onírica Sweet Mountain que é feita inteiramente de junk food e andamos a subir montanhas de cobertura de bolos de aniversário, ou até o Aquarium, com os seus magníficos efeitos da água, da tradição japonesa e dos seus ornamentos. Cada mundo está radiante de criatividade, e mesmo com secções jogadas à velocidade da luz, agora é muito mais fácil acompanhar a ação devido aos 60 FPS. Isso não quer dizer que não canse a vista, mas vale a pena.

Paga-nos o café hoje!

Sonic Colors Ultimate acaba por ser um belo remake do jogo da Wii e da DS, demonstrando que é possível ter um bom jogo do Sonic em formato 3D, cheio de velocidade, adrenalina e plataformas. Mostra também, que ainda hoje, há espaço para jogos do Sonic e que pode ser explorado num futuro próximo. Peca apenas pelas cinemáticas que poderiam ter acompanhado o revamp do jogo, e podermos escolher as versões da banda sonora. No entanto é divertido, fluído, desafiante e viciante.

Deixa um comentário