Developer: Aspyr Media, LucasArts, Pax Softnica
Plataforma: Nintendo Switch, PlayStation 4
Data de Lançamento: 23 de Junho de 2020

É bastante bizarro como, provavelmente o pior filme de toda a franquia de Star Wars, e falo obviamente de Star Wars: Episode I – The Phantom Menace, conseguiu oferecer aos jogadores um brutal jogo de corridas, com a chegada de Star Wars Episode I: Racer em  1999, um jogo que me marcou.

Para a altura o jogo apresentava uma jogabilidade incrível, totalmente arcade, com cenários totalmente inspirados em Star Wars e claro, com os Pod Racer totalmente diferentes uns dos outros, que era algo bastante inspirador para os jogadores, e ainda mais para os fãs de Star Wars, como é o meu caso.

Este é um daqueles títulos que em conversa sobre jogos antigos vem sempre à memória dos jogadores. Devido à diversão que trazia, e também por termos a possibilidade de jogar contra os nossos amigos, é fácil lembrar-nos das corridas incríveis que fazíamos para depois nos rirmos quando os víamos a espetarem-se contra uma parede e a espatifarem as suas naves.

Quando foi anunciado que Star Wars Episode I: Racer ia receber uma remastização para a PlayStation 4 e Nintendo Switch, achei uma ideia bastante interessante e que provavelmente iria agradar aos novos jogadores, que nunca o devem ter jogado. Se olharmos a números, é um jogo que faz agora 21 anos que foi lançado.

A verdade é que depois de tantos anos, quando agora voltei a jogar esta versão (neste caso na Nintendo Switch), voltei a sentir a diversão de quando era bem mais novo; aquela sensação de um jogo puramente arcade, em que a maioria do tempo é acelerar, acertar no tempo de virar para não perder velocidade nas curvas, travar o menos possível e accionar o turbo sempre que possível.

É daqueles jogos que jogamos para nos divertirmos e que passado pouco tempo já sai tudo quase sem termos de pensar, é dura diversão para a nossa mente. E numa altura de pandemia como estamos, acho que é extremamente importante conseguirmos isso, principalmente se estivermos em casa, e seguros.

O jogo conta com diversos campeonatos que nos oferecem diversas pistas, e conforme os vamos ultrapassando outras pistas vão sendo desbloqueadas, assim como novos corredores. Ao todo vão ter cerca de 25 personagens o que significa 25 veículos, e obviamente, o jovem Anakin Skywalker é um deles.

Paga-nos o café hoje!

Como é costume neste tipo de jogos, as primeiras pistas são bastante simples e fáceis, mas conforme vamos avançado no jogo, as pistas começam a ter curvas mais apertadas, obstáculos no meio das pistas e até a IA começa a melhorar a sua condução. É claro que a nossa condução terá de também ir melhorando com o avançar do jogo, até porque a nave sofre danos e os motores aquecem, e caso as coisas estejam a correr muito mal, certamente algumas vezes a meio da corrida terão de andar a reparar o motor, o que vos atrasará em relação aos vossos adversários.

A nossa nave também pode e deve ser melhorada, e para isso precisam de ir comprando peças novas; ou ir ao ferro velho à procura de peças usadas e que não estão no seu melhor estado, mas que são melhores em performance do que as que se encontram instaladas na nossa nave. Para isso, precisam do dinheiro que ganham ao participar nas corridas e ao conseguirem boas classificações. Existem peças de diversos tipos, como para melhorar a aceleração, a velocidade de ponta, para ajudar a travagem da nave, ajudar a curvar, para o motor não aquecer tanto, como outras coisas. Esta é outra componente que faz este jogo ser bastante divertido, porque vamos querer sempre estar a melhorar a nossa nave, sem esquecer que teremos de comprar droids para reparar a nossa nave para a próxima corrida.

O jogo permite-vos jogar localmente até dois jogadores em split-screen, e acreditem que jogar-lo com amigos e familiares é das melhores maneiras de usufruírem dele, assim como no caso da Nintendo Switch ainda podem usar os controlos de movimento dos Joy-Cons para conduzirem a vossa nave, uma funcionalidade que é divertida e que até dá para nos safarmos bem nas pistas mais fáceis, mas nas mais complicadas, nada como controlar a nave da maneira clássica.

Mas se até agora só falei de coisas boas, não podemos deixar de falar do que poderá incomodar os jogadores mais novos, e quando falamos de uma remasterização temos em mente que a jogabilidade e os aspectos essenciais do jogo poderão permanecer iguais. No entanto, visualmente, as coisas normalmente melhoram bastante, e isso é algo que não acontece neste jogo. Embora se note que existem melhoramentos, a verdade é que esperava um pouco mais a nível gráfico, já que continuamos (principalmente nas pistas) a ter tudo muito geométrico, com texturas ainda bastante datadas. Quanto às naves, nota-se que foram bastante retocadas, assim como a UI (interface de menus e informações), mesmo a compra de peças e o ferro velho; tudo está retocado e com um grafismo adequado para uma remasterização, o que fica a pecar são mesmo as pistas e os pequenos vídeos de início de cada pista, que se tivesse desaparecido até teria sido melhor para o jogo, dado que estão bastante maus.

Por outro lado, parte sonora continua brilhante, até porque para quem não sabe, a banda sonora é da autoria de John Williams. Para aqueles não fazem a mínima ideia, Williams é um compositor e maestro americano altamente premiado, participou na composição das músicas de diversos filmes como Tubarão, E.T. o Extraterreste, Jurassic Park, Lista de Schindler, na franquia Star Wars e Indiana Jones ,Harry Potte, Superman, entre muitos outros. Arrecadou 5 Oscars com Fiddler on the Roof, o Tubarão, Star Wars,E.T. o Extraterreste e a Lista de Schindler.

Star Wars Episode I: Racer continua ainda hoje a ser um jogo extremamente interessante e acima de tudo divertido, ainda que, infelizmente, o grafismo não tenha acompanhado adequadamente esta remasterização. Para os jogadores mais nostálgicos, ter a oportunidade de jogar este jogo é pura magia, enquanto que para os novos jogadores certamente se divertirão, enquanto franzem o sobrolho a olhar para os seus gráficos.

Deixa um comentário